Escola ensina alunos a trocarem termos ‘pai’ e ‘mãe’ por ‘adultos’

Share on facebook
Share on twitter
Share on email
Share on whatsapp
Share on linkedin

Uma escola mantida por uma igreja episcopal em Manhattan, Nova York (EUA) está incentivando os alunos a deixarem de usar os termos “mãe”, “pai” e “pais” por considerar que as palavras fazem “suposições” sobre a vida familiar das crianças. No lugar, as crianças são incentivadas a usar os termos “adultos”, “gente”, “família” ou “tutores” como substitutos.

Em seu esforço pela ideologia de gênero, a escola quer que seus alunos substituam “meninos e meninas” por “pessoas”. Em vez de se alinharem como meninos e meninas, eles devem se alinhar em ordem alfabética ou por tipo de calçado.

Os alunos são instruídos a reagirem caso ouçam alguém dizendo “um menino não pode se casar com outro”, com uma frase já pronta: “As pessoas podem amar e se comprometer com quem quiserem, é sua escolha com quem se casar”.

O grau de progressismo incutido no ensino dos alunos visa, inclusive, a ressignificação da celebração do nascimento de Jesus Cristo: ao invés de “Feliz Natal”, usam “boas festas” ou desejam “ótima folga”.

No portal The Christian Post, o apologista Jim Denison publicou um artigo em que comenta o cenário de guerra cultural que vem sendo travado em cada aspecto da vida em sociedade, e alerta sobre o risco de todas essas imposições resultarem em um completo rompimento com as origens e tradições ocidentais.

“Quando vi essa história, presumi que fosse sobre outra escola altamente secularizada em guerra contra a moralidade judaico-cristã. Vários exemplos de tais conflitos estão nas notícias hoje em dia. Por exemplo, um currículo que está sendo considerado na Califórnia busca deslocar a cultura cristã e recomenda que os professores conduzam os alunos em uma série de canções e cânticos aos deuses astecas (que os astecas tradicionalmente adoravam com canibalismo e sacrifício humano, a propósito”), comentou Denison.

Progressismo infiltrado

O problema vem mais abaixo, pontuou o autor: “Acontece que a escola em Manhattan é Grace Church School. Um funcionário da escola explicou sua política linguística: ‘Como parte de nossa identidade episcopal, reconhecemos a dignidade e o valor comum à humanidade’. […] Existem dois tipos de ameaças em nosso mundo decaído: aquelas que podemos identificar e aquelas que não podemos”, lamentou.

“Concordo de todo o coração que devemos ‘reconhecer a dignidade e o valor comum à humanidade’. Todo ser humano é criado à imagem de nosso Criador (Gênesis 1:27) […] No entanto, não ‘reconhecemos a dignidade e o valor comum à humanidade’ ao violar a palavra e a vontade de Deus para a humanidade”, declarou Jim Denison.

“A Escritura não apenas nos diz que somos amados por Deus (João 3:16) – também nos diz como viver melhor nossas vidas e como nos relacionarmos com os outros de maneira verdadeira e redentora. Quando alteramos ou rejeitamos a revelação bíblica sobre sexualidade ou qualquer outro assunto, por mais gentil que nosso motivo possa parecer, causamos muito mais mal do que bem. A Bíblia é comparada a uma bigorna – não quebramos a palavra de Deus; nós nos quebramos nela”, conceituou.



Gospel Mais

ÚLTIMOS POSTS