Parlamentares em Israel discutem preparação para o acesso ao Terceiro Templo

Share on facebook
Share on twitter
Share on email
Share on whatsapp
Share on linkedin

Um grupo de parlamentares israelenses realizou uma discussão no Knesset na terça-feira (13) sobre a substituição da rampa de acesso ao Monte do Templo, sugerindo construir um acesso permanente para o futuro projeto do Terceiro Templo.

A ponte Mughrabi é um acesso de madeira que conecta a praça do Muro das Lamentações com o Monte do Templo em Jerusalém. Este é o único acesso para visitantes não-muçulmanos ao complexo da Esplanada das Mesquitas.

“Não é apenas uma questão de engenharia”, disse o parlamentar Simcha Rotman, do Partido Sionista Religioso. “[Como pode] a entrada para o Monte do Templo ser uma estrutura temporária? Voltamos para nossa terra. Precisamos pensar em como as pessoas irão ao Monte do Templo assim que o Templo for reconstruído.”

O acesso de visitantes não-muçulmanos ao Monte do Templo era feito por uma rampa de terra. Até que, em 2004, um terremoto provocou a queda parcial de um muro de 800 anos, que segurava parte da colina que levava ao Portão Mughrabi, provocando o desmoronamento da rampa.

A atual ponte de madeira foi construída em 2007 como uma medida temporária. Israel tentou iniciar a construção de uma rampa permanente, mas foi acusado pelo Waqf — consórcio islâmico que administra os edifícios muçulmanos no Monte do Templo — de tentar derrubar o Domo da Rocha.

Como resultado, a ponte ainda está de pé, com a adição de uma grande estrutura de viga de metal em 2013, para tornar a rampa mais segura. Em 2014, Israel iniciou a construção de uma segunda ponte para o Portão Mughrabi, como um suplemento mais seguro, mas as obras foram interrompidas por vontade do governo da Jordânia.


A velha rampa de terra na década de 1970, construída sobre uma colina. (Foto: Wikimedia Commons)

“Não há constrangimento maior do que o fato de precisarmos da aprovação de um país estrangeiro para substituir a ponte Mughrabi”, disse Bentzi Gopshtein, diretor do grupo judaico Lehava.

Mais acesso aos judeus e o Terceiro Templo

Ao longo da discussão, os parlamentares e ativistas ressaltaram a conexão judaica com o Monte do Templo e seu desejo de construir o Terceiro Templo. Também houve apelos para tornar o Monte do Templo mais acessível para os judeus. 

Atualmente, a entrada da Ponte Mughrabi funciona das 7h às 11h e fecha às sextas e sábados, quando é aberta apenas para muçulmanos. Judeus e cristãos também são proibidos de orar no Monte do Templo.

“A situação está muito longe do que deveria ser”, reclamou Itamar Ben-Gvir, do Partido Sionista Religioso, que liderou a discussão. “Não estamos satisfeitos com o que temos. [Ter acesso ao Monte do Templo] é uma boa situação, mas pode melhorar.”

O plano de construir uma rampa permanente surge no contexto de aumentar a presença judaica no Monte do Templo. No próximo domingo, 18 de julho, é celebrado o jejum de Tisha Be’av, o dia em que o Primeiro e o Segundo Templos foram destruídos. 

Gopshtein acredita que esta deveria ser uma oportunidade para a ação judaica no Monte do Templo. “Com a graça do céu, voltamos para nossa terra e estamos sentados no Knesset”, disse ele. “Não podemos chorar mais. Se você decidir chorar quando consegue agir, você está pecando.”

De acordo com a parlamentar Miri Regev, do partido Likud, o status quo é perigoso. Ela disse na segunda-feira (12) que a ponte tem potencial para desabar no setor feminino do Muro das Lamentações. “O sangue das vítimas estará nas mãos de todos aqueles que não agiram e permaneceram calados”, disse. 

Os parlamentares também notaram a importância da questão após o desastre do Monte Meron em abril, no qual 45 pessoas morreram pisoteadas e mais de 150 foram feridas, em uma passarela escorregadia.



Guia me

ÚLTIMOS POSTS