A Obediência da Fé

Texto: Gênesis 12:4-5

Introdução

Gênesis 12:1–3 registra o chamado de Deus a Abraão. Há aspectos que são dirigidos exclusivamente a ele, mas ali aprendemos sobre o chamado cristão básico. Nosso texto desta noite move os holofotes agora para Abraão e apresenta sua resposta. Essa resposta pode ser resumida como “a obediência da fé”. A fé salvadora produz a verdadeira obediência. A fé salvadora e a obra que ela produz são nada menos que milagrosas, e todo cristão fará tais obras.

Abraão era um homem verdadeiramente notável. Ele foi um grande homem. Mas nós o estudamos não apenas porque queremos admirá-lo nem apenas para aprender com ele, como aprendemos com qualquer outro exemplo como Zaqueu ou a mulher siro-fenícia. O significado de Abraão para nós é que ele é exclusivamente chamado de pai de todos os que creem. Essas palavras são encontradas em Romanos 4:11, mas a perspectiva de Abraão como nosso pai percorre todo o Novo Testamento.

Há dois pontos importantes para Abraão como nosso pai. A primeira é a herança. Aqueles que são filhos de Abraão herdam a bênção dada a Abraão. Encontramos isso especialmente em Gálatas 3. É por isso que deve ser da maior importância para nós sermos filhos de Abraão.

A segunda é o padrão. Tal pai tal filho. Abraão é o padrão. Sua vida é dada como modelo para que vejamos como é a vida cristã. E aqueles que são seus filhos viverão como ele viveu. Como ele creu, eles vão crer. Gálatas 3:7 diz: “Os que creem são filhos de Abraão”. Como ele fez, eles farão. Em João 8:39, Jesus falou aos judeus incrédulos que estavam orgulhosos de sua linhagem de Abraão. Ele disse: “Se vocês fossem filhos de Abraão, então vocês fariam as coisas que Abraão fez”.

Tenho quatro pontos esta noite: fé, obediência, deixar tudo e perseverança.

I. Fé

Nosso texto de Gênesis esta noite é breve. Não nos dá uma visão da mente de Abraão. Não registra nenhuma de suas palavras. Assim, podemos facilmente perder o significado do que Abraão fez. Podemos pular isso como se as ações de Abraão fossem bastante comuns, quando, na verdade, nada poderia estar mais longe da verdade. Então, minha primeira intenção nesta noite é mostrar que a obediência de Abraão foi pela fé, isto é, pela fé salvadora – a mesma fé que todo outro crente cristão autêntico tem. Hebreus 11:8 comenta esses versículos e diz que Abraão fez essas coisas pela fé.

Considere também que no Novo Testamento, o atributo de Abraão que é mais enfatizado é a fé. Romanos 4 é sobre a fé de Abraão. Hebreus 11, que lista os heróis da fé do Antigo Testamento, dedica mais tempo a Abraão do que a qualquer outra pessoa. Gálatas 3:9 chama Abraão de “homem de fé”. Tiago 2 descreve a obediência de Abraão como resultado de sua fé. O Senhor Jesus Cristo disse a respeito de Abraão em João 8:56: “Abraão, teu pai, alegrou-se ao pensar em ver o meu dia; ele viu e ficou feliz” Isso é pela fé!

Para ver o significado do que Abraão fez em Gênesis 12:4–5, considere seu histórico. Abraão começou sua vida em trevas espirituais na terra dos caldeus. Ele era um idólatra. Josué relembrou essa história em Josué 24:2: “Há muito tempo, seus antepassados, inclusive Terá, pai de Abraão e Naor, viviam além do Rio e adoravam outros deuses”. Abraão pode ter ouvido falar do verdadeiro Deus, mas para um idólatra, o Senhor era na melhor das hipóteses um dos muitos deuses. Então foi Deus, não Abraão, que tomou a iniciativa. Estevão disse que “o Deus da glória apareceu a nosso pai Abraão enquanto ele ainda estava na Mesopotâmia” (Atos 7:2). O Deus da glória condescendeu em se aproximar e se revelar a alguém que estava afundado no pecado, imerso na idolatria – alguém que não se preocupava com a honra de Deus. Não havia nada em Abraão que merecesse a atenção de Deus, muito menos que merecesse seu favor. A esse respeito, Abraão era como qualquer outro pecador eleito. Na linguagem de 1 Pedro 2:9, Deus o chamou das trevas para sua maravilhosa luz.

A declaração: “O Deus da glória apareceu a Abraão”, diz algo não apenas sobre o que Deus fez, mas também sobre o efeito que isso produziu em Abraão. Eu não sei o que Abraão viu com seus olhos físicos, mas através desta aparição, pela primeira vez na vida de Abraão, Deus se tornou uma realidade viva para ele. Antes disso, o que Deus tinha sido para Abraão? Nada além das estátuas sem vida de madeira e pedra que seus conterrâneos adoravam, uma história que foi contada, uma ideia vaga e distante. Mas agora, ele sabia que Deus é o Deus vivo.

Além disso, Abraão percebeu que Deus era uma realidade gloriosa. Este é o Deus que é santo. Este é o Deus a quem os anjos adoram. Este é o Deus com poder eterno e natureza divina. Este é o Deus que enche o céu e a terra. A. W. Pink disse que isso faz parte da experiência pessoal mais cedo ou mais tarde de cada um dos eleitos de Deus. Ele aparece “diante de seus corações – aterrorizando, despertando e depois atraindo”. A Bíblia nos diz que Deus faz essa obra no coração de cada pecador. Segundo Coríntios 4:6 diz: “Porque Deus, que disse: Das trevas resplandeça a luz, fez resplandecer a sua luz em nossos corações para nos iluminar do conhecimento da glória de Deus na face de Cristo”. Você conhece a Deus dessa maneira? Deus é uma realidade viva para você, e uma realidade gloriosa nisso? Se não, invoque o Senhor enquanto ele está perto. Invoque-o no dia do seu favor.

É sobre este chamado eficaz que Abraão deixou seu país, seu povo e a casa de seu pai, como Deus ordenou. Abraão conhecia a Deus e Abraão amava a Deus. Ele se entregou inteiramente a Deus. Assim, o argumento básico da alma de Abraão e de todas as outras almas santificadas é este: “Vivo pela fé no Filho de Deus, que me amou e se entregou por mim” (Gálatas 2:20). Se você conhece a Deus, se você crê em Deus, você fará isso por ele também, por Cristo que te amou e se entregou por você. John Owen disse: “O primeiro ato de fé salvadora consiste em uma descoberta e visão da grandeza infinita, bondade e outras excelências da natureza de Deus, de modo a julgar nosso dever em Seu chamado, Seu mandamento e promessa, negar a nós mesmos, renunciar a todas as coisas e fazê-lo de acordo”. Essa é a natureza da fé salvadora. Essa é a fé que Abraão teve.

II. Obediência

Três aspectos da primeira cláusula no versículo 4 declaram que Abraão obedeceu. Primeiro, a primeira palavra é “assim”. Essa é uma palavra gloriosa. Às vezes, depois que Deus fala, lemos “mas”. Mas aqui é “assim”. Em segundo lugar, o verbo principal é “partiu”. Esse é exatamente o mesmo verbo que a primeira palavra que Deus falou a Abraão no versículo 1. Abraão fez exatamente o que Deus havia ordenado que ele fizesse. Terceiro, a cláusula termina com “como o Senhor lhe ordenara”. Esse é o princípio sobre o qual Abraão agiu. Hebreus 11:8 destaca o princípio segundo o qual Abraão agiu quando diz que Abraão “obedeceu e foi”.

Considere os obstáculos e dificuldades que Abraão enfrentou ao partir. Isso destaca o que ele fez ao obedecer. Primeiro, Abraão viveu em uma época em que clãs e tribos viviam juntos por uma geração após a outra. Partir para outro lugar não era algo que as pessoas faziam. Se você fosse para outro lugar, era porque todo o clã estava se mudando. Você se mudava junto com seu povo.

Em segundo lugar, Abraão estava bem avançado em anos com uma família sob seu comando. Para alguns de vocês que são jovens, talvez no final da adolescência ou no início dos vinte anos, a jornada de Abraão pode não parecer grande coisa. Você pode sair em uma viagem de mochila, viajar leve e aproveitar a aventura de ter que ser inventivo. Você pode fazer uma viagem com apenas uma ideia básica de um plano e voar pelo assento das calças. Se você está sem dinheiro, o que é comum para os jovens, você pode viver em um espaço apertado e aguentar. Em parte é por causa da energia que os jovens têm, mas em parte é porque você não tem muita responsabilidade. Abraão era o chefe de uma família. Ele tinha não só a si mesmo, e estando em seus anos mais velhos, mas também tinha, primeiro, uma esposa, e não há dúvida de que ela queria alguns confortos que ele ficaria feliz em não ter. Mas ele teve que olhar para aqueles porque ela era sua esposa. Ele também tinha servos, e por isso tinha que cuidar de suas necessidades também. E assim, em circunstâncias normais, para iniciar uma viagem como esta, ele teria que ser capaz de garantir que ele poderia sustentar toda a sua casa da maneira que fosse adequada, bem como garantir sua proteção e segurança onde quer que ele estava indo. Mas o texto nos diz, e Hebreus 11:8 comenta especificamente, que Abraão não sabia para onde estava indo, então era impossível para ele dar o tipo de garantia que um chefe de família responsável gostaria de dar.

Terceiro, Abraão era relativamente rico. Não é muito difícil deixar um lugar quando suas perspectivas se esgotaram. Se você perdeu o emprego e não há perspectivas no horizonte que você possa ver em sua área, é natural seguir em frente em busca de oportunidades. Abraão não teve tal incentivo. Ele era bem abastecido e provavelmente bem relacionado. É difícil sair de uma situação confortável.

Quarto, assim como não havia nada para constranger Abraão a deixar sua casa, não havia nada para atraí-lo ao seu destino. Ele não sabia onde seria. Ele não sabia o tipo de lugar que seria. Deus não lhe disse que seria uma terra que manava leite e mel. Seria fértil ou estéril? Seria atormentado por animais selvagens? Seria assediado por pessoas hostis? Estaria aberta? Seria espaçosa? Ele não sabia. Quem deixa algo bom por algo desconhecido?

Todos esses foram obstáculos e barreiras que Abraão enfrentou ao fazer esta jornada. Não havia nada na carne de Abraão que o induzisse a fazer essa jornada. Não havia nada nas circunstâncias que ele podia ver que lhe assegurasse o sucesso. Não havia nada que o fizesse partir, exceto o simples comando de Deus: “Como o Senhor lhe dissera”. Na verdade, não havia apenas nada para fazer com que Abraão partisse, mas tudo em sua carne se opunha à sua partida. No entanto, veja, Abraão está partindo. Ele está fazendo as malas e está partindo e vai em frente sem olhar para trás.

Como você explica isso? É somente pelo milagre da graça divina operado dentro dele. Da mesma forma, é contrário à carne que todo cristão não se apoie em seu próprio entendimento, mas obedeça à palavra de Deus em todas as situações. Veja aqui o poder da fé para triunfar sobre objeções carnais, superar obstáculos e realizar tarefas difíceis. Essa é a natureza da sua fé? Sua fé está produzindo obras que não estão apenas acima do poder da natureza, mas até mesmo diretamente contrárias a ela, até mesmo diretamente as coisas que você normalmente não gostaria de fazer por si mesmo?

A obediência de Abraão era como a do antigo ladrão, que não rouba mais, mas se torna honesto, trabalhador e generoso (Efésios 4:28). É uma nova atividade capacitada pelo Espírito Santo que a carne nunca poderia produzir porque Abraão era uma nova criação e então ele fez a vontade de Deus.

Não é preciso uma experiência mística ou um processo complicado para saber o que fazer. Veja a gloriosa simplicidade do curso de Abraão nesses versículos, porque a obediência é muito simples. Deus disse a Abraão: “Saia”, então Abraão partiu. Ou, em outras palavras, é tão simples quanto: “Eu digo a este, ‘Vá’ e ele vai”. Foi um centurião gentio que disse isso, e o Senhor o elogiou por sua fé. Não houve falha ou retorno na jornada de Abraão, porque Abraão estava obedecendo ao comando expresso de Deus.

O complicado é a desobediência. Deus disse a Jonas: “Vá para a grande cidade de Nínive”. O próximo versículo poderia ter dito: “Então Jonas foi”, e então a próxima coisa que estaríamos lendo seria seu ministério em Nínive. Mas, em vez disso, o próximo versículo diz: “Mas Jonas fugiu do Senhor”. O que se segue é uma história tortuosa, complicada e dolorosa que leva Jonas embora e torna a obediência uma tarefa maior e mais difícil quando ele finalmente se propõe a isso.

Na simplicidade desses versículos, também não nos é dito nada sobre os pensamentos ou sentimentos de Abraão enquanto ele caminhava. Talvez ele tivesse uma séria ansiedade e mágoa, ou talvez não. Não somos informados. O que quer que ele pudesse ter se preocupado enquanto pensava em partir ou não se concretizou ou foi totalmente inconsequente. Toda a partida, viagem e chegada, com todas as dificuldades e obstáculos que os acompanham, são resumidas para nós de forma muito resumida. Como Abraão se sentia sobre isso não importava. Tampouco importa como nos sentimos ao fazer o que Deus ordenou. Quando nossos sentimentos ou nosso raciocínio sobre a situação se tornam o árbitro final para decidir se obedeceremos, entramos em uma confusão desnecessária e complicada. Se nossos sentimentos ou nosso raciocínio têm sequer um assento à mesa, transformamos o que poderia ser simples em uma luta muito maior enquanto lutamos com nossos pensamentos e sentimentos.

Talvez parte do motivo pelo qual o texto não diz nada sobre os pensamentos ou sentimentos de Abraão é que o próprio Abraão não os consultou. Não lhe ocorreu considerá-los importantes. Ele não se deteve neles. Ele não meditou sobre eles. Ele nem mesmo se concentrou neles a ponto de considerar que tinha que trazê-los de acordo antes de partir. Seu foco estava em Deus. Deus havia lhe dado uma ordem. Deus havia lhe dado uma promessa de bênção em relação a esse mandamento, e isso foi suficiente para Abraão. E isso é suficiente para cada crente.

Como eu disse antes, Abraão partiu por nenhum outro motivo além do que Deus havia dito a ele. Ele não sabia para onde estava indo. A obediência da fé significa obedecer quando nada do que vemos promete sucesso. Quando o Senhor disse a Pedro para mergulhar em águas profundas para pescar, Pedro já havia pescado a noite toda e não havia pescado nada. Como pescador experiente, ele sabia que a manhã e a luz do dia não eram hora de pescar. Mas ele disse: “sob Tua Palavra Lançarei as Redes”. E ele pegou um número muito grande de peixes.

Às vezes, não são os inimigos que se interpõem em nosso caminho, mas simplesmente o sentimento de futilidade, o sentimento: “Já tentei de tudo e nada funcionou”. Mas Deus se deleita em testar nossa fé e se mostrar poderoso e glorioso exatamente em tais situações. Em tais situações, o primeiro teste é se vamos ouvir. Você vai à palavra de Deus para descobrir a vontade de Deus? Esse é o começo de muitos de nossos problemas: não buscamos a vontade de Deus. Não obedeceremos se não ouvirmos. Mas então, quando encontramos a vontade de Deus, devemos fazê-la.

III. Deixando Tudo

O que enfatizei até agora é o princípio pelo qual Abraão agiu, ou seja, sua obediência a Deus simplesmente porque Deus o disse. Mas também há um modelo para nós na ação que Abraão fez. Ele deixou tudo para trás. Esta é certamente uma imagem de santidade, uma saída do mundo pecaminoso e separação do mundo, pois Cristo não pode ter nada em comum com o sistema deste mundo.

Mas o que quero destacar mais aqui é que, ao partir, Abraão demonstrou que nenhuma lealdade competiria com sua lealdade a Deus. Nenhuma autoridade poderia competir com a autoridade de Deus com ele. Abraão recebeu o chamado de Deus, e tudo o mais deve ocupar um lugar subordinado sob o Deus da glória. Os bens materiais devem ser subordinados a Deus. Abraão deixou para trás a região onde tinha um jeito de construir riquezas, onde sabia o que esperar das colheitas e das chuvas, e onde tinha ligações que podia usar para o comércio. Ele mostrou que não amava a riqueza e não serviria à riqueza. O que quer que o mundo pudesse fornecer, ele confiaria no Deus que o chamou para prover.

Os laços familiares devem estar sob Deus. As conexões familiares são nossos laços naturais mais próximos, mas foi Deus quem criou e ordenou a família. Ele tem o direito de nos tirar do que nossos parentes esperam de nós, e tem o direito de exigir de nós uma lealdade que eclipsa as obrigações e afeições que vêm com a família. Jesus declarou a mesma coisa para nós em Lucas 14:26: “Se alguém vem a mim e não odeia seu pai e sua mãe, sua mulher e filhos, seus irmãos e irmãs, sim, até mesmo sua própria vida, não pode ser meu discípulo”

Deus deu este relato de Abraão para nós para que pudéssemos saber o que esperar na vida cristã. Abraão é o pai de todos os que creem. Nossa fé será testada. Será testado em termos de deixar o que é naturalmente querido para nós. Há provações e dificuldades que são comuns ao homem em geral, mas também há provações de fé que são comuns aos crentes. Não pense que é uma provação estranha ou única quando você é chamado a deixar para trás um caminho aparentemente seguro para mais dinheiro a fim de seguir a Cristo. Não se surpreenda quando você precisar se separar de amigos ou parentes próximos a serviço de Cristo. Pode ser doloroso. Pode ser uma prova de fogo, mas é o caminho normal para todo o povo de Deus de uma forma ou de outra. Essas provações vêm para testar e provar nossa fé. Pedro diz: “Estas [provações] vieram para que a vossa fé, de maior valor do que o ouro, que perece ainda que refinado pelo fogo, seja provada genuína e resulte em louvor, glória e honra quando Jesus Cristo for revelado” (1 Pedro 1:7). Abraão percorreu este caminho, e devemos nos juntar a ele no mesmo caminho.

Se você está chegando a essa encruzilhada, saiba que este não é um chamado extraordinário ou irracional de Cristo para você. Saiba também que o Deus que se mostrou fiel a Abraão também se mostrará fiel a você. “Jesus Cristo é o mesmo ontem, hoje e eternamente” (Hebreus 13:8). Deus ofereceu promessas de bênção a Abraão que Abraão olhou pela fé quando saiu de sua casa. Quando Deus nos chama para a santidade, ele atribui a promessa de que ele será um Pai para nós, e seremos seus filhos e filhas. Em 2 Coríntios 7:1 lemos: “Já que temos essas promessas, queridos amigos, purifiquemo-nos de tudo o que contamina o corpo e o espírito”. Deus nos oferece bênçãos imensuráveis.

Mas também quero me dirigir àqueles aqui que deixaram para trás o mundo e outras lealdades concorrentes, como fez Abraão. Alguns aqui perderam muitos amigos quando vieram a Cristo. Alguns vieram de famílias incrédulas e tiveram que resistir às exigências dos pais mundanos. Alguns se afastaram de um emprego dos sonhos ou de uma carreira porque isso os afastaria da igreja de Deus para a qual foram chamados. Alguns recusaram oportunidades de mais dinheiro pelo mesmo motivo. Alguns tiveram a espada de Cristo entrando em sua própria casa, e ficaram com Cristo e sua igreja quando um filho deles se rebelou e foi embora. Há também muitas outras maneiras menos visíveis pelas quais várias pessoas seguiram os passos de Abraão.

Há duas coisas que eu digo a você. Primeiro, as bênçãos de Deus ainda estão para você. Alegre-se! Pedro ficou alarmado após o encontro de Jesus com o rico e jovem governante e disse: “Deixamos tudo para segui-lo! O que então haverá diante de nós?” Jesus respondeu: “Em verdade vos digo que, na renovação de todas as coisas, quando o Filho do Homem se assentar no seu trono glorioso, vós que me seguistes também vos assentareis em doze tronos, julgando as doze tribos de Israel. E todo aquele que deixou casas ou irmãos ou irmãs ou pai ou mãe ou filhos ou campos por minha causa receberá cem vezes mais e herdará a vida eterna” (Mateus 19:27–29).

Mas, em segundo lugar, considere cuidadosamente: Em que princípio você partiu? Quando você deixou o mundo, você deixou o mundanismo? Você partiu no princípio da fé em Deus? Faço esta pergunta a você porque, como diz Gênesis 12:4, Abraão partiu e Ló foi com ele. Ló deixou sua casa, sua sociedade e suas conexões, assim como Abraão fez. Ló fez exatamente a coisa certa aqui. Neste ponto, ele está acima de qualquer suspeita. Mas conhecemos a história de Ló após este ponto. Ló deixou seu mundo, por assim dizer, mas não deixou o mundanismo. Ele continuou gravitando de volta para o que podia ver e tocar, para o que gratificava seus desejos mundanos, para a cultura e a honra que o mundo pode dar, e ele se perfurou com muitas dores.

Talvez Ló tenha deixado Ur como Volúvel deixou a Cidade da Destruição com Cristão em O Peregrino. Flexível ouviu coisas maravilhosas sobre o destino para onde estavam indo, e ele esperava apenas coisas agradáveis ​​dali em diante. Ele estava totalmente despreparado para a dificuldade do caminho e logo saiu do lado do Cristão.

Talvez Ló tenha deixado Ur porque Abraão cuidava dele, e ele esperava que se sairia melhor com Abraão na estrada do que sem Abraão em Ur. Talvez Abraão tivesse um certo poder e atratividade em sua personalidade que atraiu Ló para ele. Talvez a competência e o histórico de sucesso de Abraão nos negócios tenham dado a Ló alguma confiança de que haveria prosperidade no final desta estrada. Seja qual for o caso, fica claro pela história subsequente de Ló que a fé em Deus e o amor a Deus não foram o princípio principal e duradouro por trás de sua partida de Ur.

Ló deveria realmente ter seguido a Abraão, e ele deveria ter seguido a Abraão porque Deus havia escolhido Abraão como o homem por meio de quem sua palavra e sua bênção viriam. Mas a fé em Deus precisava ser o princípio por trás disso.

Em nossas próprias vidas, mesmo onde devemos nos separar do que é naturalmente querido para nós por causa de Cristo, Deus muitas vezes fornece algo nesse caminho que nos ajudará a fazer sua vontade. Temos um pastor que nos aconselha com clareza e confiança dadas por Deus. Temos uma igreja com amigos, relacionamentos de longo prazo, familiaridade e muitos recursos para ajudar de várias maneiras. Temos muitas outras coisas, mas isso lhe dá uma noção de alguns dos benefícios que podemos ver em muitos casos em que seguimos a Deus com alguma despesa. Filhos piedosos também fazem sacrifícios para seguir o Senhor, mas, filhos, vocês devem reconhecer ao mesmo tempo que seus pais estão se esforçando para tornar o caminho certo o caminho mais fácil e dificultar o caminho errado.

Seja realista sobre o sacrifício que você fez. Não é errado receber encorajamento dessas coisas, mas medir o quanto você realmente deixou tudo para seguir a Cristo. Até que ponto você dependia somente da palavra de Deus? Quanto era a Deus que você estava servindo? Quanto foram as bênçãos da era vindoura que você buscou?

Sem a fé de Abraão, você acabará por se apoderar das coisas mundanas novamente – se não as coisas que você deixou para trás, então algo da mesma natureza. Seja qual for o caso no passado, o que quer que você tenha feito no passado, olhe para Deus agora. Ele é o vivo. Ele é o glorioso. Siga o homem de Deus porque Deus trabalha e fala através dele. Valorize a igreja de Deus porque ela é o templo do Espírito Santo.

IV. Perseverança

Gênesis 12:5 diz: “Partiram para a terra de Canaã e lá chegaram”. Eles chegaram. Abraão cumpriu o que foi chamado para fazer. Sabemos que Abraão não sabia quando partiu que Canaã era seu destino. Isso não estava no chamado de Deus, e Hebreus 11:8 diz explicitamente que Abraão não sabia para onde estava indo. Mas ele continuou até chegar em Canaã.

Isso significa que Abraão perseverou não principalmente em viajar, mas em obedecer. Esta é uma distinção importante para nossas vidas também. Aqui está o que isso significa na vida de Abraão. Canaã ficava a sudoeste de Harã. Presumivelmente, quando Deus o chamou para sair, Deus o direcionou para o sudoeste. Para Abraão sair de onde estava foi um ato de discipulado sério. Foi um grande obstáculo para superar, como já descrevi.

Uma vez que Abraão tivesse feito isso e deixado sua antiga vida para trás, ele poderia ter assumido o comando de viajar para o sudoeste como sua nova identidade. “Sou um homem que viaja para o sudoeste. Isso é o que eu faço. Isso é o que é importante sobre mim. Então continuarei viajando para o sudoeste”. Se ele tivesse feito isso, ele teria viajado através de Canaã, através do Sinai, no Egito, direto para Cuxe e além, e ele estaria muito fora da vontade de Deus. Nenhuma bênção o teria acompanhado.

Em vez disso, enquanto viajava, ele continuou a procurar e receber a direção de Deus. Isso era o que era importante sobre ele. Sua viagem talvez fosse como a dos israelitas saindo do Egito. Números 9:17-18 diz: 17 Mas sempre que a nuvem se alçava de sobre a tenda, os filhos de Israel partiam; e no lugar em que a nuvem parava, ali os filhos de Israel se acampavam. Á ordem do Senhor os filhos de Israel partiam, e à ordem do Senhor se acampavam; por todos os dias em que a nuvem parava sobre o tabernáculo eles ficavam acampados”. Quando Abraão não tinha nenhuma nova palavra de Deus, ele continuava a cumprir a última palavra que tinha ouvido. E quando a nova palavra vinha, ele a recebia. Quando Deus lhe disse para se virar, ele se virou. Quando Deus lhe disse para parar, ele parou. Ele continuou neste curso até Canaã.

O significado disso para nós deve ser claro. Quando Deus nos chama, ele nos chama não apenas de, mas para. E no momento em que ele nos chama, há alguma tarefa ou direção concreta particular que é o teste de nosso discipulado que devemos seguir em frente e fazer. Suponha que você seja chamado em um momento em que seja capaz, e sua mente esteja afiada, e você se envolva em serviço vigoroso, e é isso que você se propõe a fazer. Suponha que você seja chamado quando está doente e incapacitado, e assim aprende a se alegrar e confiar em Deus nessa doença e fraqueza.

Como servos de Deus, aceitamos o que ele nos chamou para fazer. Mas não devemos tomar esse curso ou tarefa em particular como o que nos define, ou nos torna quem somos, ou nos dá nossa dignidade. O que acontece quando, na providência de Deus, a pessoa enérgica é rebaixada? O que acontece quando a pessoa doente de longa duração fica boa?

Vou usar um exemplo específico e concreto. Suponha que você tome o exemplo de ensinar na escola dominical para jovens. Se Deus te chamou para ensinar a escola dominical para jovens, então você faz isso. Você pode se sentir desqualificado. Você pode se perguntar como você pode realmente realizar qualquer coisa. Mas você supera todos esses pensamentos e objeções pela fé e então vai ensinar na escola dominical. Mas então como você faz isso? Se você começar a dizer a si mesmo: “Sou professor de escola dominical. Isso é o que me faz quem eu sou. Isso é o que mostra o meu cristianismo”. Então, o que você fará quando for chamado a se afastar dessa tarefa? Você fará disso uma batalha e, quando não puder vencer, a transição será uma derrota humilhante. Em vez disso, em tudo que você fizer, faça-o em obediência a Deus. Veja, não é sendo vigoroso ou sofrendo pacientemente ou ensinando a Escola Dominical ou qualquer outra coisa que nossa identidade deve ser encontrada. Mas está na identidade de ser um “servo de Jesus Cristo”. É aí que encontramos a mais alta dignidade. Isso é o que um cristão é, e isso é o que Paulo se regozijou em chamar a si mesmo.

O chamado de discipulado de Deus é: “Siga-me”. Foi assim que ele chamou os discípulos no início. Em Mateus 4:19, Jesus chamou Pedro: “Vem, segue-me”. Mas esta não foi apenas a chamada no início. Quase no final do tempo de Cristo na terra, quando ele ressuscitou dos mortos, Jesus veio a Pedro e perguntou três vezes: “Você me ama?” Quando Pedro disse: “Sim”, João 21:19 diz: “Então [Jesus] lhe disse: ‘Siga-me’”.

Toda a vida cristã é uma vida de seguir a Jesus. Nós nunca nos graduamos em ouvi-lo e fazer o que ele diz simplesmente porque ele diz, sem entender o porquê, sem poder ver como isso levará ao sucesso. O chamado de Cristo para você e para mim hoje é: “Siga-me!”

Aplicação

Resumindo pela aplicação, todos somos chamados à obediência da fé. Romanos 1:5 dá isso como o propósito da proclamação do evangelho: “Recebemos graça e apostolado para chamar pessoas . . . à obediência que vem da fé”.

Assim como Abraão respondeu em obediência ao chamado de Deus, devemos responder quando Jesus é proclamado como o único Salvador e Senhor. Em Atos 2, Pedro proclama à multidão no dia de Pentecostes: “A este Jesus, a quem vós crucificastes, Deus o fez Senhor e Cristo”. As pessoas perguntaram: “Irmãos, o que devemos fazer?” Pedro respondeu: “Arrependei-vos e cada um de vós seja batizado em nome de Jesus Cristo para remissão dos vossos pecados”. Se você ainda não fez isso, faça-o hoje. Arrependa-se de seus pecados e busque ser batizado como meio de confessar publicamente sua fé e sinalizar sua nova vida em Cristo.

Ser escravo de Cristo significa obediência sincera à Bíblia. Em Romanos 6:17, Paulo disse: “Mas graças a Deus que, embora vocês fossem escravos do pecado, vocês obedeceram de todo o coração à forma de ensino que lhes foi confiada”. A obediência da fé não é um ato único, mas um curso para toda a vida.

Abraão não teria chegado a Canaã se não tivesse obedecido e saído. Ele não teria chegado e recebido a bênção de Deus. E não chegaremos ao céu ao lado de Abraão a menos que façamos as obras que Abraão fez. Hebreus 5:9 diz: “[Jesus] tornou-se a fonte de salvação eterna para todos os que lhe obedecem”. Portanto, procure a palavra de Deus para descobrir a vontade de Deus. Sempre tenha os ouvidos abertos e esteja pronto para ouvir a direção dele. Tudo o que você sabe que Deus quer que você faça, faça.

Faça a vontade de Deus com total confiança porque Deus é fiel. Ele não o deixará nem o abandonará, e suas bênçãos valem a pena. É isso que faz o caminho dos justos brilhar cada vez mais até a plena luz do dia.

Fonte: Esboçosermão

ÚLTIMOS POSTS