Igreja Presbiteriana vota para rejeitar homens gays no ministério

Share on facebook
Share on twitter
Share on email
Share on whatsapp
Share on linkedin

Apesar do avanço do liberalismo teológico no meio cristão, ainda há denominações resistem à influência dos ventos de doutrina. A Igreja Presbiteriana nos EUA votou por rejeitar a indicação de homens gays ao ministério, incluindo pastoral.

A Igreja Presbiteriana na América (PCA, na sigla em inglês) votou para mudar uma regra em seu documento de governo que desqualificaria todos os homens gays de servir em seu ministério.

A resolução para mudar a regra, chamada “Abertura 23”, foi aprovada em 1.400-400 na 48ª convenção anual da denominação em St. Louis, Missouri, na semana passada.

“Os oficiais da Igreja Presbiteriana na América devem ser irrepreensíveis em sua caminhada e semelhantes a Cristo em seu caráter. Aqueles que professam uma identidade (como, mas não se limitando a, ‘cristão gay’, ‘cristão com atração pelo mesmo sexo’, ‘cristão homossexual’ ou termos semelhantes) que mina ou contradiz sua identidade como novas criaturas em Cristo, seja por negar a pecaminosidade dos desejos decaídos (como, mas não se limitando a, atração pelo mesmo sexo), ou negar a realidade e a esperança da santificação progressiva, ou deixar de buscar a vitória capacitada pelo Espírito sobre suas tentações, inclinações e ações pecaminosas não estão qualificados para um ofício ordenado”, diz o texto da emenda à regra.

De acordo com informações do portal The Christian Post, a regra emendada será comunicada às congregações para uma votação, antes que a mudança seja votada em segundo turno na convenção da Igreja Presbiteriana na América em 2022.

Caso seja aprovado novamente no próximo ano, o texto da emenda será colocado no “Livro da Ordem da Igreja” da PCA.

‘Santificação’

Chris Norris, da igreja Calvary Presbytery, afirmou durante o debate sobre a emenda: “A santificação começa com a identidade de uma pessoa como uma nova criação em Cristo. […] Assumir uma identidade gay vai contra a nova criação”.

A denominação também aprovou a “Abertura 37”, que se refere aos candidatos pastorais: “Uma reflexão cuidadosa deve ser dada à sua luta prática contra as ações pecaminosas, bem como aos desejos pecaminosos persistentes”, diz o texto.

“O candidato deve dar testemunho claro de sua confiança em sua união com Cristo e nos benefícios disso pelo Espírito Santo, dependendo desta obra da graça para progredir sobre o pecado. […] Enquanto a imperfeição permanecerá, ele não deve ser conhecido por reputação ou autoprofissão de acordo com sua pecaminosidade remanescente (por exemplo, desejos homossexuais, etc.), mas sim pela obra do Espírito Santo em Cristo Jesus”, acrescenta a alteração da regra.

Durante a convenção anual, a PCA também endossou Lifeline Children’s Services como seu “ministério de adoção e assistência a órfãos preferencial” devido ao seu “compromisso com a santidade da vida” e não o Bethany Christian Services, que anunciou recentemente que estaria oferecendo seus serviços de adoção para pessoas em uniões civis do mesmo sexo.

Gospel Mais

ÚLTIMOS POSTS