LGBTs processam Ana Paula Valadão por declaração sobre AIDS

Share on facebook
Share on twitter
Share on email
Share on whatsapp
Share on linkedin

Ana Paula Valadão virou alvo de ataques nas redes sociais por afirmar que a homossexualidade “não é normal” a partir da perspectiva bíblica e que a comunidade LGBT seria o epicentro da disseminação do HIV, o que condiz com constatações feitas em pesquisa divulgada pelo Ministério da Saúde em 2018.

A cantora e pastora afirmou, durante o programa Diante do Trono, veiculado pela Rede Super, que a homossexualidade “não é normal” e que o resultado das práticas pecaminosas é a morte, no sentido espiritual, como diz a Bíblia Sagrada.

“Isso não é normal. Deus criou o homem e a mulher e é assim que nós cremos. A qualquer outra opção sexual é uma escolha do livre-arbítrio do ser humano. E qualquer escolha leva a consequências”, disse a pastora. “A Bíblia chama de qualquer opção contrária ao que Deus determinou, de pecado. E o pecado tem uma consequência que é a morte. Taí a AIDS para mostrar que a união sexual entre dois homens causa uma enfermidade que leva à morte e contamina as mulheres, enfim… Não é o ideal de Deus”, acrescentou.

A repercussão da declaração de Ana Paula Valadão motivou a Aliança Nacional LGBTI+ a se posicionar em nota, anunciando que processará a pastora evangélica por crime de LGBTfobia: “O discurso de Ana Paula beira ao absurdo, extrapolando a liberdade religiosa e de expressão, tornando-se um discurso odioso, fanático e amplamente desproposital, com consequências potencialmente desastrosas, principalmente para quem a segue”, diz o texto, conforme informações do portal Uol.

“Nos encontraremos nas barras da lei – a lei dos homens e das mulheres. Não se deve acreditar em um Deus como este pregado pela apresentadora, que espalha preconceitos, estigmas e ódio! Se a sua exegese e hermenêutica são essas, as nossas são os artigos 3º e 5º de Constituição Federal cidadã de 1988”, acrescenta a Aliança Nacional LGBTI+.

O bispo Hermes C. Fernandes criticou Ana Paula Valadão comparando sua declaração ao racismo: “200 anos atrás: não é normal que negros sejam tratados como seres humanos. Normal é que trabalhem até morrer e sejam submetidos a todo tipo de violência e humilhação. […] O mesmo espírito de preconceito agindo ao longo de gerações para tornar a vida um fardo insuportável”, disse o líder “cristão progressista”, conforme informações do portal Diário do Centro do Mundo.

Dados

As críticas à declaração de Ana Paula Valadão têm trazido como pano de fundo números do boletim epidemiológico do Ministério da Saúde, publicado em dezembro de 2019, como argumento contra a percepção da pastora de que há mais homossexuais com HIV do que heterossexuais.

De acordo com o Ministério da Saúde, o Brasil registrou 248.520 novos casos de pacientes com HIV entre 2007 e 2019. Destes pacientes, 143.506 se declararam heterossexuais (58%), e 105.014 (42%) homossexuais. Entretanto, os dados do boletim epidemiológico consideram apenas números absolutos, e não fazem a correlação com a proporção da população.

Segundo informações do jornal Gazeta do Povo, a pesquisa “HIV Prevalence among men who have sex with men in Brazil”, assinada por 26 pesquisadores e publicada pelo Ministério da Saúde em 2018, trouxe dados que atualizaram um estudo anterior, de 2009, mostrando que entre homens que fazem sexo com outros homens, 18,4% são portadores do vírus HIV.

O mesmo estudo indicou que essa taxa de infecção entre a população em geral é de apenas 0,4%, o que torna a presença do HIV muito maior proporcionalmente entre os homossexuais. “Apesar de a evidência global indicar uma redução de casos de Aids em muitos países, a epidemia do vírus entre homens que fazem sexo com homens parece estar aumentando, em países de renda baixa, média e alta”, diz o relatório.



Gospel Mais

ÚLTIMOS POSTS

0
Adoraria sua opinião, por favor, comente.x
()
x