Cristo e não César é o cabeça da Igreja, diz John MacArthur

Share on facebook
Share on twitter
Share on email
Share on whatsapp
Share on linkedin

O pastor e escritor John MacArthur, adepto da teologia reformada, publicou uma declaração sobre sua decisão de não fechar as portas da igreja que dirige, sediada em Los Angeles, Califórnia (EUA), onde o governador impôs medidas de restrição à liberdade de culto.

A Califórnia enfrenta uma alta nos casos de infecção pelo novo coronavírus e o governador, Gavin Newsom, do Partido Democrata, proibiu inicialmente que os fiéis louvassem a Deus durante os cultos, depois determinou o fechamento dos templos e impediu até que reuniões domésticas de estudo bíblico fossem realizadas.

Diante disso, o renomado pastor norte-americano usou o site da igreja Grace Community para declarar que não acatará as determinações de fechamento do megatemplo: “Cristo é o Senhor de todos. Ele é o único verdadeiro chefe da igreja (Efésios 1:22; 5:23; Colossenses 1:18). Ele também é rei dos reis – soberano sobre todas as autoridades terrenas (I Timóteo 6:15; Apocalipse 17:14; 19:16). A Grace Community Church sempre se manteve imutável sobre esses princípios bíblicos”.

“Como Seu povo, estamos sujeitos à Sua vontade e ordens, conforme revelado nas Escrituras. Portanto, não podemos e não concordamos com uma moratória imposta pelo governo em nosso culto congregacional semanal ou em outras reuniões corporativas regulares. O cumprimento seria desobediência aos mandamentos claros de nosso Senhor”, acrescenta a declaração.

“Alguns pensam que uma afirmação tão firme está inexoravelmente em conflito com a ordem de estar sujeito às autoridades governamentais estabelecidas em Romanos 13 e I Pedro 2. As Escrituras exigem obediência cuidadosa e conscienciosa a toda autoridade governante, incluindo reis, governadores, empregadores e seus agentes (nas palavras de Pedro, ‘não apenas para quem é bom e gentil, mas também para quem não é razoável’ [I Pedro 2: 18]). Na medida em que as autoridades governamentais não tentam afirmar autoridade eclesiástica ou emitir ordens que proíbem nossa obediência à lei de Deus, sua autoridade deve ser obedecida, se concordamos ou não com suas decisões”, argumenta.

Em outro trecho, MacArthur fala sobre aspectos legais de sua oposição à determinação do governador, dizendo que “funcionários do governo não têm o direito de interferir nos assuntos eclesiásticos de uma maneira que prejudique ou desconsidere a autoridade dada por Deus de pastores e anciãos”.

“Quando qualquer uma das três instituições [que formam a República] excede os limites de sua jurisdição, é dever das outras instituições reduzir esse excesso. Portanto, quando qualquer funcionário do governo emite ordens para regular o culto (como proibições de cantar, distanciamento entre fiéis ou proibições de reuniões e cultos), ele sai dos limites legítimos de sua autoridade ordenada por Deus como um funcionário cívico e se arrogará a si próprio autoridade que Deus expressamente concede apenas ao Senhor Jesus Cristo como soberano sobre Seu Reino, que é a Igreja”, reitera.

A declaração, extensa, enfatiza ainda que “nunca foi prerrogativa do governo civil ordenar, modificar, proibir ou ordenar a adoração” da Igreja de Cristo. “Quando, como e com que frequência a igreja adora não está sujeita a César. O próprio César está sujeito a Deus. Jesus afirmou esse princípio quando disse a Pilatos: ‘Você não teria autoridade sobre mim, a menos que isso lhe fosse dado de cima’ (João 19:11). E porque Cristo é o chefe da Igreja, os assuntos eclesiásticos pertencem ao Seu Reino, não ao de César”.



Gospel Mais

ÚLTIMOS POSTS

0
Adoraria sua opinião, por favor, comente.x
()
x