“O Espírito Santo me convenceu”

Share on facebook
Share on twitter
Share on email
Share on whatsapp
Share on linkedin

Foi no metrô de São Paulo que Benjamin Serber, professor de hebraico e judeu nascido em Israel, foi convencido de que Jesus é o Messias profetizado pelas Escrituras. Em entrevista ao Guiame, Serber contou seu testemunho e falou sobre as diferenças teológicas que afastam judeus e cristãos.

Até os 13 anos de idade, Serber havia sido criado dentro da comunidade judaica, mas fora do contexto religioso. Foi depois do Bar Mitzvah que ele se tornou maduro e apto para iniciar os estudos rabínicos.

Apesar de crescer em São Paulo, que concentra a maior população judaica do Brasil, a família de Serber teve um passado difícil. “Eu sou neto de um sobrevivente do Holocausto. Minha família foi diretamente afetada por isso”, ele revela.

O avô materno de Serber perdeu toda a família na Europa, durante o massacre de judeus na Segunda Guerra Mundial. Na chamada diáspora, ele chegou no Brasil ainda adolescente, onde conheceu sua esposa, que já estava na nação brasileira quando o Holocausto aconteceu. “Mas os avós dela, que ficaram na Polônia, perderam muita gente”, conta.

O trauma causado pelo Holocausto teve consequências difíceis na família. “Para a minha mãe foi muito difícil. Ela praticamente não foi criada pelo pai dela; ele não tinha estrutura emocional para isso”, lembra Serber.

Em 1976, os pais de Serber resolveram fazer a aliá — termo que designa a imigração judaica para Israel — quase 30 anos depois da independência do Estado judeu. Foi lá que Benjamin nasceu, mas aos 3 anos de idade, voltou com sua família para o Brasil, em 1984.

Busca pela verdade

Na adolescência, Benjamin estudou o judaísmo, as leis judaicas e o Talmude de maneira mais profunda. Diante de tantas complexidades e contradições, ele até chegou a deixar os estudos rabínicos, mas percebeu que “a vida sem buscar o Criador também não era o que precisava”.

Serber passou por momentos altos e baixos em sua fé. “Eu tinha dificuldade de entender algumas coisas, como a relação da lei e pecado. Se não há um templo, como poderia ter meus pecados redimidos?”, ele questionava. 

Na busca pela sua fé, ele se envolveu na comunidade judaica a ponto de morar em uma sinagoga em São Paulo, atuando como ajudante do rabino. “Nessa busca incessante, eu queria realmente encontrar o caminho para seguir o Eterno”, ele lembra.

Assista:

Em março de 2001, Serber estava na estação de metrô Ana Rosa, quando foi abordado por um homem. “Esse senhor chegou para mim e disse: ‘Eu não te conheço, mas o Senhor manda te dizer que você O busca há muito tempo e que ainda falta algo para completar sua vida’”, relata.

“E aí começou a falar do amor de Deus e das promessas Dele na minha vida. Essas palavras foram muito profundas e foram abrindo meu coração, até que ele falou do amor de Yeshua (Jesus em hebraico)”, acrescenta.

Ele conta que muitos já tentaram falar de Jesus antes, mas era algo imposto e “forçado”. Já esse homem, falou de forma diferente. “Esse senhor falou para mim com amor, que é o que faltava para eu escutar. Foi assim que meu coração se abriu para Yeshua, e o Espírito Santo me convenceu 100%”, afirma.

A partir disso, Serber recebeu um novo entendimento da Palavra de Deus: “O que faltava para eu entender toda a base do judaísmo era Yeshua, Aquele que é o sacrifício de Pessach, Aquele que redime os pecados, Aquele que veio não para confundir, mas para limpar toda a confusão”.

Jesus nas Escrituras

Serber diz que já tinha a fé em Jesus, mas queria confirmar o que as Escrituras diziam a respeito do Messias. Foi aí que começou uma nova jornada de descobertas, apesar da resistência de sua própria família.

“Eu queria confirmações na lei e nos profetas, naquilo que eu já tinha na minha vida, para que depois eu confirmasse por completo, de Gênesis a Apocalipse”, lembra. “Eu ainda não conhecia outros judeus que criam em Yeshua, mas eu conheci algumas igrejas. Mas eu tinha dificuldade porque elas falavam muito do Novo Testamento, e não falavam tanto da Antiga Aliança”.

Foi aí que Serber começou a se aprofundar nas profecias de Isaías, “porque muitos rabinos não estudam os profetas, mas focam apenas na lei”, explica. “Na lei eu comprovei que Jesus é o Messias, o Ungido e o próprio Emmanuel”, disse, citando textos como Isaías 7:14, Isaías 9:6 e Isaías 53.

Judeus x cristãos

O que impede judeus de se aproximarem de cristãos é a visão errônea de que Jesus era romano, segundo Serber. 

“A base toda de Yeshua era judaica. Mas depois de 300 anos, com o império de Constantino e o Concílio de Niceia, a visão do Messias judeu foi quebrada e levaram para Roma uma visão diferenciada. Depois veio a Inquisição, forçando judeus a se converterem ao cristianismo”, avalia.

“Infelizmente, tudo isso acabou manchando o verdadeiro nome de Yeshua para os judeus. Hoje eles pensam que Jesus era romano, saiu do judaísmo e fundou uma outra religião”, explica Serber.

Ele também avalia o impacto da Reforma Prostante na visão sobre os judeus: “Martinho Lutero trouxe de volta o entendimento da salvação, mas a relação dos gentios com os judeus ainda ficou para se organizar. Hoje se vê muitas igrejas voltando para essa visão de Israel, entendendo e procurando se reconciliar”, disse.



Guia me

ÚLTIMOS POSTS