Câmara dos Deputados aprova homeschooling e pais poderão educar filhos em casa

Na noite desta quarta-feira (18), a Câmara dos Deputados aprovou o texto-base do projeto de lei que permite o ensino domiciliar, conhecido também como homeschooling, no Brasil. As sugestões de mudança e análise dos destaques serão votados nesta quinta-feira (19) pelos deputados federais.

O projeto aprovado altera a Lei de Diretrizes e Bases da Educação (LDB) para admitir a opção do homeschooling, além do ensino escolar. A PL determina que a educação básica domiciliar passa a ser adotada por livre escolha e responsabilidade dos pais ou responsáveis legais dos estudantes.

Para famílias conservadoras, o ensino domiciliar é uma escolha para proteger os filhos de ideologias progressistas ensinadas em sala de aula. 

Os responsáveis que adotarem a modalidade deverão formalizar a decisão em instituições de ensino credenciadas e fazer a matrícula anual do estudante. Os pais ainda deverão apresentar a comprovação de que, pelo menos um dos responsáveis, possui ensino superior ou educação profissional tecnológica.

Também é exigida a apresentação de certidões criminais da Justiça Federal e Estadual ou Distrital dos responsáveis. Os pais não podem ser condenados ou estarem cumprindo pena por crimes previstos no Estatuto da Criança e do Adolescente, na Lei Maria da Penha, na Lei Antidrogas, na Lei de Crimes Hediondos e crime contra a organização do trabalho.

Os conteúdos ensinados no homeschooling devem seguir a Base Nacional Comum Curricular. Poderá ser incluído no ano escolar do aluno conteúdos curriculares adicionais que sejam pertinentes.

O Conselho Nacional de Educação será responsável por editar as diretrizes nacionais da modalidade e o sistema de ensino deverá assegurar o direito de opção dos pais pelo homeschooling.

Condições para adotar o homeschooling

Para a adoção da educação domiciliar, outras condições também são exigidas:

  • Realização de atividades pedagógicas que promovam a formação integral do estudante, contemplando seu desenvolvimento intelectual, emocional, físico, social e cultural;
  • Os pais ou responsáveis legais devem manter registro periódico das atividades pedagógicas realizadas e enviar relatórios trimestrais dessas atividades à instituição de ensino em que o estudante estiver matriculado;
  • Acompanhamento do desenvolvimento do estudante por docente tutor da instituição de ensino em que estiver matriculado, inclusive mediante encontros semestrais com os pais ou responsáveis, o educando e, se for o caso, o preceptor ou preceptores;
  • Realização de avaliações anuais de aprendizagem e participação do estudante, quando a instituição de ensino em que estiver matriculado for selecionada para participar;
  • Avaliação semestral do progresso do estudante com deficiência ou transtorno global de desenvolvimento, por uma equipe multiprofissional e interdisciplinar da rede ou da instituição de ensino em que estiver matriculado;
  • Previsão de acompanhamento educacional, pelo órgão competente do sistema de ensino, e de fiscalização, pelo Conselho Tutelar, nos termos da legislação relativa aos direitos da criança e do adolescente;

De acordo com a proposta, os responsáveis do estudante ainda devem garantir:

  • Convivência familiar e comunitária do aluno;
  • Garantia de isonomia de direitos e vedação de qualquer espécie de discriminação entre crianças e adolescentes que recebam educação escolar e educação domiciliar, inclusive no que se refere à participação em concursos, competições, eventos pedagógicos, esportivos e culturais. Isso é válido também para estudantes com direito à educação especial. Por exemplo, acesso igualitário a salas de atendimento educacional especializado e outros recursos de educação especial;
  • Promoção de encontros semestrais das famílias optantes pela educação domiciliar, para intercâmbio e avaliação de experiências, pela instituição de ensino ou pela rede de ensino.

Perda do direito ao ensino domiciliar

Além disso, o projeto de lei estabelece que o poder público deverá zelar, junto aos responsáveis, pela frequência escolar e pelo desenvolvimento adequado da aprendizagem do estudante na modalidade.

Os pais poderão perder o direito ao homeschooling caso:

  • Não houver progresso suficiente do estudante em dois anos consecutivos;
  • O estudante do ensino fundamental e médio for reprovado, em dois anos consecutivos ou em três anos não consecutivos, em avaliação anual ou não comparecer a ela sem justificativa;
  • A avaliação semestral evidenciar, por duas vezes consecutivas ou três vezes não consecutivas, insuficiência de progresso do estudante com deficiência ou transtorno global do desenvolvimento, de acordo com suas potencialidades.

Guia me

ÚLTIMOS POSTS