A Medida do Amor Cristão

Share on facebook
Share on twitter
Share on email
Share on whatsapp
Share on linkedin

Texto: 1 João 3:16-18

Introdução: Eu
amo alguns dos 3:16 do Novo Testamento. Por exemplo, há João 3:16: “Porque Deus amou o mundo de tal maneira que
deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas
tenha a vida eterna”.
Aqueles que creem em Jesus Cristo definitivamente
“não perecerão”, mas terão absolutamente a vida eterna.

E depois há 1 Timóteo 3:16: “E, sem dúvida alguma, grande é o mistério da piedade: Aquele que se
manifestou em carne, foi justificado em espírito, visto dos anjos, pregado
entre os gentios, crido no mundo, e recebido acima na glória”.  
E, claro, há 2 Timóteo 3:16, que nos
ensina que “Toda Escritura é divinamente
inspirada e proveitosa para ensinar, para repreender, para corrigir, para
instruir em justiça”
(o versículo 17 completa essa declaração: “para que o homem de Deus seja perfeito, e
perfeitamente preparado para toda boa obra”
).

Talvez o mais difícil desses 3:16 seja o primeiro versículo
de nosso texto hoje: “Nisto conhecemos o
amor: que Cristo deu a sua vida por nós; e nós devemos dar a vida pelos irmãos”

Como esse versículo é mais difícil do que qualquer outro?
Oh, vemos o que diz – podemos ler, citar, explicar, ensinar e até mesmo meditar
sobre isso. Na verdade, podemos até lembrar os nomes de alguns que realmente
deram suas vidas “pelos irmãos”. Mas nós nos apropriamos dessa
verdade e a aplicamos em nossa própria vida cristã? O que você fez com esse
versículo? E, por favor, não responda que se você tivesse realmente aplicado
esse versículo, você não estaria aqui para responder à pergunta! Vamos olhar um
pouco mais de perto agora.

I. Deus Estabelece Diante
de Nós o Padrão do Amor Cristão. V. 16.

A. Deus deseja que
você conheça o amor divino. V. 16a.

1. Ele quer que você saiba que Ele o ama.

2. Ele quer que você saiba que Ele ama os outros crentes.

3. Ele quer que você saiba que Ele ama as pessoas perdidas.

4. Ele quer que amemos uns aos outros.

Ilustração: Dolly
Madison, esposa do quarto presidente dos Estados Unidos, foi uma das mulheres mais
populares da história americana. Aonde quer que fosse, ela encantava e cativava
todos os desconhecidos e conhecidos, ricos e pobres, homens e mulheres.

Uma vez ela foi convidada a explicar o segredo de seu poder
sobre os outros. Surpresa com a pergunta, a Sra. Madison exclamou: “Poder
sobre as pessoas. Não tenho nenhum. Não desejo nenhum. Simplesmente amo a todos”.
E aqueles que amam são ricamente recompensados ​​pelo
amor retribuído.

5. O amor mútuo é a prova de que passamos da morte para a
vida. 3:14.

B. Jesus estabeleceu
o padrão para o amor cristão quando Ele entregou sua vida por nós. V. 16b.

1. Sua vida não foi tirada Dele.

2. Ele deu a vida por você e por mim.

3. Jesus morreu duas vezes na cruz.

Quando Jesus declarou: “Está
consumado”,
Ele completou o sacrifício por você e por mim. Ele levou nossos
pecados sobre Si mesmo. Paulo escreveu: “Aquele
que não conhecia pecado, tornou-se pecado por nós, para que nele nos
tornássemos justiça de Deus”
(2 Coríntios 5:21). Ryrie está certo: “Aqui
está o cerne do evangelho: O Salvador sem pecado levou nossos pecados para que
pudéssemos ter a justiça de Deus”. Depois que Jesus declarou que Seu sacrifício
estava completo, Ele então “entregou Seu
espírito”.

4. É verdade que Jesus morreu por nós.

a. Muitas pessoas morreram por outras.

b. Soldados se lançaram em granadas de mão para salvar seus
amigos.

c. Bombeiros e policiais estão preparados para dar suas
vidas para nos proteger.

d. Jesus, entretanto, fez algo por nós que nenhum desses
jamais poderia fazer.

5. Jesus não apenas morreu, Ele deu a Sua vida, o justo
pelos injustos.

6. A morte de Jesus é a medida pela qual o amor é definido e
compreendido.

C. “Nisto conhecemos
o amor” estabelece o padrão para o amor cristão.

Por favor, não perca isso. Desde o momento da morte de Jesus
Cristo na cruz, a medida do amor piedoso foi estabelecida. Esse é o padrão para
o amor. Sempre que quisermos fazer um inventário pessoal, tudo o que temos a
fazer é olhar para trás, para a maior manifestação de amor neste tempo ou na
eternidade. Se alguma vez sentirmos que chegamos, olhe para Jesus. Se você já
foi tentado a se gabar de seu amor pelos outros, busque Jesus. Em Sua morte na
cruz, não temos um homem caído morrendo por outro, seja por impulso ou por
premeditação. Aquele que não conheceu pecado morreu pelas criaturas que se
rebelaram contra ele. “Mas Deus demonstra
Seu próprio amor para conosco, em que, enquanto éramos ainda pecadores, Cristo
morreu por nós”
(Romanos 5:8).

D. “…nós devemos
dar a vida pelos irmãos”. V. 16c.

1. Porque Jesus deu Sua vida por nós, devemos “dar nossas vidas pelos irmãos”.

A mensagem aqui não é que devemos sair e buscar o martírio
no sentido normal da palavra. Somos informados de que houve alguns dos
primeiros crentes que tolamente perderam suas vidas porque pensaram que teriam
uma recompensa maior se morressem como um mártir. Não é isso que os assassinos
suicidas islâmicos estão fazendo? A ênfase nesta Escritura não é tanto morrer,
mas dar vida. Jesus deu Sua vida por você e Ele espera que você dê sua vida
pelos irmãos.

2. Pode ser mais difícil viver pelos outros do que morrer
por eles.

3. Pode ser mais importante viver pelos outros do que morrer
por eles.

4. Pode ser mais nobre viver pelos outros do que morrer por
eles.

5. Nenhum poder espiritual é necessário para viver do que
morrer por outra pessoa.

6. O poder espiritual é necessário para dar a sua vida como
Jesus deu a vida por nós.

Jesus morreu duas vezes na cruz. Você deve morrer
fisicamente para si mesmo, ninguém mais pode fazer isso por você. Só Jesus
poderia morrer espiritualmente pelos outros, você não pode fazer isso. Jesus
deu Sua vida “por” nós. A palavra “por” implica – não, exige expiação
substitutiva, como profetizado em Isaías 53.

Não podemos morrer “por” outro neste sentido da palavra, mas
esta passagem de 1 João enfatiza que “devemos
dar a nossa vida pelos irmãos”.
Este é realmente um versículo difícil. Um
comentarista disse: “Podemos nunca ter a oportunidade de fazer isso, mas
podemos dar a nossa essência”. Embora isso seja verdade, isso não cumpre as
exigências deste versículo. Você pode, em algum momento, ser chamado a dar sua
vida por outra pessoa. Frequentemente, neste mundo, quando isso acontece,
alguém dá a vida por um membro da família – o que pessoas perdidas podem fazer
tão prontamente quanto um cristão.

Devemos dar vida diariamente pelos outros. Devemos viver
para eles, investir nosso tempo, talento e energia na vida de outras pessoas.
Não devemos simplesmente viver para nós mesmos e nossas famílias, devemos viver
nossas vidas para e diante dos outros de tal forma que pessoas perdidas sejam
ganhas para Jesus Cristo, e de tal forma que outros cristãos sejam abençoados
por nosso ministério, testemunho e comunhão.

II. Amemos de Fato e
de Verdade. V. 17-18.

“Quem, pois, tiver
bens do mundo, e, vendo o seu irmão necessitando, lhe fechar o seu coração,
como permanece nele o amor de Deus? Filhinhos, não amemos de palavra, nem de
língua, mas por obras e em verdade”.

A. Cristãos
demonstram amor ministrando aos necessitados. V. 17.

1. A pergunta no versículo 17 exige uma resposta negativa.

2. O amor piedoso não habita em quem é egoísta.

3. O amor piedoso não habita em quem é insensível.

4. O amor piedoso não é tolo, mas é generoso.

5. Existem pessoas generosas que não são cristãs.

6. Existem alguns cristãos egoístas.

7. João está falando sobre algo além de um espírito natural
de generosidade.

B. João está falando
sobre o tipo de amor ágape em sua expressão prática.

1. Ágape ‘é uma atitude mental de amor.

2. Uma atitude mental de amor pode ser comandada.

3. Um amor movido por emoções não pode ser comandado.

Paulo escreveu: “Esteja
em vós a mente que estava em Cristo Jesus”.
Quando você começar a pensar
como Jesus, começará a agir como Jesus. Quando você pensa como Jesus, você se
sente motivado a ajudar aqueles que precisam de seu serviço ou de seus bens
materiais. Deixe-me enfatizar uma coisa: amar seu cônjuge ou filho não cumpre
necessariamente a Segunda Grande Comissão. Não há mérito em amar aqueles que
você deveria amar naturalmente. Embora seja necessária grande ênfase em amar os
membros da família de uma forma bíblica e piedosa, podemos fazer isso e ainda
assim ficar aquém da perfeita vontade de Deus para nós.

C. “Filhinhos, não
amemos de palavra, nem de língua, mas por obras e em verdade”. V. 18.

1. Recebemos a ordem de não amar apenas de palavra.

2. Muitas vezes é mais fácil falar da boca para fora do que
prestar serviço prático.

3. Alguns preferem investir em palavras do que couro de
sapato.

4. Recebemos o mandamento de mostrar nosso amor por meio de
ações.

Isso se aplica ao serviço prático. A igreja primitiva
entendeu este princípio:

“Todos os que criam
estavam unidos e tinham tudo em comum. E vendiam suas propriedades e bens e os
repartiam por todos, segundo a necessidade de cada um”
(Atos 2:44-45).

Jesus explica o princípio e fornece a motivação para este
serviço:

35 porque tive
fome, e me destes de comer; tive sede, e me destes de beber; era forasteiro, e
me acolhestes; 36 estava nu, e me vestistes; adoeci, e me visitastes;
estava na prisão e fostes ver-me. 37 Então os justos lhe perguntarão:
Senhor, quando te vimos com fome, e te demos de comer? ou com sede, e te demos
de beber? 38 Quando te vimos forasteiro, e te acolhemos? ou nu, e te
vestimos? 39 Quando te vimos enfermo, ou na prisão, e fomos visitar-te? 40
E responder-lhes-á o Rei: Em verdade vos digo que, sempre que o fizestes a um
destes meus irmãos, mesmo dos mais pequeninos, a mim o fizestes”
(Mateus
25:35-40).

5. Recebemos o mandamento de mostrar nosso amor em verdade.

Os cristãos devem demonstrar seu amor pelos outros “por obras e em verdade”.
Compreendemos o que significa mostrar amor “por obras”, mas o que significa
mostrar amor “em verdade”? Em primeiro lugar, “A Verdade” nas Escrituras se
refere a Jesus, e “verdade” geralmente denota a sã doutrina. Devemos mostrar
amor por obras, mas isso não significa que devemos desconsiderar princípios
sólidos. O amor piedoso é generoso, mas não tolo. Por exemplo, se houver
motivos para acreditar que uma pessoa gastará todo o dinheiro que você der a
ela em álcool ou drogas, é melhor você determinar quais são as necessidades
dela e ajudar com os mantimentos ou o aluguel.

6. Cristãos espiritualmente maduros amarão de verdade.

Ilustração: Em
nossos relacionamentos com outras pessoas, muitas vezes o que passa por amor é
pouco mais do que uma transação comercial organizada. As pessoas são gentis
conosco, então nós as retribuímos com igual consideração. Quando eles nos
tratam injustamente, nossa resposta negativa é realmente o que elas pediram.
Tudo é tão equilibrado, tão justo, tão lógico com esse tipo de justiça olho por
olho e dente por dente. Mas o amor cristão nunca se contenta apenas com o que é
razoável. Insiste em dar misericórdia e também justiça. Ele quebra a cadeia de
reações lógicas.

O general Robert E. Lee foi questionado sobre o que pensava
de um colega oficial do Exército Confederado que fizera alguns comentários
depreciativos sobre ele. Lee o avaliou como sendo muito satisfatório. A pessoa
que fez a pergunta parecia perplexa.

“General”, disse ele, “acho que você não sabe
o que ele tem falado sobre você”

“Eu sei”, respondeu Lee. “Mas me perguntaram
minha opinião sobre ele, não a opinião dele sobre mim!”

Conclusão: “não amemos de
palavra, nem de língua, mas por obras e em verdade”.

Fonte: Esboçosermão

ÚLTIMOS POSTS