Cristã cega que foi proibida de evangelizar em parque vence na Justiça

Share on facebook
Share on twitter
Share on email
Share on whatsapp
Share on linkedin

Uma idosa cristã, cega, que havia sido proibida de frequentar um parque próximo à sua casa por conta de sua atividade evangelística no local, agora conseguiu reverter a decisão e está autorizada a usufruir da área pública.

Gail Blair, 63 anos, vive em Westerly, Rhode Island (EUA), e mora próximo ao parque público Wilcox, anexo à biblioteca Westerly Library. Como parte de sua rotina, ela caminhava até o local e ficava parte do dia oferecendo uma cópia do Evangelho de João às pessoas que respondiam sua abordagem.

Rhode Island é um pequeno estado norte-americano, que tem como característica ter sido a primeira colônia batista nos EUA. O advogado de Gail, William Wray Jr., afirmou que um acordo foi firmado para que ela pudesse voltar a frequentar o parque.

Para rever a situação, o instituto First Liberty apresentou uma queixa na Comissão de Direitos Humanos de Rhode Island em junho, apontando o excesso da entidade responsável por administrar o parque e a biblioteca.

“Sou grata ao [instituto] First Liberty e a todos os meus advogados por lutar em meu nome e espero voltar a passar um tempo no parque e compartilhar minha fé em Jesus com aqueles que estão interessados em conversar”, disse a idosa.

A Fox News informou que Gail Blair – que trabalhou como enfermeira até 1991 e sofre de um distúrbio que causa a perda gradual da visão – foi alvo de uma ação truculenta dos funcionários da entidade responsável por administrar o parque e a biblioteca no dia 24 de junho de 2019, quando eles chamaram a Polícia para que ela parasse de abordar as pessoas e distribuir “panfletos religiosos”.

Os advogados de Blair entraram com ações de discriminação, alegando que, ao proibir Gail de entrar no parque e compartilhar sua fé, a associação violou as leis do estado e discriminou com base na religião e deficiência.

“Elogiamos o Memorial e Associação de Bibliotecas de Rhode Island por resolver o caso e reconhecer a liberdade religiosa de nosso cliente”, disse Jeremy Dys, advogado especial para litígios e comunicações da First Liberty, em um comunicado.

“Nossa cliente está entusiasmada por poder entrar novamente no parque do outro lado da rua de sua casa e conversar com outros visitantes”, acrescentou.



Gospel Mais

ÚLTIMOS POSTS

0
Adoraria sua opinião, por favor, comente.x
()
x