Departamento de Estado dos EUA é criticado por remover a Nigéria da lista dos principais violadores da liberdade religiosa

Share on facebook
Share on twitter
Share on email
Share on whatsapp
Share on linkedin

Bandeira da Nigéria

Grupos de defesa da liberdade religiosa e o principal painel consultivo federal de liberdade religiosa estão criticando o governo Biden por remover a Nigéria da lista de “Países de Particular Preocupação” do Departamento de Estado dos EUA em meio a preocupações de que comunidades agrícolas predominantemente cristãs continuam enfrentando violência crescente.

O Departamento de Estado divulgou uma lista atualizada dos países que causam preocupação especial na quarta-feira, uma designação reservada aos países considerados os piores violadores da liberdade religiosa do mundo. A lista inclui atores estatais que se envolveram ou toleraram “violações sistêmicas, contínuas e flagrantes da liberdade religiosa”. A designação acarreta a possibilidade de sanções ou outras ações consequentes.

Embora a Nigéria tenha sido adicionada à lista em dezembro passado durante os meses finais da administração Trump, a lista deste ano não incluiu a Nigéria, embora o grupo de defesa da liberdade religiosa International Christian Concern (ICC) identificou o país africano como um de seus “Perseguidores do Ano” em um relatório publicado no início desta semana.

“Estamos preocupados com a omissão da Nigéria como um país de particular preocupação”, disse o presidente da ICC, Jeff King, em um comunicado . “O governo nigeriano não fez quase nada para parar a violência contra os cristãos nigerianos, levando à contínua perseguição violenta. Em alguns casos, como aconteceu com o governador de Kaduna, El-Rufai, o governo nigeriano aumentou ainda mais a violência ”.

“A Nigéria é um dos lugares mais mortíferos da Terra para os cristãos, com 50.000 a 70.000 mortos desde 2000”, afirma o relatório do Perseguidor do Ano da ICC.

O nordeste da Nigéria é o lar de alguns dos grupos terroristas islâmicos mais mortíferos do mundo, incluindo o Boko Haram e a Província do Estado Islâmico da África Ocidental. Nos últimos anos, milhões foram deslocados da região e dezenas de milhares foram mortos devido ao aumento da violência extremista.

Nos estados do Cinturão Médio da Nigéria, comunidades agrícolas predominantemente cristãs enfrentam o perigo de membros militantes radicalizados do grupo étnico nômade Fulani. De acordo com o ICC, os radicais Fulani “mataram mais cristãos nos últimos anos do que Boko Haram e desalojaram agricultores cristãos”.

A remoção da Nigéria da lista de “Países de Particular Preocupação” atraiu a ira da Comissão bipartidária dos Estados Unidos sobre Liberdade Religiosa Internacional (USCIRF), uma entidade federal criada para assessorar o Congresso e as agências federais em questões globais de liberdade religiosa.

“A USCIRF está desapontada com o fato de o Departamento de Estado não ter adotado nossas recomendações ao designar os países que são os piores violadores da liberdade religiosa”, disse a presidente da USCIRF, Nadine Maenza, em um comunicado.

“Embora o Departamento de Estado tenha tomado medidas em relação a algumas designações, a USCIRF está especialmente descontente com a remoção da Nigéria de sua designação da lista de “Países de Particular Preocupação”, onde foi legitimamente colocada no ano passado, bem como com a omissão da Índia, Síria e Vietnã. Instamos o Departamento de Estado a reconsiderar suas designações com base nos fatos apresentados em seu próprio relatório ”.

David Curry, o CEO da Portas Abertas EUA, um ministério que monitora a perseguição em mais de 60 países, expressou preocupação. Ele sugeriu que a exclusão da Nigéria da lista foi “não apenas um erro desconcertante”, mas “provavelmente uma violação direta da Lei de Liberdade Religiosa Internacional, a lei que exige que essas designações sejam feitas em primeiro lugar”.

“A Portas Abertas EUA documentou milhares de assassinatos seletivos de cristãos nigerianos todos os anos por mais de uma década”, disse Curry.

“Em nenhum outro país do mundo vemos um nível tão sustentado de violência direta contra uma comunidade cristã, e a situação só piorou nos últimos 12 meses”, afirmou Curry. “O governo nigeriano recusou-se obstinadamente a abordar esta violência. A remoção da Nigéria desta lista encorajará os maus atores e deterá fortemente os esforços para trazer a paz para a região”.

“A retirada repentina da Nigéria da lista é um golpe sério para a liberdade religiosa na Nigéria e em toda a região”, enfatizou o ex-governador do Kansas e senador dos EUA. “Justamente quando deveríamos fazer todo o possível para impedir a violência implacável que visa os cristãos e outras pessoas, fazemos o oposto.”

“Isso recompensa o governo nigeriano por tolerar graves violações da liberdade religiosa e envia uma mensagem aos extremistas de que suas ações continuarão impunes”, acrescentou Brownback. “Pessoas de fé na Nigéria suportarão as consequências desta decisão, e isso é inaceitável.”

Departamento de Estado
Departamento de Estado dos EUA, em Washington, DC

Em sua maior parte, a lista de “Países de Particular Preocupação” de 2021 do Departamento de Estado espelha de perto aquela divulgada no ano passado pela administração Trump com Mianmar, China, Eritreia, Irã, Coreia do Norte, Paquistão, Arábia Saudita, Tajiquistão e Turcomenistão designados “Países de Particular Preocupação” pelo segundo ano em uma fila.

A USCIRF recomendou os países mencionados e Índia, Nigéria, Síria e Vietnã para inclusão na lista de “Países de Particular Preocupação”

Em uma declaração elogiando a designação da Nigéria pelo governo Trump como um países de articular preocupação, a então presidenta da USCIRF, Gayle Manchin, esposa do senador democrata Joe Manchin, observou que a USCIRF recomendava a inclusão da Nigéria na lista desde 2009.

Como foi o caso em 2020, o Departamento de Estado colocou Comores, Cuba e Nicarágua em uma lista especial de vigilância para governos que se envolveram ou toleraram “graves violações da liberdade religiosa”.

A USCIRF também recomendou que o Departamento de Estado incluísse Afeganistão, Azerbaijão, Egito, Indonésia, Iraque, Cazaquistão, Malásia, Turquia e Uzbequistão na lista de observação especial. Em 2021, a Rússia foi elevada à lista de “Países de Particular Preocupação”, enquanto a Argélia garantiu um lugar na lista de vigilância especial.

O secretário de Estado, Antony Blinken, prometeu “continuar a pressionar todos os governos para remediar as deficiências em suas leis e práticas e promover a responsabilização dos responsáveis ​​pelos abusos”.

Blinken indicou que os EUA trabalhariam com “governos, organizações da sociedade civil e membros de comunidades religiosas para promover a liberdade religiosa em todo o mundo e lidar com a situação de indivíduos e comunidades que enfrentam abuso, assédio e discriminação por causa do que acreditam, ou o que eles não acreditam.”

Folha Gospel com informações de The Christian Post




Folha Gospel

ÚLTIMOS POSTS