Justiça rejeita denúncia contra padre que reprovou homossexualidade

Share on facebook
Share on twitter
Share on email
Share on whatsapp
Share on linkedin

Um padre que expressou de forma enfática sua reprovação aos relacionamentos homossexuais foi denunciado pelo Ministério Público por homofobia, mas a Justiça rejeitou a denúncia e reiterou os conceitos de liberdade religiosa e de expressão.

O padre Paulo Antônio Müller, do Mato Grosso, comentou um vídeo sobre a união civil de dois repórteres da TV Globo, reprovando o comportamento e fazendo uso de linguagem coloquial durante a missa do dia 13 de junho de 2021.

Na ocasião, o padre expressou repúdio à união homossexual e reiterou a convicção em torno do casamento bíblico: “Dois veados, me desculpa, mas dois veados. Um repórter e um viadinho, chamado Pedrinho. ‘Prepara meu almoço que estou chegando com saudade’. Ridículo”, disse o padre.

“Deus criou homem e mulher, isso é casamento. Que chamem a união de dois veados e duas lésbicas como querem, mas não de casamento, por favor. Isso é falta de respeito com Deus, isso é sacrilégio, blasfêmia. Casamento é coisa bonita e digna”, acrescentou o sacerdote da Paróquia Nossa Senhora Aparecida de Tarupah.

A denúncia

O Ministério Público tomou conhecimento das críticas feitas pelo padre e o denunciou por homofobia. No entanto, o juiz Bruno César Singulano França, da Vara Única de Tapurah, cidade a 414 km de Cuiabá, rejeitou a denúncia.

O juiz afirmou que o padre tem direito “à liberdade de expressão”, e acrescentou que “qualquer religião busca o aperfeiçoamento da conduta humana”, fazendo menções também ao islamismo e judaísmo como exemplos.

“Ora, concitar os fieis à reprovação dessa ou daquela conduta é algo natural e que se observa em qualquer religião, uma vez que a maioria delas busca o aperfeiçoamento da conduta humana, a elevação do espírito e a reprovação de atos e práticas consideradas não saudáveis espiritualmente para aquele determinado credo”, conceituou França.

Na mesma decisão, o juiz acrescentou que “é natural em qualquer grupo religioso que se recrimine condutas e o cristianismo está permeado de exemplos em que se desestimula a conduta humana desagradável a Deus, o que se denominou de pecado”.

“Entretanto, da mesma doutrina cristã extrai-se ordenança de que aquela pessoa que pratica a transgressão seja tratada com o devido afeto”, pontuou França, acrescentando que o Direito não deve considerar algo como discurso de ódio somente porque é incômodo aos ouvidos: “A democracia é baseada na pluralidade de ideias, muitas delas díspares e repelentes umas das outras. Calar um dos argumentos contrários às próprias convicções é conduta que não se coaduna com o atual estágio civilizatório e do avanço do Direito”.

Segundo o G1, o Ministério Público, que entendeu que “as declarações do padre extrapolaram a liberdade religiosa”, prometeu recorrer da decisão da Justiça em primeira instância.

A decisão do Supremo Tribunal Federal que equiparou “homofobia” ao crime de racismo, porém, resguardou o discurso religioso a respeito da homossexualidade.

Captura de tela de reportagem da TV Globo sobre o caso; Clique na imagem para assistir ao vídeo

Gospel Mais

ÚLTIMOS POSTS