National Geographic elege Maria como ‘mulher mais poderosa do mundo’

Share on facebook
Share on twitter
Share on email
Share on whatsapp
Share on linkedin

Maria, virgem escolhida por Deus para carregar no centro Seu filho, Jesus, é uma das figuras humanas mais conhecidas e importantes da história da humanidade. Venerada por católicos e admirada por evangélicos, a jovem mãe foi reconhecida como “a mulher mais poderosa do mundo”.

A revista National Geographic – que também é um canal de TV – conhecida por sua linha editorial progressista, reconheceu que mesmo com inúmeras idas e vindas no que se refere à predominância de ideologias políticas e poderio econômico, a figura de Maria é a mais poderosa dentre as mulheres ao longo da história da humanidade.

Uma edição de 2015 trouxe essa constatação, destacando que a influência de Maria não se dá apenas no aspecto religioso católico, com fiéis que atribuem graças recebidas de Deus através de sua atuação, mas também no islamismo, que a considera a mulher mais santa de todas.

A jornalista Maureen Orth, autora da matéria, ponderou na ocasião que, historicamente, esse respeito a Maria no islã não é muito comentado na mídia, mas que a mãe de Jesus goza de grande prestígio entre os seguidores de Maomé.

As virtudes que levaram a revista a reconhece-la como a “mais poderosa do mundo” foram as demonstrações de amor, presença, companheirismo, humildade, generosidade, respeito, serviço ao próximo, capacidade de sacrifício, esperança, confiança e fé absoluta em Deus.

‘Idolatria’

Em 2014, viralizou um vídeo do padre Fábio de Melo, em que ele criticava “o cristianismo sem Cristo” e também a devoção “fora de lugar” à virgem Maria. O sermão do padre, na ocasião, gerou enorme desconforto entre católicos.

“Isso não é cristianismo. A liberdade consiste em você olhar para a santidade de Maria e você rezar com ela para que o tempo todo o Cristo prevaleça entre nós, porque nós não podemos mais admitir a experiência de um cristianismo sem o Cristo”, afirmou.

A crítica do padre se estendeu a outros dogmas presentes no cristianismo e, mais especificamente, no catolicismo, reforçando a afirmação de que a salvação vem através apenas de Jesus Cristo: “É Cristo que nos resgata, é Cristo que nos liberta. E nós estamos amarrados em muitas outras coisas, classificando isso como religioso, bonito… Não. Nós precisamos retomar a seriedade dessa Palavra. São Paulo não brinca com a comunidade, São Paulo não está falando com meios termos. É Cristo que nos salva, e é em torno d’Ele que nós precisamos organizar a nossa vida”, declarou.



Gospel Mais

ÚLTIMOS POSTS