Mais de 8 mil cristãos permanecem no Afeganistão, muitos continuam escondidos

Share on facebook
Share on twitter
Share on email
Share on whatsapp
Share on linkedin

Crianças no Afeganistão.

Embora muitos cristãos tenham deixado o Afeganistão para evitar a morte, numa espécie de “diáspora”, também há cristãos dispostos a permanecer pela vida da Igreja.

“De certa forma, estamos vendo uma espécie de diáspora da igreja afegã. Mas também há pessoas que se dedicam a ficar, que sentem que seu chamado é permanecer no Afeganistão, independentemente da perseguição que vão enfrentar”, disse William Stark, gerente regional da ICC (International Christian Concern) para o Sul da Ásia.

“Eles meio que aceitaram o fato de que Deus tem um plano para eles, que Deus quer uma igreja no Afeganistão e eles querem ser membros dessa igreja”, enfatizou.

Sabe-se que as minorias cristãs no Afeganistão estão fugindo do país ou estão vivendo sua fé em sigilo por conta das restrições do governo do Talibã. A estimativa é que ainda tenha de 8 mil a 10 mil cristãos no país.

Em termos de perseguição aos cristãos, o Afeganistão só perde para a Coreia do Norte, conforme a Portas Abertas. As duas nações estão no topo da Lista Mundial da Perseguição. Portanto, aqueles que decidem ficar demonstram um ato de muita fé e muita coragem.

“O ICC está em contato com os cristãos afegãos no país. Certamente há muito medo e preocupação com a própria segurança pessoal devido ao aumento da perseguição sob o regime do Talibã”, ponderou Stark.

Segundo ele, Paquistão, Turquia e Catar estão pedindo apoio global e a estabilização do Talibã em seu papel governamental. Os paquistaneses de alto escalão estão apoiando o Talibã em discursos, artigos de opinião e entrevistas, e por meio da diplomacia com governos ocidentais.

Em um discurso na ONU, o primeiro-ministro do Paquistão, Imran Khan, que promove o fortalecimento do Talibã, disse que é para “o bem do povo do Afeganistão”.

Situação dos afegãos

A economia do Afeganistão está à beira de um colapso total, disse o ICC. Os EUA e outros membros das Nações Unidas estão enviando ajuda humanitária diretamente ao povo afegão, sem reconhecer o domínio do Talibã.

“Estamos profundamente preocupados com o bem-estar do povo afegão e especialmente dos cristãos e das minorias religiosas”, disse Pertulla em um comunicado à imprensa. Para ele, fortalecer o Talibã é praticamente “uma tentativa desesperada de legitimar o mal”.

Ser reconhecido abertamente como cristão já era arriscado antes da retirada dos EUA do país. O aumento da perseguição sob o regime do Talibã provavelmente incluirá execuções públicas, açoites e desmembramentos que eram comuns sob o regime anterior do grupo terrorista.

Para Stark o que vem pela frente será pior do que antes. Ele finaliza dizendo que a questão da “honra e da vergonha coletiva” quando um muçulmano se converte ao cristianismo impulsiona ainda mais a violência e a aplicação da Sharia (lei islâmica).

Fonte: Guia-me com informações de God Reports




Folha Gospel

ÚLTIMOS POSTS