Escócia: metade dos abortos foi em casa e governo quer tornar procedimento permanente

O governo escocês está planejando tornar os abortos caseiros permanentes, como acontece na Inglaterra e no País de Gales. A medida, que foi tomada para facilitar a interrupção da gravidez em tempos de pandemia, foi responsável por metade dos procedimentos na Escócia.

De acordo com a Public Health Scotland (PHS) o número de abortos realizados no país em 2021, que chega a 13.758.

“A taxa de abortos na Escócia em 2021 foi de 13,4 por 1.000 mulheres de 15 a 44 anos”, diz o PHS em um comunicado de imprensa.

Segundo a instituição pública, “permaneceu uma forte associação entre a taxa de rescisão e privação. A taxa nas áreas mais desfavorecidas foi quase duas vezes maior do que nas áreas menos desfavorecidas da Escócia”.

Além disso, as mulheres que vivem em localidades rurais remotas continuaram a ter as taxas mais baixas de acesso antecipado aos serviços de interrupção da gravidez.

Os números diminuíram ligeiramente em relação a 2020, quando houve 13.896 abortos, o maior da última década.

‘Faça você mesmo’

Os dados do PHS mostram que a grande maioria (99%) dos abortos foram medicamentosos. “Dessas interrupções médicas, 53% foram por ambos os medicamentos tomados em casa”, os chamados abortos DIY (faça você mesmo), enquanto “18% foram realizados em ambiente clínico ou hospitalar”.

O aborto médico precoce (EMA, sigla em inglês) em casa, que consiste em tomar dois conjuntos de pílulas abortivas nas primeiras 10 semanas de gestação, tornou-se permanente na Inglaterra e no País de Gales em abril passado. Antes da pandemia, só era possível tomar o segundo medicamento em casa.

Apesar de o governo escocês ter anunciado que planeja manter a liberação do procedimento em casa, diz que não tomará uma decisão final até o outono.

Médicos preocupados

Uma pesquisa nacional mostrou que a maioria dos médicos britânicos estava preocupada com o protocolo de aborto médico em casa no governo do Reino Unido.

“É alarmante que o governo escocês tenha decidido estender as regras de aborto em casa, apesar das evidências claras dos perigos associados a elas, citadas por médicos e pelas próprias mulheres”, apontou uma porta-voz da caridade cristã CARE na Escócia.

De acordo com a CARE, “se o governo está genuinamente comprometido em defender a saúde das mulheres e seguir as evidências, não deveria ter estendido essas regras. Infelizmente, parece que está mais interessado em apaziguar ativistas radicais do que seguir a ciência médica”.

Criminalização pró-vida

O primeiro-ministro da Escócia, Nicola Sturgeon, se comprometeu recentemente a presidir uma cúpula, dirigida por ativistas do aborto, sobre um projeto de lei para criminalizar atividades pró-vida fora de hospitais e clínicas que foi apresentado no Parlamento escocês pelo deputado Gillian MacKay, do Partido Verde.

O projeto de lei quer implementar as chamadas “zonas de amortecimento”, que proibiriam a presença pacífica de pessoas oferecendo ajuda e apoio às mulheres em clínicas de aborto.

Guia me

ÚLTIMOS POSTS