Nova regra de Joe Biden pode “punir” médicos cristãos que não realizam cirurgia transgênero, nos EUA

Share on facebook
Share on twitter
Share on email
Share on whatsapp
Share on linkedin

Presidente dos EUA, Joe Biden (Foto: Pleno News)

Nesta segunda-feira, 10, o governo de Joe Biden anunciou que está revertendo uma política da era Trump que, segundo seus defensores, protegia a liberdade religiosa dos médicos cristãos em disputas sobre procedimentos médicos para transgêneros.

Em causa está uma parte da Patient Protection and Affordable Care Act (PPACA ou Lei de Proteção e Cuidado Acessível ao Paciente, também conhecida como Obamacare) que proíbe a discriminação com base no sexo dentro dos cuidados de saúde. A Seção 1557 da lei, que trata da não discriminação, foi interpretada pela administração Trump como se referindo a “homem ou mulher e conforme determinado pela biologia”. Várias organizações religiosas, incluindo as associações médicas e odontológicas cristãs , apoiaram a regra Trump e disseram que protegia a liberdade religiosa. O próprio governo Trump disse que a regra oferece “proteção à consciência e à liberdade religiosa”.

Mas o governo Biden disse nesta segunda-feira que interpretaria a Seção 1557 para proibir a discriminação com base na orientação sexual e identidade de gênero. O último termo abrange o transgenerismo. A aplicação da nova regra entra em vigor imediatamente.

O Escritório de Direitos Civis do Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos EUA (HHS, na sigla em inglês) disse que interpretaria e aplicaria as proibições da Seção 1557 e do Título IX sobre a discriminação com base no sexo, para incluir a discriminação com base na orientação sexual e na identidade de gênero.

“O medo da discriminação pode levar os indivíduos a renunciar aos cuidados, o que pode ter consequências negativas graves para a saúde”, disse Xavier Becerra, secretário do Departamento de Saúde e Serviços Humanos.

“É posição do Departamento de Saúde e Serviços Humanos que todos – incluindo as pessoas LGBTQ – devem ter acesso aos cuidados de saúde, sem discriminação ou interferência, ponto final”, disse Becerra.

Apoiadores da regra da era Trump, no entanto, dizem que a nova regra Biden – que é semelhante a uma da administração Obama – levará os médicos cristãos e outros médicos religiosos a serem forçados a realizar procedimentos de transição de gênero, incluindo cirurgia.

“Isso é ruim para pacientes, médicos e para a liberdade religiosa”, tuitou Luke Goodrich, advogado do Fundo Becket para Liberdade Religiosa, que está envolvido em um processo judicial relacionado ao assunto.

Becket chama isso de ” Mandato Transgênero “.

Goodrich disse que a regra Biden “puniria médicos e hospitais se eles não executassem procedimentos prejudiciais de transição de gênero contra sua consciência e julgamento médico”.

O governo Biden disse na segunda-feira que iria “cumprir a Lei de Restauração da Liberdade Religiosa” e “todas as ordens judiciais aplicáveis”. A Lei de Restauração da Liberdade Religiosa é uma lei federal que impede o governo de “onerar substancialmente o exercício da religião de uma pessoa”.

Goodrich, no entanto, observou que o governo Biden está lutando contra os médicos cristãos no tribunal sobre o assunto. Em abril, o governo Biden apelou de uma decisão de um tribunal que determinou que os médicos não podem ser forçados a realizar procedimentos de transição de gênero.

O Catholic Vote também criticou o governo Biden.

“A decisão do HHS desta manhã atrasa o relógio da sanidade médica”, disse Brian Burch, presidente da Catholic Vote. “Este novo mandato do HHS é um esforço transparente para substituir o julgamento médico no campo altamente experimental e politizado da medicina de gênero”, alertou.

Ao contrário do anúncio enganoso do HHS, a nenhum americano está sendo negado tratamento por braços quebrados ou procedimentos médicos padrão com base em suas  “identidades” de gênero ou orientação sexual. 

“Este movimento do HHS é uma configuração para normalizar e dar força aos médicos para administrar drogas que bloqueiam a puberdade em crianças, realizar cirurgias de mudança de sexo e muito mais. Hospitais e médicos cristãos provavelmente sofrerão mais pressão e escrutínio como resultado”, concluiu.

Folha Gospel com informações de Christian Headlines


Folha Gospel

ÚLTIMOS POSTS