João Doria recua e reconhece atividades religiosas como essenciais

Share on facebook
Share on twitter
Share on email
Share on whatsapp
Share on linkedin

O governador João Doria (PSDB) assinou decreto que reconheceu atividades religiosas como essenciais durante o período de pandemia, desde que medidas preventivas sanitárias sejam seguidas. A iniciativa tem pouco efeito prático, já que mesmo na fase vermelha – a mais restritiva – cultos e missas já eram aceitos.

O gesto de Doria para se aproximar do público evangélico foi apenas simbólico, já que o Plano São Paulo, um conjunto de medidas do governo estadual para combater à pandemia, divide regiões do estado em blocos e estabelece cores indicando maior ou menor restrição de atividades: vermelho, o mais restritivo; e azul, que indica a volta à normalidade.

Assinado na última segunda-feira, 01 de março, o decreto foi anunciado por Doria nas redes sociais: “Esse é o decreto que será publicado amanhã, terça-feira (2), no Diário Oficial do estado de São Paulo, que reconhece a essencialidade de todas as igrejas no estado de SP e o seu funcionamento, com a regularidade, obedecidos os critérios sanitários e de proteção aos que dela participam. Esperança, fé e oração. Com vacinas, vamos vencer a Covid”, declarou o governador.

A mudança de postura de João Doria soa como um cálculo político, já que há um ano, em março de 2020, o governador paulista adotou postura oposta. Na ocasião, o presidente da República, Jair Bolsonaro, seu desafeto e adversário político, reconheceu a essencialidade das atividades religiosas, enquanto o mandatário à frente do Palácio dos Bandeirantes pediu que apenas cultos online fossem realizados, assim como aconselhamentos por meio virtual.

De acordo com informações do portal G1, apesar da postura de Doria, o governo estadual já havia indicado um recuo dessa posição e não determinou o veto à realização de cultos e missas, ou qualquer outra reunião religiosa.

Elogio

O pastor Silas Malafaia, que está em pé de guerra com uma jornalista do Grupo Globo por conta de críticas a um projeto do vereador Alexandre Isquierdo (DEM-RJ), que prevê que o município do Rio de Janeiro reconheça as atividades religiosas como essenciais.

No Twitter, o pastor da Assembleia de Deus Vitória em Cristo (ADVEC) lembrou que essa iniciativa é uma forma de referendar o que já foi definido pelo governo estadual.

Agora, com o decreto de João Doria, Malafaia aproveitou para alfinetar a colunista do jornal Extra: “Parabéns governador Dória! Temos discordâncias políticas. Reconhecer as religiões como atividade essencial, dentro das normas sanitárias, você acertou! As religiões tem um papel terapêutico insubstituível em tempo de pandemia e calamidades. Deus livre o Brasil dessa prega!

A provocação à jornalista veio a seguir: “Berenice Seara! Você podia ter ficado sem essa! Tanto Dória como Bruno Covas reconhecem as religiões como atividades essenciais em tempo de pandemia. Isso não significa estar isentas de cumprir obrigações sanitárias. Não vai criticar? A colunista do jornal Extra se ferrou! Gostaria de ver a cara de muitos jornalistas e politiqueiros! O conselho regional de medicina do Distrito Federal, apresenta nota pública contra o LOCKDOWN. Vão chamá-los de genocidas? Negacionistas? Bolsonaristas? E agora? Podiam ficar sem essa!



Gospel Mais

ÚLTIMOS POSTS