3 Palavras Cruciais Para Todo Líder Cristão

Share on facebook
Share on twitter
Share on email
Share on whatsapp
Share on linkedin

“E sabemos que todas
as coisas contribuem para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são
chamados de acordo com o Seu propósito”
Romanos 8:28

As tempestades e o caos desta década ainda provavelmente
desafiaram sua fé (e a fé daqueles que você lidera).

Então, deixe-me perguntar: você ainda crê que Deus faz todas
as coisas para o bem?

Obviamente, para que Deus opere todas as coisas para o nosso
bem, devemos participar com Ele da maneira que Ele deseja (Filipenses 2:12-13).
Temos que encontrar e seguir Seus caminhos para enfrentar as tempestades e
navegar no caos. É disso que trata este artigo: três palavras que nos ajudarão
a encontrar e seguir os caminhos de Deus nesta década tumultuada.

Essas três palavras são amor, julgamento e verdade.

Aplicado separadamente ou com pouca compreensão, amor,
julgamento e verdade podem ser prejudiciais – especialmente quando nossas vidas
(e as vidas daqueles que lideramos) parecem menos casas fortes do que barcos
balançando em um mar revolto na escuridão da noite. Por exemplo, mesmo o amor
bem intencionado pode criar relacionamentos codependentes e facilitadores.

Amor

Eu cresci como Assembleiano, então quando ouvi que o amor de
Deus (agapaō)
é incondicional, presumi que era a melhor e mais básica descrição do amor de
Deus. Parecia bom, e alguém na liderança disse isso. Já descrevi o amor de Deus
dessa maneira muitas vezes.

No entanto, no último ano, descobri um significado muito
melhor para o amor de Deus (para constar, estou muito desapontado por ter
demorado tanto).

“Porque Deus amou o
mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que
nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna”
João 3:16.

“Pois, quando ainda
éramos fracos, Cristo morreu a seu tempo pelos ímpios. Porque dificilmente
haverá quem morra por um justo; pois poderá ser que pelo homem bondoso alguém
ouse morrer. Mas Deus dá prova do seu amor para conosco, em que, quando éramos
ainda pecadores, Cristo morreu por nós”
Romanos 5:6-8

O amor de Deus é melhor descrito como sacrificial.

Pense por um momento sobre a diferença entre incondicional e
sacrificial. Posso amar alguém incondicionalmente, simplesmente tolerando-o.
Por outro lado, sacrificar-se por eles é outra questão.

Agora, é aqui que as coisas ficam interessantes. O amor que
Deus tem por nós é o mesmo que devemos ter por ele. As Escrituras confirmam
isso.

“Amarás, pois, ao
Senhor teu Deus de todo o teu coração, de toda a tua alma, de todo o teu
entendimento e de todas as tuas forças”
Marcos 12:30

Mesma palavra para amor: agapaō. Além disso, seis vezes nos Evangelhos,
Jesus é registrado dizendo algo assim:

“Pois quem quiser
salvar a sua vida, perdê-la-á; mas quem perder a sua vida por amor de mim e do
evangelho, salvá-la-á”
Marcos 8:35

Finalmente, o amor que Deus tem por nós e que devemos ter
por Ele é o mesmo amor sacrificial que devemos ter pelos irmãos (João 13:34),
nosso próximo (Marcos 12:31) e nosso inimigo (Mateus 5:44). Então, quando as
tempestades vierem e nosso irmão ou irmã, próximo ou inimigo perderem sua casa,
como será para nós amá-los sacrificialmente?

O amor sacrificial nos diferencia do mundo. Deus nos
transformará se obedecermos aos Seus mandamentos de amar com sacrifício nas
tempestades e no caos.

Julgamento

Outra maneira pela qual Deus faz todas as coisas para o
nosso bem é usando tempestades e caos para trazer à tona nossos medos,
seguranças mundanas, raiva e uma série de outros pecados. E vamos ser sinceros,
a maioria de nós foi ensinado ou simplesmente decidiu que lidar com o pecado é
assunto de outra pessoa. Os líderes que gostam de seguidores são
particularmente culpados de evitar os assuntos mais delicados. Francamente,
esse é um grande motivo pelo qual a igreja está em seu estado atual.

Se eu descobrir que tenho uma doença hereditária do sangue
(uma grande metáfora para o pecado, aliás), é amor ocultar a possibilidade do
mesmo dos meus irmãos e filhos? Claro que não!

O mesmo não acontece com o pecado? E isso não funciona nos
dois sentidos? Eu gostaria que meu irmão ou irmã em Cristo ignorasse o pecado
em minha vida? Eu consideraria esse amor ou algo exatamente o oposto?

Mas, quando você ouve a palavra julgamento, qual é a
primeira coisa que vem à mente? Não julgue, para não ser julgado. Certo? Bem,
vamos dar uma olhada em algumas outras passagens:

“Ou como podes dizer a
teu irmão: Irmão, deixa-me tirar o argueiro que está no teu olho, não vendo tu
mesmo a trave que está no teu? Hipócrita! tira primeiro a trave do teu olho; e
então verás bem para tirar o argueiro que está no olho de teu irmão”
Lucas
6:42

Observe que Jesus não disse: “Deixe o argueiro no olho
do teu irmão”. Amar meu irmão sacrificialmente significa passar pelo
processo que Deus prescreveu, começando comigo lidando com meu pecado.

“Tende cuidado de vós
mesmos; se teu irmão pecar, repreende-o; e se ele se arrepender, perdoa-lhe”

Lucas 17:3

Como a obediência a este mandamento é possível sem julgar o
pecado de meu irmão? Como posso ajudá-lo a corrigir ou perdoá-lo de outra
forma?

“Irmãos, se um homem
chegar a ser surpreendido em algum delito, vós que sois espirituais corrigi o
tal com espírito de mansidão; e olha por ti mesmo, para que também tu não sejas
tentado”
Gálatas 6:1

Julgamento e punição não são a mesma coisa. Nem o são
julgamento e condenação. Deixe isso penetrar.

Além disso, o julgamento não é antitético ao amor. É nisso
que o mundo deseja que acreditemos, porque eles não entendem o amor de Deus e
não entendem a devastação do pecado e a morte que ele produz.

Permitir que alguém continue vivendo em pecado não é amar de
forma alguma. Sim, é difícil – até mesmo sacrificial – confrontar alguém sobre seu
pecado, mas o amor é isso.

Verdade

Quatro coisas para compartilhar rapidamente sobre a verdade
e sua relação com o amor e o julgamento:

A verdade é ineficaz
se não for compartilhada
(note que não disse forçada). Os líderes são
especialmente chamados a compartilhar a verdade, de que aqueles que a segue
seriam libertados (João 8:32).

A verdade –
particularmente sobre o pecado – deve ser compartilhada em amor sacrificial.

Na verdade, esta é a visão de Cristo para a igreja (Efésios 4:15).

A verdade deve ser
exercida para nos tornar livres.
Supondo que compartilhemos a verdade no
amor sacrificial, não somos responsáveis ​​pela
resposta do destinatário. Na extremidade receptora,
os líderes devem amar sacrificialmente, convidando
à correção.

Nossa salvação depende de nosso relacionamento com a
verdade.

Conclusão

Nossas casas – tanto individuais quanto corporativas –
resistirão ou cairão nas tempestades e caos desta década de acordo com nossa
disposição de amar sacrificialmente a verdade e uns aos outros o suficiente
para compartilhá-la em amor. Não podemos andar na verdade como um corpo de
crentes sem julgar uns aos outros em amor.

Então, o que devemos fazer com isso?

  1. Busque o pleno significado e importância do amor
    sacrificial, julgamento e verdade.
  2. Tire o argueiro do seu olho.
  3. Convide outras pessoas a compartilharem a verdade no amor
    com você.
  4. Receba o amor da verdade que Deus oferece.

Deus o abençoe com graça e coragem para as conversas
difíceis e amorosas com sacrifício.

Fonte: Esboçosermão

ÚLTIMOS POSTS