Pastor acredita que início do ano Shemitá em 7 de setembro aponta um “movimento profético”

Share on facebook
Share on twitter
Share on email
Share on whatsapp
Share on linkedin

O ano sabático, também conhecido como Shemitá, terá início em 7 de setembro — data que em 2021 coincide com o Dia da Independência do Brasil. Para o pastor Joel Engel, o calendário vai além da coincidência, mas aponta para um movimento “profético”.

“O Brasil é escolhido e faz parte do plano de Deus. O povo de Deus está clamando por justiça e há um movimento em nossa nação”, disse Engel em culto na terça-feira (24). “Há acontecimentos em épocas que são previstas por Deus.”

No dia 7 de setembro, é também o dia 1 de Tishrei, segundo o calendário hebraico. Neste dia, é celebrado o Rosh Hashaná, o Ano Novo Judaico, marcando o início do ano 5782.

Além do novo ano, a data também marca o primeiro dia do Shemitá: o sétimo ano do ciclo de sete anos da agricultura, ordenado em Levítico para o povo de Israel.

Antes de abordar o significado profético do Shemitá, Engel lembrou que o sábado é um “dia profético”, para estar em comunhão com Deus e com a família. “Deus criou todas as coisas em seis dias, e no sétimo descansou. Deus separou um dia para Ele e o santificou. No sábado, Deus dá o dobro da sua unção e sua revelação”, explica.

De acordo com as especificações da Bíblia, assim como o sábado é o descanso semanal das pessoas e dos animais, a terra também tem o seu sábado: seis anos são para a semeadura, mas o sétimo ano é de descanso. Este é o ano Shemitá.

Além disso, qualquer fruto do campo é considerado sem dono e pode ser colhido por qualquer pessoa. “No ano Shemitá, tudo o que há na terra volta a ser de Deus e Ele permite que qualquer pessoa pegue do fruto”, lembra o pastor.

Este também é um período em que todas as dívidas são perdoadas, conforme as regulamentações bíblicas. “É um ano em que Deus estabelece justiça social e permite que haja um nivelamento”, explica Engel. “É um tempo de recomeço, restituição e também um tempo de juízo.”

Shemitá e crises financeiras globais

Engel acredita que, a partir do dia 7 de setembro, será possível observar “o tempo de Deus executar juízos”. Foi assim em alguns acontecimentos históricos, que coincidiram com o período do Shemitá.

O Shemitá trouxe imensas dificuldades financeiras para o mundo. A maior queda de Wall Street de 1987 aconteceu durante o Shemitá, assim como a crise do mercado de títulos de 1994. O ataque terrorista de 11 de setembro aconteceu um dia depois do Shemitá em 2001, resultando no colapso das bolsas de valores e a queda de 777 pontos no índice Dow Jones, em 2008, também aconteceu no Shemitá.

“Esse fenômeno de crises econômicas aponta que, no ano Shemitá, há um juízo e um abalo nas nações, envolvendo mudanças econômicas e governamentaos”, observa Engel.

“Deus abençoa e recompensa os fiéis, e há prejuízo entre aqueles que não são. Então há um equilíbrio social no mundo — alguns descem e outros sobem. Por isso é um dia temível por aqueles que conhecem, porque algo acontece no mundo”, acrescenta.

O pastor lembra que também há um impacto no âmbito pessoal, já que o sétimo ano está relacionado ao “encerramento de um ciclo e o início de outro”.

“Se você está há mais de 7 anos da mesma forma e não mudou de nível, você está em um ciclo vicioso. Está repetindo o mesmo ciclo de vida. Isso está errado. A cada 7 anos Deus quer que você mude de nível, que acabe um ciclo e comece outro”, destaca.

Veja a pregação completa:



Guia me

ÚLTIMOS POSTS