Justiça condena evangélica por racismo após ataques ao candomblé

Share on facebook
Share on twitter
Share on email
Share on whatsapp
Share on linkedin

Martelo e balança, símbolos da justiça

O Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA) condenou uma evangélica por racismo, na modalidade preconceito religioso por hostilizar adeptos do candomblé gritando “sai satanás” e jogando sal grosso na frente de um terreiro.

De acordo com a decisão do TJ-BA, A liberdade de expressão, mesmo a religiosa, ainda que protegida constitucionalmente, não é absoluta de modo a permitir o aviltamento a culto distinto.

Os ataques de Edneide, evangélica da Igreja Casa de Oração Ministério de Cristo, em Camaçari, município da região metropolitana de Salvador, começaram em agosto de 2014 e atingiram o ápice no ano seguinte, ganhando repercussão nacional.

No dia 1º de junho de 2015, a yalorixá Mildredes Dias Ferreira, a Mãe Dede de Iansã, de 90 anos, líder do Terreiro Oyá Denã, morreu de infarto. Familiares e companheiros de candomblé da idosa atribuíram o falecimento ao desgosto dela pelos atos de intolerância religiosa.

Não houve como estabelecer nexo de causalidade entre a conduta de Edneide Santos de Jesus e a morte de Mãe Dede de Iansã para processá-la por homicídio.

Em setembro de 2015, o Ministério Público (MP) denunciou a acusada por infração ao Artigo 20, da Lei 7.716/1989. A regra pune com reclusão, de um a três anos, quem pratica, induz ou incita a discriminação ou preconceito de raça, cor, etnia, religião ou procedência nacional.

Segundo o MP, quando a igreja de Edneide abriu, em julho de 2013, já funcionava, do outro lado da rua, o Terreiro Oyá Denã, há 45 anos.

Os primeiros atos de intolerância religiosa ocorreram durante cultos e vigílias dentro da igreja. Com o uso de microfone e potente equipamento de som, Edneide incitava os fiéis a expulsar o “satanás”, apontando para a direção do terreiro de candomblé. Depois, arremessando sal grosso, os insultos ganharam a rua, passaram a ser praticados em frente ao terreiro, inclusive, pelas madrugadas, disseram as testemunhas.

A defesa da evangélica requereu a sua absolvição. Para o advogado Paulo Alberto Carneiro da Costa Filho, ficou provado que a cliente não praticou o crime. No dia 5 de setembro de 2019, a juíza Bianca Gomes da Silva, da 2ª Vara Criminal de Camaçari, condenou Edneide: “o conjunto probatório é harmônico, não pairando quaisquer dúvidas acerca da materialidade e autoria delitivas”.

Em recurso, o advogado da evangélica pleiteou a extinção da punibilidade pela prescrição retroativa de pena, devido ao transcurso de quatro anos entre o recebimento da denúncia e a sentença.

O TJ-BA manteve a condenação de Edneide, bem como a sanção fixada pela magistrada. A juíza sentenciou a ré a um ano de reclusão em regime aberto, mas substituiu esta reprimenda por duas restritivas de direito: comparecimento mensal em juízo para informar as atividades e prestação de serviço à comunidade ou a entidades públicas pelo mesmo prazo da pena privativa de liberdade.

Fonte: Consultor Jurídico




Folha Gospel

ÚLTIMOS POSTS

Seu Você Oposto

Mateus foi um apóstolo, um autor de um dos evangelhos. Mas, antes que dele ser Mateus, ele foi Levi, um judeu que trabalhou para a

Leia Mais »