Centros de gravidez: Saiba como as igrejas dos EUA ajudam grávidas a não abortar

Os protestos implementados por ativistas radicais pró-aborto se alastraram pelos EUA desde o vazamento do projeto com a decisão futura da Suprema Corte, que apontava pela suspensão do dispositivo Roe vs Wade, decisão que se confirmou em 24 de junho de 2022.

Com a decisão da Suprema Corte, os centros de gravidez se preparam para ampliar seu trabalho e expandir suas instalações, superando as clínicas de aborto. Nesse novo cenário, algumas clínicas começarem a fechar em todo o país.

Pós-Roe, os diretores dos centros de gravidez dizem que suas organizações terão mais chances de alcançar as mulheres antes que elas acessem as clínicas de aborto.

“Para centros de gravidez pró-vida, pela primeira vez temos a oportunidade de competir de frente com esse negócio de aborto de bilhões de dólares”, disse James Harden, CEO da CompassCare, uma organização cristã de gravidez no norte de Nova York.

Baseada na fé

A Mountain Area Pregnancy Services, uma organização baseada na fé que faz parceria com mais de 100 igrejas locais, muitas vezes encaminha clientes para uma agência de adoção com a qual faz parceria e logo espera apoiar um programa de assistência social local, disse Brown.

“Se tivermos um influxo, estaremos preparados para adicionar funcionários e máquinas, o que precisarmos fazer”, acrescentou Brown, que disse que o vandalismo no centro não dissuadiu os funcionários.

Outro centro cristão para gravidez, a Women’s Choice Network, que fica em Pittsburgh, planeja enfatizar seus cuidados pós-aborto, que envolvem apoio emocional e aconselhamento. Também planeja aumentar a publicidade de sua reversão da pílula abortiva, uma prática controversa na qual doses de progesterona são administradas em um esforço para impedir abortos induzidos por pílulas.

Amy Scheuring, diretora executiva do grupo de centros de gravidez, espera que a Pensilvânia acabe adotando leis de aborto mais restritivas e diz que centros como o dela estão discutindo maneiras de apoiar as mulheres que podem se sentir desesperadas quando o aborto não é mais uma opção. “Trata-se de permanecer como Cristo em nossas respostas a todos os lados”, disse ela.

Apoio e aconselhamentos a grávidas

Com o anúncio formal da decisão de devolver as questões de aborto aos estados, centros de gravidez em Lynchburg, Virgínia, Longmont e Colorado, que sofrem vandalismos, se preparam para o fluxo de clientes que esperam em um mundo pós-Roe.

Os centros de gravidez não apoiam ou oferecem abortos. Em vez disso, essas organizações, a maioria delas patrocinadas ou dirigidas por cristãos, oferecem aulas gratuitas para pais, testes de gravidez e aconselhamento pós-aborto, na esperança de dar às clientes a opção de levar a gravidez até o fim.

A equipe da Women’s Choice Network comemora 7.000 vidas documentadas salvas em seus centros. (Foto: cortesia de Women’s Choice Network)

Embora a maioria não seja instalações médicas licenciadas, algumas oferecem ultrassonografias para confirmar gravidezes ou testes e tratamento para doenças sexualmente transmissíveis.

Os diretores dos centros acreditam que incorporam o amor de Cristo servindo ao que eles quase uniformemente chamam de “os nascituros”. Há muitos eles têm sido criticados pelos defensores do direito ao aborto, que dizem que os centros enganam intencionalmente as mulheres.

De acordo com os defensores do aborto, o “serviços de gravidez” ou “avaliações pré-termo gratuitas” atraem mulheres que podem pensar que os centros oferecem abortos.

Ataques

A série de ataques atingiu dezenas de igrejas e centros de gravidez como Mountain Area Pregnancy Services em Asheville, na Carolina do Norte.

No início de junho, Kristi Brown, diretora executiva da instituição chegou ao trabalho e encontrou uma porta e janelas quebradas e uma pichação em vermelho na calçada que ameaçava: “Se abortos não são seguros, você também não é”.

“Você espera que nunca seja você, mas sabe que é sempre uma possibilidade”, disse Brown.

Muitos desses ataques são promovidos pelo Jane’s Revenge, um grupo radical de direitos ao aborto chamado.

Vandalização na propriedade Mountain Area Pregnancy Services em Asheville, Carolina do Norte, 7 de junho de 2022. (Foto: cortesia Mountain Area)

Os centros de gravidez estão prevendo mais violência nas próximas semanas. Embora os ataques não sejam novidade, Scheuring descreveu os protestos recentes como cada vez mais “escuros, violentos e ameaçadores”.

Os ativistas radicais começaram a derrubar placas, cobrindo as janelas com literatura sobre o direito ao aborto e fechando a porta da frente com fita adesiva para que os funcionários ficassem presos lá dentro.

“Estamos muito conscientes de que há um lado que tem raiva agora, e eles estão apontando para esses centros”, disse Scheuring. “Mas é algo que sentimos ser um dano colateral. Junto com essa grande decisão, haverá uma reação negativa.”

“Acreditamos que Deus é nosso protetor e provedor, mas seguiremos em frente. Não vamos ter medo porque Deus nos diz para temê-lo apenas”, disse James Harden, da CompassCare.

Ele pediu aos cristãos que se opõem ao aborto que mudem sua atenção e recursos para estados onde os abortos continuarão a ocorrer – e, disse ele, onde os centros de gravidez provavelmente permanecerão vulneráveis ​​a ataques. “A guerra não acabou”, disse ele. “As linhas de batalha do aborto simplesmente mudaram.”

Fonte: Guia-me

ÚLTIMOS POSTS