Coreia do Norte é o país que mais persegue cristãos no mundo

Share on facebook
Share on twitter
Share on email
Share on whatsapp
Share on linkedin

POPULAÇÃO: 25,8 milhões 
CRISTÃOS: 400 mil 
RELIGIÃO: Ideologia juche, ateísmo, crenças tradicionais, budismo e confucionismo
GOVERNO: Estado comunista 
LÍDER: Kim Jong-un
POSIÇÃO: 1º na Lista Mundial da Perseguição

A Coreia do Norte é o primeiro país na Lista Mundial da Perseguição, ou seja, o pior lugar do mundo para quem decide seguir a Cristo. O estado socialista “autossuficiente” é classificado como uma ditadura stalinista totalitária, particularmente por conta das exigências de “culto de personalidade” em torno da família Kim.

O país sobrevive através de empresas estatais e fazendas coletivizadas. A maioria dos serviços como saúde, educação, habitação e produção de alimentos é subsidiada ou financiada pelo Estado. As graves violações de direitos humanos são comuns para os norte-coreanos e tão severas que não há paralelos no mundo atual. 

Quando o assunto é religião, o cristianismo não pode nem ser citado. Dentro do esquema de paranoia ditatorial, somente os líderes devem ser reverenciados. Não há espaço para aqueles que desejam conhecer o Evangelho e Jesus Cristo. O cristianismo é visto como o “ópio do povo” e também como uma ideologia ocidental. 

Opressão comunista e paranoia ditatorial

A pressão aos cristãos acontece num nível muito elevado, em todas as esferas da vida. Quem decide ser cristão deve manter a fé em sigilo para se proteger. A nação tem pelo menos seis tipos distintos de campos e detenções. 

Quando um cristão é descoberto, automaticamente, é levado para as piores prisões , onde é torturado e condenado a realizar trabalhos forçados , muitas vezes até a morte. 

Não é fácil confirmar o número de cristãos que vivem em condições desumanas. Alguns especialistas arriscam dizer que está em torno de 50 mil, mas segundo a Portas Abertas o número pode ser muito maior, entre 200 e 400 mil. 

Formas de punição

Prisioneiros cristãos não são autorizados a tomar banho, vestem-se com trapos, dormem em celas frias ou em barracões, recebem pouquíssimo alimento diariamente e devem trabalhar por muitas horas sem descanso, correndo risco constante de morte. 

Qualquer membro da família receberá a mesma punição. Fontes relatam que Kim Jong-un, líder do país, expandiu o sistema de segurança dos campos de prisão. O ambiente é altamente restritivo, mas mesmo assim, a igreja permanece crescendo por lá. 

“Peço às pessoas de todo o mundo que estão orando pela Coreia do Norte, que orem para que o país conheça o evangelho. Os cidadãos norte-coreanos são como escravos, mas com a luz do Senhor eles serão libertados”, disse um cristão secreto norte-coreano. 

Cristãos enfrentam a pandemia por Covid-19

Embora as autoridades norte-coreanas afirmem que a Covid-19 teve pouco impacto no país, os norte-coreanos a chamam de “doença fantasma” porque as pessoas já estão tão desnutridas que morrem muito rapidamente assim que infectadas.

A pandemia levou a uma segurança mais rígida na fronteira com a China e ao controle do mercado negro, que muitos usam para sobreviver. Isso indica que a situação dos cristãos está ainda pior.

Tipos de violência entre homens e mulheres

Qualquer cristão em qualquer lugar da Coreia do Norte é extremamente vulnerável à perseguição. O controle das autoridades no país vai além das fronteiras. Agentes secretos na China têm a tarefa de encontrar e sequestrar cristãos norte-coreanos que fugiram do país.  

Estima-se que até 30% dos cristãos presos em campos de trabalho forçado, por causa de sua fé, são mulheres. Violência sexual e estupro são comuns no interrogatório e na vida na prisão e, mesmo fora da prisão, o abuso sexual é normalizado. 

Aproximadamente 80% dos norte-coreanos que desertaram para a China são mulheres – incluindo muitos cristãos. Ali, elas são particularmente vulneráveis ao tráfico humano ou forçadas a se casar com homens chineses. 

Todos os norte-coreanos estão sob controle extremo do governo, mas principalmente os homens adultos. Seus empregos devem ser alocados pelo governo e não podem ser alterados. A qualquer pessoa que tenha qualquer ligação cristã na árvore genealógica será negada promoção, como empregos de prestígio ou serviço militar preferencial. 

 



Guia me

ÚLTIMOS POSTS