História dos Apóstolos: Lucas, médico e maior autor do Novo Testamento

Lucas, também conhecido como Lucas Evangelista, é amplamente considerado o autor tanto do Evangelho de Lucas quanto do Livro de Atos. Ele escreveu mais do Novo Testamento do que qualquer outro — até mesmo o apóstolo Paulo.

Lucas não foi testemunha ocular do ministério de Jesus, mas viveu durante o primeiro século e, de acordo com seus próprios escritos, “investigou tudo cuidadosamente desde o princípio” (Lucas 1:1-4). Como companheiro de viagem de Paulo, ele provavelmente também teve acesso direto aos apóstolos e outros relatos da vida e ministério de Jesus (como o Evangelho de Marcos).

Formado como médico (Colossenses 4:14), hoje Lucas é celebrado como um dos primeiros historiadores da igreja. Seus escritos metódicos e detalhados nos dão o único registro completo do que aconteceu depois que Jesus ascendeu ao céu. Sem seu relato em Atos, seria difícil imaginar como o cristianismo cresceu de um movimento pequeno e frágil dentro do judaísmo para o que acabaria se tornando a maior religião do mundo.

Então, quem era “Lucas, o Evangelista”? O que realmente sabemos sobre ele? Podemos confiar nele? Veremos o que a Bíblia diz sobre ele.

A maior parte do que sabemos sobre Lucas vem de seus próprios escritos e de um punhado de menções nas cartas de Paulo. Alguns detalhes de sua vida são ambíguos, e os estudiosos debatem o que podemos realmente obter com as evidências limitadas que temos.

Lucas não foi uma testemunha ocular do ministério de Jesus (Lucas 1:1-4) e nunca se inclui na narrativa do Evangelho.

Companheiro de Paulo

Pelo livro de Atos e pelos escritos de Paulo, sabemos que Lucas foi um dos companheiros de Paulo. Em Atos 16:10, ele de repente se insere na narrativa, incluindo-se entre os companheiros de Paulo.

Em Colossenses 4:14, Paulo se refere a um homem chamado Lucas como um “amigo querido”.

Em Filemom 1:24, Paulo se refere a um homem chamado Lucas como um dos “meus colaboradores”.

Em 2 Timóteo 4:11, ele diz “só Lucas está comigo”.

Sempre se assumiu que estas são referências ao mesmo Lucas, e muitos dos primeiros escritores cristãos apontam para este homem como o autor de Lucas e Atos.

Um médico

Paulo menciona Lucas de passagem em Colossenses 4:14, mas dessa menção, aprendemos que ele era médico:

“Nosso querido amigo Lucas, o médico e Demas mandam cumprimentos.”

Isso certamente seria útil para Paulo, já que ele estava constantemente sendo espancado (Atos 14:19, Atos 16:22, 2 Coríntios 11:24, 2 Timóteo 3:11).

Um prólogo inicial do Evangelho de Lucas (possivelmente já no século II), também registra que Lucas “nasceu em Antioquia, por profissão, era médico. Ele se tornou um discípulo do apóstolo Paulo e depois seguiu Paulo até o martírio dele. Ele morreu com a idade de 84 anos” (Prólogo Anti-Marcionita ao Evangelho de Lucas).

Em seus próprios escritos, Lucas frequentemente usa terminologia médica comum para descrever doenças e aflições. Em Lucas 14:2, Jesus encontra um homem com hidropisia, ou “inchaço anormal do corpo”, e Lucas usa a palavra hudropikos — um termo comum na literatura médica grega que não é encontrado em nenhum outro lugar da Bíblia.

A terminologia precisa de Lucas se baseia em sua experiência como médico e o diferencia dos outros autores bíblicos.

O Evangelista

O título de Lucas, “O Evangelista”, vem do fato de que ele escreveu um dos quatro evangelhos. Mateus, Marcos, Lucas e João são considerados os Quatro Evangelistas porque seus escritos proclamam as “boas novas” (ou evangelho) de Jesus Cristo.

Um gentio?

Muitas pessoas argumentam que Lucas era um gentio, o que faria dele o único autor gentio do Novo Testamento. Como muitas crenças sobre Lucas, a evidência para essa afirmação é ambígua e longe de ser definitiva.

A ideia vem de Colossenses 4:11-14, onde Paulo separa Lucas dos “únicos do grupo da circuncisão”, que alguns estudiosos interpretam como “os únicos judeus”:

“Jesus, que se chama Justus, também manda saudações. Estes são os únicos judeus entre meus colaboradores para o reino de Deus, e eles provaram ser um consolo para mim. Epafras, que é um de vocês e servo de Cristo Jesus, envia saudações. Ele está sempre lutando em oração por você, para que você possa permanecer firme em toda a vontade de Deus, maduro e plenamente seguro. Garanto a ele que está trabalhando duro para você e para aqueles em Laodicéia e Hierápolis. Nosso querido amigo Luke, o médico e Demas mandam saudações.”

E embora Lucas provavelmente fosse de Trôade ou Antioquia, isso não significa que ele não poderia ser judeu. É inteiramente possível que Lucas fosse um judeu helênico: biologicamente judeu, mas culturalmente grego. Os judeus helênicos adotaram os costumes da cultura grega e não seguiram todas as práticas judaicas, como a circuncisão.

Como a circuncisão era uma questão central em muitos dos escritos de Paulo, não seria surpreendente se ele pretendesse que “os únicos do grupo da circuncisão” simplesmente se referissem aos cristãos judeus que seguiam estritamente a Lei de Moisés e acreditavam que a circuncisão era necessária para os cristãos.

Dito isso, muitos estudiosos ainda mantêm a posição de que Lucas era um gentio.

De onde era Lucas?

A maioria dos estudiosos acredita que Lucas nasceu em Antioquia (como o Prólogo Anti-Marcionita do Evangelho de Lucas e os primeiros escritores cristãos afirmam). Atos também não nos diz isso, mas Antioquia recebe bastante atenção no livro.

Mas há outra teoria sobre de onde Lucas seria. Em Atos 16, Lucas aparece de repente para se juntar a Paulo e seus companheiros depois de chegarem a Trôade:

“Quando chegaram à fronteira da Mísia, tentaram entrar na Bitínia, mas o Espírito de Jesus não permitiu. Assim passaram pela Mísia e desceram para Trôade. Durante a noite, Paulo teve uma visão de um homem da Macedônia de pé e implorando: ‘Venha à Macedônia e ajude-nos.’ Depois que Paulo teve a visão, nos preparamos imediatamente para partir para a Macedônia, concluindo que Deus nos havia chamado para pregar o evangelho a eles.” — Atos 16:7-10

No entanto, Lucas nunca afirma ser de Trôade e, embora pareça claramente ser onde ele se juntou a Paulo, a evidência é ambígua. (Afinal, encontramos Paulo pela primeira vez em Jerusalém, embora ele seja de Tarso.)

Lucas foi um dos doze discípulos de Jesus?

Lucas não fazia parte do grupo de discípulos de Jesus chamado “os Doze”. Há quatro passagens que dão os nomes de todos os 12 discípulos (também chamados de “apóstolos”), e Lucas não está em nenhuma delas (Mateus 10:2-4, Marcos 3:13-19, Lucas 6:12-19, e Atos 1:12-26).

Embora Lucas não tenha sido uma testemunha ocular do ministério de Jesus, ele certamente teve acesso a pelo menos os relatos daqueles que foram (Lucas 1:1-4), incluindo o Evangelho de Marcos (que se acredita ser o relato de Pedro, transmitido a João Marco).

Quanto da Bíblia Lucas escreveu?

O Evangelho de Lucas e o Livro de Atos são geralmente considerados um conjunto de dois volumes porque ambos são endereçados a Teófilo, parecem ter sido escritos pela mesma pessoa (mesmo que não fosse Lucas) e têm temas e linguagem comuns, por isso são muitas vezes referidos como Lucas-Atos.

Entre esses dois livros, Lucas escreveu impressionantes 27,5% do Novo Testamento — isso é mais do que qualquer outro, incluindo Paulo.

Mas tanto Lucas quanto Atos são tecnicamente anônimos. Então, como sabemos que Lucas as escreveu?

Há espaço para debate, e alguns estudiosos argumentaram contra a autoria de Lucas, mas nenhuma alternativa séria foi sugerida, e ainda há muitas razões para acreditar que ele as escreveu.

Aqui está o porquê.

Lucas realmente escreveu o Evangelho de Lucas?

O manuscrito sobrevivente mais antigo deste evangelho – O Papiro Bodmer XIV, de cerca de 200 dC – termina com “O Evangelho Segundo Lucas”.

Irineu, um clérigo que viveu por volta de 130–202 d.C. registrou quem escreveu cada um dos evangelhos, incluindo este:

“Também Lucas, companheiro de Paulo, registrou em um livro o Evangelho por ele pregado.” — Contra as Heresias, Livro III

  1. Cliffton Black, professor do Seminário Teológico de Princeton, observa que Irineu “foi aluno de Policarpo, que havia conhecido o apóstolo João. Ele escreve: ‘Lucas também, o companheiro de Paulo, registrou em um livro o evangelho pregado por ele.’ Este testemunho, vindo de um aluno de um aluno do apóstolo João, é importante. Além disso, por causa de suas muitas viagens e familiaridade íntima com quase toda a igreja de sua época, o que essa testemunha diz sobre a autoria do Terceiro Evangelho deve ser considerado de grande importância”.

Em Pedagogos, Clemente de Alexandria, que viveu entre 150 e 215 d.C., refere-se a passagens de Lucas como coisas que Lucas disse.

E Orígenes de Alexandria, que viveu por volta de 184–253 d.C., escreveu sobre as origens de cada evangelho em seu comentário sobre Mateus:

“E terceiro, foi que, segundo Lucas, o Evangelho recomendado por Paulo, que ele compôs para os convertidos dos gentios.”

Além disso, o fragmento Muratoriano – possivelmente a lista sobrevivente mais antiga do cânon bíblico – lista Lucas como o autor.

Eusébio de Cesareia — o pai da história da igreja com acesso a incontáveis ​​livros antigos — era sem dúvida o mais bem equipado para fornecer um autor alternativo, mas nunca sugeriu que alguém além de Lucas escrevesse este Evangelho.

E geralmente, se houvesse desacordo sobre alguma coisa, Eusébio anotava isso – mesmo que apenas para zombar de pessoas que discordavam dele. (Se ele tivesse vivido para ver a Internet, Eusébio poderia ter sido um bom blogueiro.)

Lucas realmente escreveu o Livro de Atos?

A frase de abertura de Atos se dirige à mesma pessoa para quem Lucas foi escrito – Teófilo – e faz referência a “meu livro anterior”, o que torna um caso bastante convincente de que Lucas e Atos foram escritos pela mesma pessoa. Especialmente quando você considera as semelhanças de estilo, linguagem e temas entre os dois.

Além disso, a igreja primitiva apoia que Lucas também escreveu este volume.

Em Stromata, Clemente de Alexandria escreve:

“Resta que entendemos, então, o Desconhecido, pela graça divina e somente pela palavra que procede dEle; como Lucas nos Atos dos Apóstolos relata que Paulo disse: Homens de Atenas, percebo que em todas as coisas vocês são muito supersticiosos. Pois andando e contemplando os objetos de sua adoração, encontrei um altar no qual estava inscrito: Ao Deus Desconhecido. A quem, portanto, vocês ignorantemente adoram, eu vos declaro.’” (Ênfase adicionada.)

Existem alguns casos como este em que Paulo e Lucas parecem se contradizer, mas onde a linguagem (e o gênero de Atos como uma narrativa histórica antiga) é ambíguo o suficiente para que haja espaço para interpretação.

Lucas escreveu alguma das cartas de Paulo?

Alguns acreditam que, como companheiro de Paulo, Lucas pode ter ajudado a escrever algumas de suas cartas. Paulo ocasionalmente usava um amanuense — um escritor profissional que ou escrevia o que Paulo ditava ou trabalhava a partir de seus pontos principais. (Veja, por exemplo, Romanos 16:22).

Nenhuma das cartas de Paulo afirma que Lucas as escreveu, mas semelhanças na linguagem e teologia entre Lucas-Atos e as epístolas pastorais (1 Timóteo, 2 Timóteo e Tito) levaram alguns a argumentar que Lucas era de fato um dos amanuensi de Paulo.

No entanto, este argumento é puramente conjectura. Simplesmente não há evidências suficientes para apoiar (ou necessariamente refutar) essa afirmação.

Para alguém que escreveu tanto do Novo Testamento, não sabemos muito sobre Lucas. Mas enquanto os detalhes de sua vida foram em grande parte perdidos na história, a contribuição de Lucas para o cristianismo e o mundo vive no Evangelho de Lucas e no Livro de Atos.

Sem esse médico que se tornou historiador, teríamos enormes lacunas em nossa compreensão sobre o que aconteceu após a ascensão de Jesus. Mas graças em grande parte à sua atenção cuidadosa aos detalhes e documentação meticulosa, quase 2.000 anos após sua morte, cristãos em todo o mundo ainda seguem os passos dos apóstolos originais.

Guia me

ÚLTIMOS POSTS