Guilherme Boulos tenta conquistar evangélicos às vésperas da eleição

Share on facebook
Share on twitter
Share on email
Share on whatsapp
Share on linkedin

Na reta final da campanha eleitoral para a prefeitura de São Paulo, o socialista Guilherme Boulos (PSOL) encontrou-se com evangélicos simpatizantes de seu partido para transmitir suas percepções a respeito da atuação deste segmento na capital paulista.

O encontro, realizado na última quarta-feira, 11 de novembro, aconteceu com um grupo de fiéis que já milita na esquerda. A penetração do candidato junto ao público evangélico é mínima, e numa comparação com outro candidato socialista, Márcio França (PSB), que recentemente foi recebido numa reunião com 500 pastores.

De acordo com informações do portal Metrópoles, Boulos não pratica nenhuma religião, o que tende a ser um eufemismo quando se trata de políticos de esquerda. Afirmar ser ateu nunca é bem-visto em termos eleitorais, principalmente junto aos eleitores católicos e evangélicos.

“Aqui não tem empresa que vende fé, não, aqui é a igreja de verdade, aqui é o povo de Deus”, afirmou o pastor e cantor Armando Silva, explicando o motivo de, entre aproximadamente 20 pessoas, não haver nenhum representante de liderança de nenhuma denominação.

Membro de uma congregação da Assembleia de Deus, Silva disse que “infelizmente, muitas pessoas distorcem a palavra do Senhor Jesus na política”, o que leva a uma percepção por parte de algumas pessoas de que há “muita intolerância, falta de visão das necessidades do povo e divisão nas famílias” entre os evangélicos.

Grande parte da plateia de duas dezenas de fiéis era formada por donas de casa e jovens, que usavam a camiseta estampada com a frase “Eu sou evangélico, não sou homofóbico, não sou racista, não sou fascista”, demonstrando que o candidato falava apenas para militantes de esquerda.

Derrotado por Jair Bolsonaro em 2018, Boulos aproveitou a oportunidade para alfinetar o presidente: “Muitos de vocês estão aqui porque não estão satisfeitos com Jair Bolsonaro, a posição dele é de ódio e nada tem a ver com a fé cristã”, acusou. “Eu tenho fé que nós vamos para o segundo turno”, acrescentou o candidato, que fez fama de invasor de propriedades em sua militância junto a movimentos políticos representantes de pessoas sem-teto.

O uso do termo “fé” não foi a única tentativa de Guilherme Boulos de demonstrar algum entrosamento com o tema. Afirmou em sua dissertação de mestrado que as práticas religiosas têm “efeito terapêutico, com resgate de autoestima e criação de sentimento de comunidade”.

Conduta

Para os evangélicos entusiastas de sua candidatura, Boulos foi elogiado por suas “propostas voltadas para o social” e por viver em união estável com a também ativista Natalia Szermeta, com quem tem duas filhas, uma de 6 e outra de 8 anos.

“As reivindicações dos evangélicos são as mesmas das pessoas que moram na periferia. Quando uma pessoa está na fila do posto de saúde, ninguém pergunta se é evangélico ou se é católico”, disse o candidato, que disputa a vaga no segundo turno com Celso Russomanno (Republicanos) – candidato com apoio maciço da Igreja Universal do Reino de Deus – e Márcio França (PSB).

De acordo com pesquisas de intenção de voto, Boulos conta com 6% da preferência entre evangélicos, bem atrás de Bruno Covas (PSDB), que conquista 37% dos evangélicos, ou de Celso Russomanno, que tem 17% das intenções de voto nesse segmento.



Gospel Mais

ÚLTIMOS POSTS

Mensagem Bíblica Diaria

Dê Seus Medos ao Seu Pai

Como Jesus suportou o terror da crucificação? Ele foi primeiro ao Pai com seus medos. Ele modelou as palavras do Salmo 56:3: “Quando eu estiver

Leia Mais »
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x