Pastor é preso suspeito de abusar de quatro fiéis em BH

Share on facebook
Share on twitter
Share on email
Share on whatsapp
Share on linkedin

Um pastor evangélico, de 38 anos, foi preso pela Polícia Civil de Minas Gerais na terça-feira (08), após pregar em sua igreja, em Belo Horizonte. Ele é acusado de abusar sexualmente, pelo menos quatro mulheres.

Em sua conta oficial no Instagram, Alexander Ribeiro contabilizava mais de 500 mil seguidores, mas ele desativou sua conta, após a repercussão. Pastor da Igreja Pentecostal Portas Abertas, que fica na Região Centro-Sul da capital mineira, era casado e tem filhos. Em depoimento à PC, ele negou todos os crimes.

Quatro mulheres teriam denunciado o pastor à polícia. A delegada responsável pelo caso informou que o religioso aproveitava da fragilidade das vítimas, na qual enfrentavam problemas familiares e de saúde, para abusar das mesmas.

“Ele levava as mulheres para uma sala reservada e, lá, fazia orações tocando o corpo delas e praticando atos libidinosos. Encostava suas partes íntimas nas das mulheres. Em um dos casos, ele foi chamado para rezar para a familiar de uma das vítimas e disse que daria o ‘sopro da vida’. Em seguida, ele tocava os lábios nos lábios da vítima”, disse a delegada Cristiana Angelini.

A primeira denúncia contra Alexander surgiu em 2018 quando uma das vítimas, de 27 anos, foi levada pelo pastor para essa sala reservada. Lá, o religioso orou por ela tocando-o em seu corpo. Ao relatar para uma amiga, ela foi alertada que outras mulheres também teriam passado pelo mesmo abuso.

Após o início das investigações, mais três mulheres, com idades entre 27 e 39 anos, também procuraram a Delegacia Especializada em Investigação a Violência Sexual para registrarem ocorrência. Segundo a Polícia Civil, o pastor, após ser confrontado por uma das vítimas, ameaçou e afirmou ter influência e amigos perigosos.

Segundo a delegada, as denúncias e a prisão do pastor podem encorajar outras vítimas a fazerem denúncias contra o pastor, que responderá pelo artigo 215, violência sexual mediante fraude. A pena vai de 2 a 6 anos.

“É importante a divulgação da investigação porque acreditamos que existam outras vítimas que, por vergonha, medo ou receio, não procuram a delegacia. Pedimos que todas procurem as autoridades policiais”, completou a delegada.

Pastor Alexander Ribeiro – Imagem: Reprodução



Portal do Trono

ÚLTIMOS POSTS

Seu Você Oposto

Mateus foi um apóstolo, um autor de um dos evangelhos. Mas, antes que dele ser Mateus, ele foi Levi, um judeu que trabalhou para a

Leia Mais »