Médica é severamente criticada ao dizer que ‘é normal crianças de 4 anos se masturbarem’

Share on facebook
Share on twitter
Share on email
Share on whatsapp
Share on linkedin

Uma postagem da médica Ana Escobar teve grande repercussão em sua conta no Instagram logo após a famosa pediatra publicar um texto com o título “A masturbação infantil é natural e saudável”.

“Os pais não devem inibir nem reprimir, mas é claro, que vivemos em um mundo com regras de convivência social. Se os pais percebem que a criança está se masturbando em público devem distrair a atenção da criança para outro fato sem reprimi-la fazendo com que pare espontaneamente”, escreveu a pediatra.

A médica concluiu dizendo que os pais “podem conversar com o filho e deixar claro que pode se masturbar, mas de preferência em seu quarto. A conversa deve ser tranquila e não deve taxar a masturbação como um ato proibido.”

Repercussão

Palavras como “desserviço”, “absurdo” e “incentivo” permearam as centenas de comentários.

Uma seguidora escreveu: “Um verdadeiro ABSURDO! Um mal que vem desestruturando psicologicamente tantas pessoas, agora querem sugerir a crianças. Triste.”

Carol Dias, esposa do ex-jogador da Seleção, Kaká, sinalizou sua reprovação em forma de emoji simulando vômito.

Uma mulher aproveitou para criticar a sociedade: “Com todo respeito, a senhora está fazendo um desserviço à sociedade, que convenhamos já não anda grande coisa…”.

Rede Globo

Uma postagem cita a Rede Globo, emissora da qual a pediatra é consultora: “Mais uma peça da Rede Globo… ‘deixar a criança se descobri’”. Francamente…”.

A psicóloga Marisa Lobo fez um longo comentário em resposta à postagem, e destacou: “Criança não tem que se masturbar, doutora. Tem que brincar”.

Um homem pediu comprovações à médica: “A Sra. poderia apresentar os estudos que comprovam a sua tese? A Sra. fez estudo prático em pacientes e tem resultados para compartilhar? Pois eu, como homem e alguém que lembra muito bem da infância, achei este post uma das coisas mais absurdas que já li nos últimos tempos! Onde já se viu?”.

Segundo a advogada e colunista do Guiame, Patrícia Alonso “pior do que essa afirmação foi ler que a referida ‘especialista’ ainda ‘orienta’ as mães a ensinar os filhos a não terem tal prática em público, mas que seja feito em casa dentro das quatro paredes.’

Cristã, a advogada diz que os “conceitos morais conservadores tais como castidade, fidelidade, lealdade, respeito, no foco destes pseudocientistas não são conceitos válidos.”

Em artigo exclusivo para o Guiame, onde fala sobre a postagem da pediatra Ana Escobar, Patrícia Alonso alerta: “Se você está assustado com essas ‘pseudociências’, prepare-se porque elas estão chegando em forma de lei (PL 10.562/2018; PL 4769/2019; PL 567/2020; PL 5588/2020; PL 10.182/2018; PL 10.712/2018; PL 699/2011; PL 7569/2014; PL 9671/2018; PL 10402/2018) e, infelizmente, o nosso Congresso Nacional não está preparado para o debate, portanto, depois de aprovadas, cara leitor, não adiantará chorar.”



Guia me

ÚLTIMOS POSTS