Bispo é atacado após levar muçulmanos a se converterem ao cristianismo, em Uganda

Culto em um campo de refugiados do Sudão do Sul, na Uganda

Perto da cidade de Mbale, no leste de Uganda, muçulmanos radicais em 28 de abril interceptaram um líder da igreja e o cortaram com facas depois que ele deixou um evento evangelístico ao ar livre onde debateu com muçulmanos, disseram fontes.

O bispo Amon Sadiiki estava recebendo tratamento para feridas na cabeça, estômago e pernas. Ele foi emboscado após quatro dias de debates com muçulmanos em Mbale.

“No quarto dia do debate, 11 muçulmanos se converteram ao cristianismo”, disse um contato da área, acrescentando que, quando o bispo deixou Mbale por volta das 20h, muitos muçulmanos estavam gritando com ele.

Acreditando que Sadiiki pode não estar seguro viajando sozinho, os organizadores do evento providenciaram dois cristãos em motocicletas, Peter Wabukoma e Moses Werikhe, para acompanhá-lo. Na estrada Mugiti-Kabwangasi, eles notaram duas motocicletas com três homens seguindo-os, que então passaram brandindo facas e gritando o slogan jihadista: “ Allahu Akbar [Deus é maior]”, disse a fonte.

Os homens pularam de suas motocicletas, os pararam e imediatamente começaram a bater e cortar Sadiiki antes que ele pudesse ser defendido, disse uma das escoltas.

“Fizemos um grande alarme gritando por socorro para o bispo que precisava ser resgatado, pois ele estava à beira da morte, o que chamou a atenção de alguns alunos próximos da Mugiti High School, uma escola fundada por cristãos, e a direção da escola conseguiu perseguir os agressores que fugiram, mas o bispo ficou gravemente ferido”, disse Wabukoma. “O estômago, a cabeça e as pernas do bispo foram cortados com facas afiadas e ele perdeu muito sangue”.

Fontes disseram que Sadiiki estava em uma “lista de procurados” muçulmanos porque deixou o Islã para colocar sua fé em Cristo, construiu uma igreja no meio de uma vila predominantemente muçulmana e realizou serviços de cura que levaram muitos muçulmanos a Cristo. Ele também foi alvo, disseram moradores, porque organizou um evento evangelístico em Mbale, considerado um reduto muçulmano, durante o mês islâmico do Ramadã, no qual muitos muçulmanos abraçaram o cristianismo.

Sadiiki recebeu os primeiros socorros da enfermeira do ensino médio, que enfaixou seus ferimentos, enquanto esperava por uma equipe de resgate chamada de Mbale. A equipe chegou por volta das 22h45 e levou Sadiiki para uma clínica particular em Mbale.

“A condição do bispo é estável, mas ele precisará de mais duas semanas no hospital porque sofreu um corte profundo na cabeça”, disse o contato.

Os líderes da Igreja planejavam registrar um boletim de ocorrência na polícia quando o bispo recebesse alta do hospital.

Em 3 de maio, extremistas muçulmanos atacaram seu filho, Frank Amon Sadiiki, de 21 anos, quando ele voltava para casa depois de levar comida para seu pai no hospital, disse o contato da área.

“Enquanto voltava de moto, duas pessoas o pararam por volta das 20h e o atingiram com um objeto nas pernas”, disse a fonte. “Imediatamente um veículo apareceu com luzes brilhantes e os agressores fugiram.”

Frank Sadiiki foi levado às pressas para uma clínica próxima para tratamento de cortes nas pernas.

O bispo disse ao Morning Star News que ele e sua família não estavam seguros e precisavam de oração.

Este ataque é um dos mais recentes de muitos casos de perseguição de cristãos em Uganda.

A constituição de Uganda e outras leis prevêem a liberdade religiosa, incluindo o direito de propagar a própria fé e converter de uma fé para outra. Os muçulmanos não representam mais de 12% da população de Uganda, com altas concentrações nas áreas orientais do país.

Folha Gospel com informações de Morning Star News



Folha Gospel

ÚLTIMOS POSTS