EUA mediam ‘Acordo de Abraão’ entre Israel e Emirados Árabes

Share on facebook
Share on twitter
Share on email
Share on whatsapp
Share on linkedin

Um tratado de paz, chamado de Acordo de Abraão, foi selado na última quinta-feira, 13 de agosto, entre Israel, Emirados Árabes Unidos e Estados Unidos. O entendimento deverá selar um novo paradigma de negociação entre os países árabes e os israelenses.

A consolidação do acordo se deu após extensas conversas entre os três países, que teve um desenrolar mais acelerado nas última semanas. Através de uma ligação telefônica entre Benjamin Netanyahu, o xeque Mohammed Bin Zayed e o presidente Donald Trump, o tratado foi concluído de forma exitosa.

Segundo informações da CNN Brasil, Trump definiu que o Acordo de Abraão será a “normalização total das relações” entre as duas nações do Oriente Médio. Um dos pontos que vêm sendo apontados como delicados é o compromisso de Israel de suspender a anexação de áreas da Cisjordânia ao seu território.

No Twitter, o presidente norte-americano celebrou o “acordo histórico” entre Israel e Emirados Árabes: “Enorme avanço hoje! Acordo de paz histórico entre nossos dois grandes amigos, Israel e Emirados Árabes Unidos”, escreveu Trump em sua conta na rede social.

Os dois países agora estabelecerão embaixadas e indicarão embaixadores, iniciando “a cooperação em todos os âmbitos”, disse ainda o presidente dos Estados Unidos, que tinha como promessa de campanha em 2016 se empenhar na costura de um tratado de paz na região, e declarou que espera que o Acordo de Abraão seja seguido por outros países árabes: “Já estamos discutindo isso com outras nações”.

O presidente norte-americano acrescentou ainda que “a diplomacia pacífica reunirão dois dos sócios regionais mais confiáveis e capazes dos EUA”, e que os Emirados Árabes unirão esforços junto com Israel e a Casa Branca com o propósito de lançar uma agenda estratégica para o Oriente Médio envolvendo cooperação diplomática, comercial e de segurança.

As autoridades envolvidas lembraram ainda que esse é o primeiro pacto mais abrangente desde que Israel e Jordânia assinaram um tratado de paz em 1994.

Benjamin Netanyahu também usou o Twitter para celebrar o acordo e citou Trump, reiterando o que foi dito pelo presidente dos EUA, de que se trata de “um dia histórico”.

O embaixador dos Emirados Árabes nos EUA, Yousef Al Otaiba, divulgou uma nota classificando o Acordo de Abraão como uma “vitória para a diplomacia e a região”: “É um avanço significativo nas relações árabes-israelenses, que reduz as tensões e dá energia para uma mudança significativa”.

O presidente Jair Bolsonaro usou seu Twitter para elogiar os esforços das autoridades na costura de um tratado de paz: “Parabenizo o presidente Donald Trump, o Primeiro-Ministro Netanyahu e o Príncipe Mohamed Bin Zayed pelo histórico acordo que normaliza as relações entre Israel e Emirados Árabes Unidos. Dessa forma, abre-se o sonhado caminho para a paz e prosperidade no Oriente Médio”, comentou o mandatário, que promoveu, por parte do Brasil, uma reaproximação com os Estados Unidos e com Israel, e vem aprofundando as relações comerciais com países de todo o Oriente Médio.



Gospel Mais

ÚLTIMOS POSTS