Pandita Ramabai, evangelista e missionária dedicada às meninas indianas

Share on facebook
Share on twitter
Share on email
Share on whatsapp
Share on linkedin

Pandita Ramabai nasceu em 23 de abril de 1858 na floresta de Ganamal em Maharashtra, filha de Lakshmibai e de um brâmane hindu de alta casta chamado Anant Shastri, que era um reformador social e estava interessado em educar meninas.

Naquele momento, a Índia era governada pelos britânicos e estava dominada pelo sistema de castas hindu, que colocava todos em níveis sociais rígidos e tratava as mulheres como inferiores aos homens. Seu pai era um sacerdote hindu, desafiando a tradição, ensinou Pandita e sua mãe a ler sânscrito, a língua sagrada das escrituras hindus.

Aos 12 anos, ela memorizou milhares de versos sagrados das escrituras sagradas hindus e ganhou um conhecimento excepcional da língua hindu. Aos 13 anos, o país passou por uma grande fome e seus pais ficaram doentes.

Aos 16 anos, ela perdeu os pais e uma irmã pela fome. Sem um tostão, Pandita viajou com seu irmão pela Índia, recitando publicamente as escrituras hindus. Ela foi dotada de uma memória surpreendente e foi convidada a falar diante dos homens sagrados – os “pundits” – em Calcutá.

Mas Pandita começou a perder sua fé na religião onde tanto sofrera e decidiu, junto com seu irmão, ir para Calcutá. Lá ela foi recebida por sacerdotes hindus, já que eles também eram sacerdotes brâmanes de alta casta. Eles ficaram tão surpresos com seu conhecimento dos textos sagrados que ela recebeu o título de “Saraswati” ou “Pandita” (acadêmica), “a erudita”.

Ela foi convidada a dar palestras e visitar locais de aprendizagem. Quanto mais ela estudava as Escrituras hindus, mais infeliz e inquieta ficava. Pandita não conseguia encontrar paz. Tempo depois, Seu irmão também morreu.

Sozinha no mundo, Pandita decidiu se casar. Ela se rebelou contra o sistema de castas e se casou com um advogado de uma casta inferior. Isso foi muito chocante para todos os seus amigos. No entanto, logo após 18 meses de seu casamento, o marido de Pandita morreu de cólera. Ela ficou viúva aos 23 anos de idade. Eles tiveram uma filha chamada Manorama.

Na crença hindu, a perda de um marido era considerada um castigo para a esposa por algo mau feito no presente ou no passado vida, de modo que as viúvas foram condenadas a viver na exclusão e na pobreza. Pandita, agora como órfã, viúva e mãe solteira, se viu na pior das situações.

Pandita e sua filha Manorama

Pandita tornou-se amiga de uma missionária inglesa, a Srta. Hurford, que estava prestes a retornar à Inglaterra. Pandita tinha ganhado um pouco de dinheiro, apenas o suficiente para ela e sua filha viajarem para a Inglaterra com sua nova amiga missionária.

Em 1883, ela e a filha foram para a Grã-Bretanha na esperança de se tornar médica, uma aventura que falhou devido ao avanço de sua surdez. Enquanto estava na Inglaterra, Pandita escreveu um livro chamado “As mulheres hindus de alta casta”.

A obra foi um ataque contundente às tradições hindus habituais de casamento infantil, poligamia e viuvez. O livro foi amplamente lido e aclamado na Inglaterra.

Ela ficou com uma comunidade de mulheres anglicanas, onde ficou impressionada com o cuidado delas com as prostitutas e os sem-teto.

Pandita decidiu se tornar cristã e foi batizada. Foi uma conversão de alto nível que foi considerada uma traição na Índia. Embora Pandita aceitasse o cristianismo, ela manteve muito de sua cultura, usando roupas indianas e permanecendo vegetariana. Ela encontrou uma cópia do Evangelho de Lucas, ficou impressionada com a forma como Jesus tratava as mulheres.

Missão e avivamento

Pandita foi para a América e começou a educar o povo do Ocidente sobre as condições terríveis das mulheres na Índia. Eles formaram a Associação Pandita e se comprometeram a ajudá-la a iniciar uma escola para mulheres jovens na Índia. Ela ficou muito feliz e ansiosa para começar sua missão.

Pandita garantiu algumas terras a 40 milhas de Pune (Poona), ao sul de Bombaim, para as meninas ficarem. Ela começou uma escola aqui em 1896 com 20 meninas durante uma grande fome. Foi um projeto que ela empreendeu pela fé em Deus. Durante a fome, Ramabai decidiu trazer de volta crianças famintas e carentes. Ela trouxe 200 deles. Ela teve que construir novas cabanas para abrigar todas as jovens viúvas e órfãos. Chamava-se Mukti Mission, que significa ‘A casa da Salvação’. Em 1901 ela tinha 2.000 meninas e mulheres e a partir de janeiro de 1905 ela começou a ensinar sobre a necessidade de avivamento.

Pandita tinha ouvido falar dos grandes movimentos do Espírito Santo no País de Gales. Ela desafiou suas jovens a tirarem um tempo de seus estudos seculares para ir em equipes como missionárias para pregar sobre Cristo em aldeias distantes. Ela reuniu as meninas em grupos e as incentivou a orar pela salvação das pessoas na Índia e em todo o mundo.

Envolvimento com causas cristãs

Pandita desenvolveu amizades estreitas com muitas ativistas cristãs americanas, incluindo Harriet Tubman, e ganhou o apoio de uma ampla gama de igrejas e organizações.

Em 1888, ela retornou à Índia, onde imediatamente se envolveu no trabalho social e abriu Mukti, um centro residencial perto de Mumbai onde jovens viúvas podiam aprender a ler e escrever e ter segurança.

Em 1891, a vida de Pandita foi transformada quando ela leu o livro From Death into Life, no qual o vigário inglês William Haslam relatou sua dramática conversão de um cristianismo formal morto em uma fé viva. Pandita escreveu: “Uma coisa eu sabia a essa altura, que precisava de Cristo e não apenas de sua religião. Eu finalmente cheguei ao fim de mim mesma e me entreguei incondicionalmente ao Salvador.

O centro residencial cresceu rapidamente e em 1900 tinha 1.500 residentes.

Orações e intercessões

Em 29 de junho de 1905, o Espírito desceu sobre um grupo de meninas com choro, confissão de pecado e orações pelo poder do Espírito Santo. No dia seguinte, enquanto Pandita ensinava em João capítulo 8, o Espírito veio com poder. Todas as meninas começaram a chorar e confessar seus pecados.

Quando o Espírito veio, foi um momento de grande exame de coração e arrependimento. Muitas das mulheres e meninas tiveram visões de seu “corpo de pecado”. Eles testificaram que o Espírito Santo entrou neles com ardor. Eles chamaram isso de batismo de fogo.

Uma carta escrita por um dos trabalhadores da Mukti nesta época diz:

“Até as meninas são abatidas pelo arrependimento. Elas não podem comer, dormir ou trabalhar até que cheguem ao fundo das coisas. Elas procuram e choram diante de Deus até que Ele lhes mostre o estado de seus corações. Elas se arrependem, restauram, confessam e finalmente chegam a uma alegria que não conhece limites. Elas chamam isso de batismo de fogo. Elas dizem que quando o Espírito Santo desce sobre elas, o ardor dentro delas é quase insuportável. Depois, elas são transformadas, seus rostos se iluminam de alegria, suas bocas se enchem de louvor”.

Pandita Ramabai morreu em 1922.



Guia me

ÚLTIMOS POSTS