CEO da Portas Abertas pede aos cristãos que boicotem os Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim

Share on facebook
Share on twitter
Share on email
Share on whatsapp
Share on linkedin

Bandeira dos anéis olímpicos

O CEO de uma organização líder em defesa da liberdade religiosa está pedindo aos cristãos nos Estados Unidos que boicotem os próximos Jogos Olímpicos de Inverno programados para Pequim, na China, devido à perseguição do país a cristãos e outras minorias religiosas.

David Curry, CEO da organização de vigilância de perseguição religiosa Portas Abertas dos EUA, discutiu as ações tomadas pelo governo chinês contra cristãos e outras minorias religiosas em uma coletiva de imprensa divulgando a Lista Mundial da Perseguição de 2022 da organização.

Enquanto a Portas Abertas EUA classificou a China em 17º lugar entre os “50 principais países onde é mais difícil seguir Jesus”, Curry dedicou uma parte significativa da entrevista coletiva para destacar a perseguição religiosa perpetrada pelo Partido Comunista Chinês.

Curry também falou sobre os Jogos Olímpicos de Inverno de 2022, programados para começar em Pequim em 4 de fevereiro. Ele citou os próximos Jogos Olímpicos como “um exemplo de como a China está usando esportes, dinheiro e investimentos em infraestrutura em todo o mundo para encobrir suas violações de direitos humanos”.

Enquanto Curry elogiou o boicote diplomático do governo Biden às Olimpíadas, ele enfatizou que todo cristão nos Estados Unidos tinha a obrigação de dar um passo adiante.

“A Portas Abertas EUA está pedindo a todos os cristãos que se juntem a este boicote às Olimpíadas em nome de nossos irmãos e irmãs perseguidos na China”. Ele reconheceu que a perseguição de minorias religiosas se estende além dos cristãos para incluir os uigures, um grupo étnico predominantemente muçulmano na região do extremo oeste do país que o Partido Comunista Chinês submete a trabalhos forçados.

Curry elaborou seu pedido de boicote em resposta a uma pergunta de um repórter. “Estou sugerindo que as pessoas não assistam às Olimpíadas, que não participem da maneira que normalmente fariam”, disse ele. Enquanto Curry lamentou os registros de direitos humanos da China, particularmente em relação às minorias religiosas, ele defendeu a decisão da Portas Abertas EUA de não colocar a China no topo da lista dos 50 países mais perigosos para os cristãos.

“O que não está acontecendo e… por que é menor é porque eles não estão enfileirando as pessoas e atirando nelas, pelo menos que saibamos”, acrescentou. “Isso está acontecendo em alguns lugares.”

Curry expressou preocupação particular com o uso da China de “controle governamental centralizado para suprimir e exterminar a livre prática de religião de todos os tipos”. Curry acrescentou: “O laço de alta tecnologia da China está lentamente sufocando a livre expressão da fé cristã e a fé dos muçulmanos e outras minorias religiosas”.

“A China está usando um manto de vigilância monitorado por inteligência artificial para observar os movimentos das pessoas de fé. Está até usando o reconhecimento facial para monitorar quem entra nos locais de culto”, explicou. “A China implementou recentemente restrições adicionais às Bíblias e literatura cristã online, por exemplo. Somente grupos que reconhecem o Partido Comunista da China e sua censura de seus sermões e Bíblias poderão distribuir as Escrituras”.

Curry alertou que, em um futuro próximo, “100 milhões de seguidores de Jesus na China serão submetidos a Bíblias que têm elementos-chave removidos ou alterados porque entram em conflito com o dogma comunista”. Ele também informou que “as igrejas estão sendo forçadas a se desmantelar e quebrar em pequenos pedaços ou passar à clandestinidade” e atribuiu a hostilidade do governo em relação à religião ao fato de que “o presidente Xi e o Partido Comunista veem a religião como uma ameaça porque não está alinhada com os valores do Estado chinês”.

Além disso, Curry discutiu as implicações do desenvolvimento da China de “um plano de como um governo pode centralizar o controle e monitorar o comportamento das pessoas, pode espremer e punir as pessoas sem que elas saiam de casa”. Ele previu que a China estabeleceria moedas digitais em um futuro próximo, “o que cortaria a capacidade de cristãos e outros que não se conformam com o governo de fazer qualquer coisa, até mesmo comprar um pão”.

Curry não é a única figura pública pedindo um boicote às Olimpíadas de 2022. A apresentadora de opinião da Fox News, Laura Ingraham, lançou a campanha #NotOneMinute, pedindo que seus espectadores assistam “nem um minuto” das Olimpíadas deste ano. Ingraham também está incentivando seus espectadores a boicotar as corporações que estão patrocinando os Jogos Olímpicos de Pequim 2022, incluindo Airbnb, Bridgestone, Coca-Cola, Panasonic, Samsung, Toyota e Visa.

Mais detalhes sobre a Lista Mundial da Perseguição 2022 está disponível no site da Portas Abertas.

Folha Gospel com informações de The Christian Post




Folha Gospel

ÚLTIMOS POSTS