Filha de Flordelis diz que mandou matar Anderson após ser estuprada

Share on facebook
Share on twitter
Share on email
Share on whatsapp
Share on linkedin

Alguns fatos sobre a morte do pastor Anderson do Carmo começam a ganhar contornos mais sólidos depois que a filha biológica da deputada federal Flordelis (PSD-RJ) reiterou ter pago R$ 5 mil para que o padrasto fosse assassinado. Já uma filha adotiva envolvida no crime atribuiu à mãe a orquestração da execução.

Simone dos Santos Rodrigues participou de uma audiência no Conselho de Ética da Câmara dos Deputados e admitiu que ajudou a arquitetar a morte do padrasto por não suportar mais ser alvo de investidas de teor sexual.

Ao contrário do que dizem os irmãos adotivos, Simone isenta a mãe da ordem de execução, e afirma que pagou R$ 5 mil para que Marzy Teixeira da Silva, sua irmã adotiva, entregasse a Lucas Cézar dos Santos, outro irmão, o valor para que Anderson do Carmo fosse morto.

“Eu estava em desespero, não aguentava mais as investidas dele, porque ele queria ficar comigo de qualquer forma. Ele me ameaçava cortar o dinheiro da minha medicação, do meu tratamento de câncer, eu não conseguia falar com a minha mãe concernente a isso”, disse a filha biológica.

Simone enfrentou um câncer ao longo dos últimos anos e o tratamento era custeado por sua mãe e Anderson do Carmo, que era o responsável por gerir as finanças da numerosa família. Ela disse que sabia que o dinheiro repassado a Marzy tinha como finalidade por fim à vida de seu padrasto, com quem teve um relacionamento na adolescência.

Ela também disse aos deputados que passou a ter “síndrome de pânico” por conta da insistência de Anderson do Carmo, e foi aí que pediu “pelo amor de Deus” a Marzy para ajudá-la a por um fim na situação, já que “todos os dias” ele a agarrava e “algumas vezes” conseguiu estupra-la.

“Infelizmente, usei drogas por causa disso, fiquei totalmente atordoada, desorientada e num desespero. Infelizmente, o único dinheiro que eu tinha, que eram R$ 5 mil, eu peguei e falei: ‘Marzy, você também está sofrendo’. Ele [Anderson] era uma pessoa que fazia muito bem para minha mãe, mas para todos da casa, ele não era uma pessoa boa”, declarou Simone.

Versões

Inicialmente, Marzy disse à Justiça, nas fases iniciais do processo, que o relacionamento de Simone e Anderson era bom e assumiu responsabilidade sobre a orquestração do crime, dizendo que ela tinha sido responsável por dar R$ 5 mil a Lucas e garantir que ele ficaria com os relógios da vítima como pagamento.

Entretanto, de acordo com informações do jornal O Globo, a juíza Nearis dos Santos Carvalho Arce a confrontou durante uma audiência lembrando de um depoimento que ela havia dado na delegacia, quando Marzy havia dito que o relacionamento entre a filha biológica de Flordelis e Anderson era conflituoso, e ela voltou atrás e admitiu que haviam atritos.

Flordelis ‘culpada’

Para outra filha adotiva da deputada federal, Roberta dos Santos, a mãe adotiva é a principal responsável pelos planos de assassinato do pai. Ela fez essa declaração em outra audiência da Comissão de Ética da Câmara, na última quinta-feira, 22 de abril.

Ela foi a última testemunha do caso, listada pelo deputado Alexandre Leite (DEM-SP), relator da representação de quebra de decoro parlamentar que pode levar à cassação do mandato de Flordelis, a ser ouvida.

Roberta considera “anormal” a forma como a mãe manipulava e influenciava os filhos e reiterou a declaração do responsável por adquirir a arma do crime, Lucas Cézar: “Nada acontecia se ela não permitisse. Se ela quisesse, o Niel estaria vivo até hoje. E não é nem se ela não tivesse intervindo: era se ela não tivesse manipulado, pensado e agido, porque isso não vem da Simone nem da Marzy. A cabeça número 1 é ela, com certeza”.

“Niel” é o apelido que era usado em família para se referir ao pastor Anderson do Carmo. Embora tenha sido adotada aos três meses de vida pelo casal, Roberta – hoje com 26 anos – foi registrada apenas pela deputada federal e criada por outros dois filhos adotivos de Flordelis, Carlos Ubiraci e Cristiane, a quem considera “pais de criação”. Ele é um dos presos sob acusação de envolvimento no crime.

“Eu me casei com 21 anos e saí da casa, mas continuei tendo o convívio normal e ia lá [casa de Flordelis e Anderson] quase todo fim de semana. Entre janeiro e fevereiro de 2019, eu estive lá na casa, e o meu pai Carlos me contou que o Niel o procurou, mostrou uma mensagem que ele descobriu no rascunho do iPad dele, que estavam tramando a morte dele, só que ele não acreditou”, relatou Roberta, conforme informações da Agência Câmara de Notícias.

Subjetividade

A advogada da deputada, Janira Rocha, chamou atenção para a divisão entre os filhos de Flordelis após o crime, destacando que uma parte deles atribui a autoria intelectual do crime à deputada, enquanto outros, diretamente envolvidos na execução, assumem a autoria de forma objetiva.

“Quando Roberta fala de manipulação, está falando do passado, porque em relação aos fatos do momento do crime, ela não tem como dizer”, destacou Janira Rocha.

Gospel Mais

ÚLTIMOS POSTS

Espaço Gospel foi criado com a intenção de reunir o melhor de todo material disponível na rede para ajudar você a se conectar com Deus!