Exorcismo em igreja pentecostal leva menina à morte; Mãe foi presa

Membros de uma pequena igreja pentecostal em San Jose, Califórnia, confirmaram que uma menina de 3 anos morreu dentro durante um culto depois de passar por um ritual de exorcismo.

O caso ocorreu em setembro passado e virou notícia somente agora, o que gerou um debate sobre a prática de expulsar demônios de indivíduos que se acredita estarem possuídos por demônios.

Rene Huezo, que lidera a Iglesia Apostoles y Profetas, é avô da menina Arely Naomi Proctor, de 3 anos, que morreu durante o exorcismo. Ele afirma que estava apenas tentando seguir a Bíblia quando a mãe da menina a levou ao culto para que fosse liberta da possessão demoníaca.

“Se você ler a Bíblia, verá que Jesus expulsa demônios e torna as pessoas doentes saudáveis novamente”, disse Huezo a um jornal local recentemente. “Não é quando eu quero fazer, é quando Deus, em sua vontade, quer curar a pessoa. O pregador é como um instrumento de Deus; o que fazemos é o que Deus diz”.

O relatório do legista do condado de Santa Clara apontou que a morte de Arely Naomi Proctor foi um homicídio causado por asfixia e prendeu sua mãe, Claudia Hernandez, em janeiro por acusações criminais de abuso infantil.

De acordo com a Polícia, por volta das 20h12 do dia 24 de setembro de 2021, Claudia informou que sua filha faleceu na igreja Apostoles y Profetas. Quando os policiais chegaram à cena encontraram a mãe, seu pai (o pastor Huezo) e um tio da criança.

Depois que Arely foi declarada morta no Valley Medical Center às 20h59, os policiais descobriram que “os suspeitos acreditavam que a criança estava possuída por um demônio e estavam na igreja orando por ela”.

Claudia disse à polícia que sua filha estava “possuída por um espírito maligno” e que “ela tentou enfiar o dedo na garganta da vítima e apertou o pescoço da vítima para induzir o vômito”, disse o relatório.

A criança “adormeceu várias vezes” enquanto a mãe empurrava “a garganta da vítima com a mão”. Claudia afirmou ainda que sua filha sofreu hematomas ao redor “dos olhos, garganta/pescoço e peito” durante o suposto exorcismo.

Ela também disse à polícia que eles esperaram de uma a duas horas depois que sua filha faleceu antes de ligar para a emergência.

Em um depoimento posterior à polícia, Claudia revelou que na noite anterior à morte de sua filha ela começou a acreditar que a menina estava possuída porque ela “acordava e gritava ou chorava periodicamente”.

Ela disse que ela e seu irmão oraram por sua filha em um quarto até que decidiram levá-la à igreja às 6h30 da manhã de 24 de setembro.

“A ré ainda acreditava que a vítima estava possuída. A ré afirmou que segurou a vítima em volta da cintura e pescoço para ajudá-la a vomitar, o que ela acreditava que a ajudaria a tirar o espírito. Por vezes a ré tentou abrir a boca da vítima com as mãos. Em algum momento, o avô da vítima chegou à igreja para ajudá-los na oração”, disse o relatório da polícia.

“Depois disso, a ré, o tio da vítima e o avô da vítima estavam todos segurando a vítima tentando fazê-la vomitar. Um indivíduo segurava a vítima pelo pescoço, enquanto outro a segurava em torno de seu abdômen e o último a segurava em torno de suas pernas”.

Claudia e sua família passaram várias horas tentando induzir o vômito até que sua filha “vomitou um líquido claro/roxo”, de acordo com informações do portal The Christian Post. Ela também disse à polícia que suspeita que sua filha, que não recebeu nada para comer desde as 21h do dia anterior, morreu entre 18h e 18h30 de 24 de setembro.

Dias antes de ser presa em janeiro, a mãe gravou um vídeo para o YouTube dizendo “eu poderia sentar aqui e ser negativa […] ficar triste com toda a situação em que ela faleceu. Mas não faz sentido porque é o que é. São muitas as razões pelas quais Deus a levou. E se algo tivesse acontecido com ela, e se ela tivesse uma doença? É o que é. Eu tenho que ser positiva sobre a situação. Você sabe, pelo menos ela não está sofrendo. É por isso que sou grata, que ela não vai crescer nesse mundo em que vivemos”.

A Iglesia Apostoles y Profetas se reúne nos fundos de uma casa e atende cerca de 25 membros da comunidade local, formada por salvadorenhos e mexicanos.

Exorcismo radical?

Timothy Wadkins, professor de teologia da Universidade Canisius, criticou o uso de exorcismo em uma criança de 3 anos, afirmando que a prática incomum é uma característica da “franja radical dos pentecostais”.

“Certamente é verdade que o tipo de franja radical dos pentecostais acredita em exorcismos e os pratica e acredita que as pessoas podem ser possuídas pelo diabo”, disse Wadkins.

“Eles acreditam que impor as mãos sobre as pessoas e chamar o diabo em nome de Jesus é uma maneira de livrá-las de suas possessões. Você não vê isso com muita frequência nos círculos pentecostais hoje, mas você os vê na margem radical”, acrescentou.

No entanto, David K. Bernard, autor do livro Spiritual Gifts e superintendente geral da United Pentecostal Church International – que possui mais de 5 milhões de membros ao redor do mundo, sendo cerca de 800 mil nos EUA – contestou a caracterização do professor Wadkins sobre o status da prática de exorcismo na Igreja Pentecostal.

“Todos os ramos do cristianismo histórico ensinaram a existência de forças espirituais malignas, como demônios, e praticaram exorcismo ou oração para expulsá-los. A Igreja Católica Romana, à qual a Universidade Canisius é afiliada, ainda pratica exorcismo”, ponderou.

“Os pentecostais hoje também praticam o exorcismo. Por exemplo, se alguém manifesta grave perturbação espiritual e emocional no contexto da adoração, os pentecostais orarão em nome de Jesus Cristo para que a pessoa seja libertada e curada. Também reconhecemos que muitos problemas podem ter componentes ou causas físicas e psicológicas, para os quais se recomenda o tratamento adequado”, acrescentou.

“Provavelmente o professor estava se referindo a práticas ou técnicas aberrantes e sensacionais de grupos marginais, que a maioria dos pentecostais não aceita. No entanto, a maioria dos pentecostais hoje, não apenas um grupo marginal, acredita na importância da oração para a libertação das forças do mal”, argumentou.

 

Gospel Mais

ÚLTIMOS POSTS

Há momentos em que falar é violar o momento, quando o silêncio representa o maior respeito. A palavra para tais tempos é a reverência, e

Leia Mais »