extremista mata pastor que evangelizava muçulmanos

Share on facebook
Share on twitter
Share on email
Share on whatsapp
Share on linkedin

Um pastor pentecostal de 70 anos foi assassinado por um extremista muçulmano por conta de seu trabalho evangelístico junto à comunidade rural onde vivia, em Uganda, levando pessoas a Cristo, incluindo seguidores de Maomé.

Imam Uthman Olingha confessou à Polícia que matou o pastor após ser capturado ainda com as roupas sujas de sangue. Ele afirmou que “a palavra de Alá manda matar todos os infiéis que enganam os muçulmanos compartilhando o Evangelho”.

A vítima, bispo Francis Obo, dirigia a igreja Mpingire Pentecostal Revival Church Ministries International, na vila de Odapako, em Mpingire. O crime ocorreu no dia 11 de junho, após o líder cristão ser abordado por um grupo de extremistas.

Obo estava acompanhado da esposa, Christine, enquanto caminhavam rumo à sua casa, por volta das 20h30 locais. Os muçulmanos, vestidos com trajes religiosos, ordenaram que a mulher saísse do local.

“Ele confessou à polícia que não se arrepende de ter matado Francis porque a palavra de Alá manda matar todos os infiéis que enganam os muçulmanos. Ele acrescentou que Alá estará com ele na prisão, mas o kafir [infiel] mereceu a morte”, explicou Christine, conforme informações do portal Morning Star News.

Enquanto ela se afastava da emboscada para salvar a própria vida, ela ouviu um dos extremistas dizer que os cristãos “blasfemam contra as palavras de Alá”. Em seguida, o mesmo homem disse ao seu marido: “Hoje Alá julgou você”.

“Outro agressor disse para eu ir embora, pois era o dia do meu marido. Enquanto me afastava com pressa tentando salvar minha vida, ainda pude ouvir Francis gemendo”, relembrou a viúva, que ficou em choque e precisou ser levada ao hospital pelos filhos.

No dia seguinte ao crime, quando recuperou a consciência, ela contou aos filhos sobre a morte do pai e os ordenou que fossem ao local. Lá eles encontraram parentes e um grande número de cristãos guardando o corpo enquanto a remoção não era providenciada.

Religiões em Uganda

A Polícia conseguiu capturar Olingha rapidamente após iniciar as buscas. O crime pode ter sido motivado por conta de um testemunho relatado por um professor ex-muçulmano que compareceu à igreja de Obo uma semana antes.

Na ocasião, ele contou sua jornada de conversão ao Evangelho, e os muçulmanos locais não gostaram de saber do relato. Um movimento extremista local, filiado a um grupo centralizado na República Democrática do Congo, encorajou os radicais da vila onde o pastor vivia a perseguir os cristãos.

A constituição de Uganda e outras leis infraconstitucionais preveem a liberdade religiosa, incluindo o direito de propagar a própria fé e converter pessoas de uma fé para outra.

Os muçulmanos ugandenses são uma minoria religiosa concentrada em redutos nas vilas da região leste, representando não mais do que 12% da população do país. Os cristãos representam 84% da população.

Gospel Mais

ÚLTIMOS POSTS