Após críticas por silêncio, Joe Biden diz que Israel tem “direito de se defender”

Share on facebook
Share on twitter
Share on email
Share on whatsapp
Share on linkedin

Joe Biden, eleito novo presidente dos EUA em novembro de 2020

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, rompeu o silêncio sobre os conflitos entre israelenses e palestinos na quarta-feira (12), após ter uma conversa por telefone com o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu.

“Minha expectativa e esperança é que isso acabe mais cedo ou mais tarde, mas Israel tem o direito de se defender”, disse Biden a repórteres na Casa Branca.

Uma declaração da Casa Branca sobre a conversa entre Biden e Netanyahu informa que o presidente americano condenou ataques de foguetes do Hamas e outros grupos terroristas contra Jerusalém e Tel Aviv.

Biden transmitiu a Netanyahu “seu apoio inabalável à segurança de Israel e ao direito legítimo de Israel de defender a si e a seu povo, enquanto protege os civis”.

Ele compartilhou sua convicção de que “Jerusalém, uma cidade de tamanha importância para as pessoas religiosas de todo o mundo, deve ser um lugar de paz”.

Os dois líderes concordaram em manter um relacionamento estreito entre suas equipes, através dos ministros das Relações Exteriores, ministros da Defesa e assessores de segurança nacional. O governo Biden disse ainda que tem mantido contato com Egito, Arábia Saudita e Emirados Árabes Unidos para tentar resolver o conflito.

Biden sob críticas

Antes da ligação de Biden, políticos americanos e seu antecessor, Donald Trump, criticaram o presidente por seu silêncio.

“Sob Biden, o mundo está ficando mais violento e mais instável porque a fraqueza de Biden e a falta de apoio a Israel está levando a novos ataques aos nossos aliados”, disse Trump em comunicado na terça-feira (11).

O ex-presidente disse ainda que, em seu governo, os “adversários de Israel sabiam que os EUA estavam fortemente com Israel e que haveria uma rápida retribuição se Israel fosse atacado”.

“O Hamas viu Biden rebaixar nosso relacionamento com Israel e, em seguida, restaurar o financiamento para a Autoridade Palestina e a agência mais corrupta da ONU”, disse Nikki Haley, que foi embaixadora de Trump nas Nações Unidas, em post no Twitter.

“Agora, eles o estão testando. Enquanto foguetes terroristas caem sobre civis israelenses, Biden não está em lugar nenhum”, criticou Haley.

Eytan Gilboa, especialista em política dos EUA no Oriente Médio da Universidade Bar-Ilan em Ramat Gan, disse ao JNS que a “imparcialidade está trabalhando a favor dos terroristas”.

“Esta é uma repetição completa da política do governo Obama no conflito israelense-palestino”, disse Gilboa. “As declarações fortalecem o Hamas e a Jihad Islâmica e enfraquecem Israel”.

Gilboa também criticou a falta de reconhecimento do governo Biden sobre o envolvimento direto do Irã nos atuais ataques a Israel. “O silêncio americano sobre o envolvimento do Irã em Gaza é chocante”, disse ele. “Eles estão tão ansiosos para assinar outro acordo nuclear que não querem antagonizar o Irã”.

Fonte: Guia-me com informações de ABC News, Reuters e JNS


Folha Gospel

ÚLTIMOS POSTS

Seu Você Oposto

Mateus foi um apóstolo, um autor de um dos evangelhos. Mas, antes que dele ser Mateus, ele foi Levi, um judeu que trabalhou para a

Leia Mais »