Amanda Smith, primeira mulher negra a se tornar evangelista internacional

Share on facebook
Share on twitter
Share on email
Share on whatsapp
Share on linkedin

Amanda Berry Smith nasceu em 23 de janeiro de 1837, em Long Green, no estado americano de Maryland. Nascida escrava, cresceu no condado de York, Pensilvânia; seu pai, Samuel Berry, ganhou dinheiro suficiente com trabalho extra para comprar a liberdade para si mesmo, sua esposa, Mariam Matthews, e seus cinco filhos.

Eles se mudaram para o condado de York, Pensilvânia, onde sua casa se tornou uma estação da estrada de ferro subterrânea. Lá eles tiveram mais sete filhos.

Apesar da pobreza de sua educação, Amanda cresceu cercada de orações e leitura da Bíblia e foi ensinada a ler e escrever por seus pais.

Ela trabalhou brevemente como lavadeira e empregada doméstica para sustentar sua família antes de se casar com Calvin M. Devine em 1854.

Ele morreu como soldado da União na Guerra Civil. Ela se mudou para a Filadélfia em 1863 e se casou com James H. Smith, um diácono de uma Igreja Episcopal Metodista Africana. Smith teve dois filhos com o primeiro marido, três com o segundo, mas apenas uma filha, Mazie, sobreviveu à infância.

Ela se tornou ativa no movimento de Santidade, que exortava todos os crentes, independentemente de sua situação ou status, a compartilhar publicamente sua fé.

Em 1869, ela pregava regularmente em igrejas afro-americanas em Nova York e Nova Jersey e também para públicos brancos. O sucesso de Smith em pregar para uma audiência branca em um acampamento de santidade no verão de 1870 a levou a se comprometer inteiramente com o evangelismo.

Viagens missionárias

Embora ela não tenha sido ordenada ou apoiada financeiramente pela Anderson Chapel AME Church ou qualquer outra organização, ela se tornou a primeira mulher negra a trabalhar como evangelista internacional em 1878. Ela serviu por doze anos evangelizando na Inglaterra, Irlanda, Escócia, Índia e vários países africanos.

De 1879 a 1881 ela esteve na Índia, e depois de outra breve estada na Inglaterra, ela partiu em 1881 para a África Ocidental. Por oito anos ela fez trabalho missionário na Libéria e em Serra Leoa. Após outra estada na Grã-Bretanha de 1889 a 1890, ela voltou aos Estados Unidos. Ela pregou nas cidades do leste até 1892, quando se mudou para Chicago.

Em 1893, Smith publicou An Autobiography. Os rendimentos do livro, junto com suas economias, a renda de um pequeno jornal que publicou e presentes de outras pessoas, permitiram que ela abrisse um lar para órfãos afro-americanos em Harvey, Illinois, em 1899. Por fim, ela retomou a pregação e cantando para sustentar o lar.

Ela escreveu um jornal mensal, o Helper, que aumentou seus esforços de arrecadação de fundos para a escola.

Em 1912, quando ela se aposentou na Flórida, o orfanato foi assumido pelo estado de Illinois e denominado Escola Industrial Amanda Smith para Meninas. Foi destruído por um incêndio em 1918.

Amanda Smith morreu em 24 de fevereiro de 1915, em Sebring, na Flórida, aos 78 anos.



Guia me

ÚLTIMOS POSTS