NEGAR A SI MESMO – Luciano Subirá

Share on facebook
Share on twitter
Share on email
Share on whatsapp
Share on linkedin

 

“Então, convocando a multidão e juntamente os seus discípulos, disse-lhes: Se alguém quer vir após mim, A SI MESMO SE NEGUE, tome a sua cruz e siga-me” (Mc 8.34 – grifo do autor).

O que significa a exigência de Jesus apresentada aos que aspiravam a ser seus discípulos? Quando ele disse a si mesmo se negue, o que, exatamente, isso queria dizer?

Desde o início da história humana, o grande conflito que nós, humanos, temos com Deus é uma guerra de vontades. O Senhor disse ao primeiro casal que não era da vontade dele que comessem da árvore do conhecimento do bem e do mal; mas eles escolheram sua própria vontade e comeram. A obediência é um requisito definido pelo criador para regrar o seu relacionamento com a humanidade desde o início; e o perigo de comprometer isso tudo sempre residiu na vontade e no poder de escolha dos homens, que tendem a diferir da vontade e das ordenanças divinas. Essa foi a razão pela qual Deus advertiu a Caim, antes de ele pecar:

“… o seu desejo será contra ti, mas a ti cumpre dominá-lo” (Gn 4.7).

Nossos desejos carnais trabalham contrários ao propósito divino, portanto, são contra nós! Nosso Senhor Jesus Cristo não veio apenas remover a culpa e a condenação do pecado; ele veio para restaurar o propósito inicial, comprometido pela desobediência do homem e suas trágicas consequências. Mas é ridículo acharmos que pode haver a restauração plena de tudo o que o homem tinha antes da queda sem que a mesma dimensão de obediência a Deus (e plena sujeição ao seu senhorio) seja restabelecida, como no princípio.

O evangelho de Cristo é uma mensagem de obediência. Temos tentado proclamar uma mensagem de fé desacompanhada da obediência, e isso não se harmoniza com a revelação bíblica. Aliás, por duas vezes, Paulo relaciona, em sua carta aos Romanos, a obediência com a fé.

“Por meio dele e por causa do seu nome, recebemos graça e apostolado para chamar dentre todas as nações um povo PARA A OBEDIÊNCIA QUE VEM PELA FÉ E vocês também estão entre os chamados para pertencerem a Jesus Cristo” (Rm
1.5,6, NVI – grifo do autor).

“Ora, àquele que tem poder para confirmá-los pelo meu evangelho e pela proclamação de Jesus Cristo, de acordo com a revelação do mistério oculto nos tempos passados, mas agora revelado e dado a conhecer pelas Escrituras proféticas por ordem do Deus eterno, para que todas as nações venham A CRER NELE E OBEDECER-LHE; sim, ao único Deus sábio seja dada glória para todo o sempre, por meio de Jesus Cristo. Amém” (Rm 16.25-27, NVI – grifo do autor).

Na verdade, há uma inquestionável conexão nas Escrituras entre crer e obedecer. Cristo nos mandou pregar o evangelho a toda criatura e disse que os que cressem seriam salvos (Mc 16.15,16). Portanto, o evangelho requer do homem uma resposta de fé. Mas o mesmo Jesus também ordenou que fizéssemos discípulos das nações e os ensinássemos a guardar (obedecer, cumprir, atender) tudo o que ele havia ensinado (Mt 28.19,20). Fé e obediência andam juntas!

Em seu precioso livro Coração ardente: acendendo o amor por Deus, John Bevere diz o seguinte sobre isso:

“Na Bíblia, crer significa não somente reconhecer a existência de Jesus, mas também obedecer à sua vontade e à sua Palavra. Em Hebreus 5.9, lemos: ‘E, uma vez aperfeiçoado, tornou-se a Fonte da salvação eterna para todos os que lhe obedecem’. Crer é obedecer”.

Com isso em mente, é necessário reconhecer que a ordem de Cristo sobre negar a si mesmo não é uma mera tentativa de nos privar de algo supostamente bom. Trata-se do princípio da obediência sendo cultivado através do exercício da única coisa que pode barrar nossa inclinação ao pecado: o domínio próprio.

Paulo definiu a autonegação nas seguintes palavras:

“Estou crucificado com Cristo; logo, já não sou eu quem vive, mas Cristo vive em mim” (Gl 2.19,20).

Em outra epístola, o apóstolo descreveu a maneira como podemos nos manter crucificados com Cristo:

“Mas esmurro o meu corpo e o reduzo à escravidão, para que, tendo pregado a outros, não venha eu mesmo a ser desqualificado” (1Co 9.27).

O que é a autonegação? Ela não deve ser confundida com autoflagelo. A linguagem de Paulo sobre “esmurrar o corpo” deve ser vista como figurada, o que percebemos, especialmente, quando ele fala sobre “reduzir o corpo à escravidão”. Aliás, para entender a não literalidade da afirmação do apóstolo, basta nos questionar: “De que forma essa segunda frase poderia ser literal?”

Quando José, no Egito, disse não à sua vontade carnal de aceitar a proposta indecente da mulher de Potifar e adulterar com ela, ele estava “esmurrando seu corpo” e “reduzindo-o à escravidão”. Quando Jesus, no Getsêmani, orou para que a vontade do Pai celeste fosse feita, e não a sua, ele estava fazendo o mesmo.

Richard Baxter declarou: “A morte perde metade de suas armas quando negamos em primeiro lugar os prazeres e interesses da carne”.

Quem já entregou sua vida e tudo de si a Cristo, não tem mais nada a perder. Nāo há ameaças que possam intimidá-lo. É por isso que vemos, no livro de Atos, uma igreja “imparável”. Não havia prisões, ameaças, perseguições ou martírios que pudessem parar aquela primeira geração de cristãos.

Que nível de rendição e entrega você já alcançou? Você já se dispôs ao mais profundo nível de doação a Deus? Ou sua vida ainda é valiosa demais aos seus próprios olhos? Essas são perguntas que precisamos fazer
periodicamente.

Alcançar essa dimensão de entrega e rendição em que nada mais importa, nem mesmo a nossa própria vida, não apenas fortalecerá nossa intimidade e comunhão com o Senhor, como também nos tornará “imparáveis” e invencíveis diante de nosso Adversário.

Que o Senhor nos dê graça e nos ajude tanto a entender mais profundamente como a praticar esse princípio inegociável do seu reino!

– – – – – – – – – – – – – – – – – – – –
Autor: Luciano P. Subirá. É o responsável pelo Orvalho.Com – um ministério de ensino bíblico ao Corpo de Cristo. Também é pastor da Comunidade Alcance em Curitiba/PR. Casado com Kelly, é pai de dois filhos: Israel e Lissa.

Fonte: Orvalho.com

ÚLTIMOS POSTS