Pesquisas sobre adoções por pais homossexuais foram falhas, diz autora

Share on facebook
Share on twitter
Share on email
Share on whatsapp
Share on linkedin

O artigo a seguir foi publicado Michael Ashcraft a partir de informações extraídas do capítulo 6 do livro Them Before Us (“Eles Antes de Nós”, em tradução livre), de Katy Faust, sobre adoções de crianças por homossexuais.

Décadas de pesquisas apenas confirmaram que as crianças sofrem quando perdem um pai biológico, seja por divórcio, morte, adoção, abandono ou reprodução por terceiros.

“Perder um dos pais é física, mental e emocionalmente prejudicial para as crianças”, diz Katy Faust em seu livro Them Before Us. 

“A maioria dos sociólogos concorda que os resultados para os filhos são melhores quando os filhos são criados por seus pais e mães casados, um consenso apoiado por décadas de pesquisas sobre casamento e família”.

Essa era uma ciência bem estabelecida até o amanhecer da era iluminada da igualdade no casamento. O coração das pessoas derreteu-se de compaixão ao ouvirem as histórias de pais homossexuais que desejam ter um filho.

De repente, surgiu uma enxurrada de estudos supostamente demonstrando que crianças criadas por pais homossexuais se saíam tão bem quanto crianças criadas por seus pais biológicos, uma mãe e um pai. A única coisa que importa, nos disseram, é a estabilidade de dois pais amorosos.

E assim, décadas de pesquisa foram interrompidas de repente da noite para o dia.

Como o hype da mídia foi a todo vapor e os cientistas sociais empurraram a história, esse foi um slogan que pegou rapidamente e foi amplamente adotado. Até a Suprema Corte foi influenciada pela “ciência”.

Havia apenas um problema: enquanto ouvíamos as histórias chorosas de pais homossexuais que queriam ter filhos, ignoramos as histórias chorosas de crianças que queriam um pai e uma mãe.

“A dor em minha vida não veio do estado de não reconhecer o relacionamento entre minhas duas mães”, escreveu Heather Barwick em uma petição de amicus da Suprema Corte. “Isso resultou da turbulência de querer desesperadamente um pai. Amo minha mãe profunda, feroz e incondicionalmente. Ela é uma mulher incrível, mas também amo meu pai ausente. Eu sofria por um pai que sabia que nunca teria”.

Na verdade, havia outro problema. A “ciência” que apoiava os pais homossexuais estava pronta. A metodologia era falha: os participantes NÃO foram selecionados aleatoriamente, os tamanhos das amostras eram pequenos e NÃO representativos, os métodos de relatório (como pais homossexuais respondendo em nome de seus filhos) NÃO eram confiáveis, de acordo com uma avaliação da Heritage Foundation em 2015.

Quando Mark Regnerus conduziu um estudo legítimo em 2012 – não perfeito, mas melhor do que qualquer coisa realizada anteriormente – ele demonstrou o que a pesquisa familiar basicamente apontou o tempo todo: a perda dos pais prejudica as crianças a longo prazo, mesmo sob a nova rubrica da adoção homoparental.

O sinal de igual era um logotipo fofo. Mas a matemática não era igual.
“Em 25 dos 40 resultados avaliados, havia diferenças estatisticamente significativas entre crianças de famílias biológicas intactas e as de mães em relacionamentos lésbicos em muitas áreas que são inequivocamente abaixo do ideal, como receber assistência social, necessidade de terapia, infidelidade, DSTs, vitimização sexual, escolaridade, segurança da família de origem, depressão, apegos e dependências, uso de maconha, frequência de fumo e comportamento criminoso”, diz o estudo.

Suas conclusões detonaram uma bomba atômica de fúria política.

Um exército de 200 cientistas sociais se levantou e alardeava em uma reclamação assinada de que Regnerus havia adulterado suas conclusões com base em sua ideologia religiosa. Liderando o ataque estava o demógrafo da UCLA, Gary Cates. Se ele acusou Regnerus de ser partidário, havia três dedos apontando para ele. Cates é gay.

No imbróglio que se seguiu, Regnerus quase foi demitido de seu emprego como Professor Associado na Universidade do Texas em Austin.

A mensagem era sinistra: qualquer um que se atrever a romper com a ideologia política atual será cancelado.

Enquanto os cientistas sociais vasculhavam seu estudo para descobrir defeitos, Regnerus respondeu de duas maneiras: 1) nenhum estudo que apoiasse a adoção homoparental foi submetido a escrutínio semelhante e 2) continue fazendo estudos (mas legítimos).

Regnerus resistiu ao redemoinho.

Duas coisas aconteceram desde seu estudo de 2012 sobre bacias hidrográficas. Mais cientistas sociais trabalharam sem medo da multidão acordada. E as crianças começaram a postar os gritos de seus corações nas redes. Eles ainda tinham um desejo pelo pai biológico que não estava presente.

Selecionando 12 mil participantes no Estudo Longitudinal Nacional de Saúde do Adolescente, Paul Sullins encontrou e estudou 20 crianças selecionadas aleatoriamente que cresceram em famílias com pais homossexuais. 

Eles eram duas vezes mais propensas a sofrer de depressão mais tarde do que os adultos, junto com pensamentos suicidas e obesidade, quando comparados a seus pares criados por pais biológicos.

“Esses resultados se alinham com o que as ciências sociais já estabeleceram sobre o desenvolvimento infantil, a saber, os três alimentos básicos da dieta socioemocional de uma criança: o amor da mãe, o amor do pai e a estabilidade”, escreve Faust.

Sullins acompanhou o estudo com pesquisas ainda mais profundas. Pesquisando mais a fundo em seus dados, ele identificou 512 casas de pais homossexuais e descobriu que as crianças tinham três vezes mais probabilidade de ter problemas emocionais graves e duas vezes mais probabilidade de sofrer de TDAH [Transtorno de Déficit de Atenção com Hiperatividade]. 

Eles também definharam com dificuldades de aprendizagem e serviços de educação especial e saúde mental desproporcionalmente necessários.

“Nenhuma diferença” é uma fantasia.

Enquanto a multidão política busca controlar a narrativa e reprimir a verdadeira ciência, outro problema surgiu para a agenda dos pais gays.

As crianças estão começando a expressar sua dor.

A premissa de ouvir vozes até então inéditas nos levou a prestar atenção aos pais homossexuais. Mas será que ouviríamos seus filhos com o mesmo cuidado e preocupação?

Samantha Wiessing cresceu com dois pais gays até os oito anos: “Eu nem sabia que existia tal coisa como mãe até assistir a The Land Before Time at School”, diz ela. 

“Meu cérebro de cinco anos não conseguia entender por que eu não tinha a mãe que de repente queria desesperadamente. Eu senti a perda. Eu senti o buraco. À medida que crescia, tentei preencher esse vazio com tias, amigas lésbicas de meu pai e professoras”, acrescenta Wiessing. 

“Lembro-me de perguntar à minha professora da primeira série se eu poderia chamá-la de mãe. Eu fazia essa pergunta a qualquer mulher que me mostrasse algum amor e carinho. Foi instintivo. Eu ansiava pelo amor de uma mãe, embora fosse muito amado por meus dois pais gays”.

Hoje, Samantha trabalha como diretora de desenvolvimento da Them Before Us. Ela espera ajudar outras crianças a evitar a devastação que sentiu quando criança.

Outros temem falar abertamente porque não querem ser enganados, ameaçados, alvejados ou acusados de ser um fanático. Para eles, existe o AnonymousUs.org. Você pode ouvir o clamor do queixosos da ausência de pai/mãe.

“Eu sou uma garota de 15 anos e tenho duas mães. Eles são maravilhosos e os melhores pais que minha irmã e eu poderíamos ter pedido”, escreve um deles. “Mas ainda assim, eu quero um pai. Não estou dizendo que sou contra o casamento gay ou a paternidade gay. Eu só quero um pai, e me sinto mal por dizer isso”.

“O dia dos pais é uma porcaria”, escreve outra. “Minha mãe pensa que é a sociedade quando na verdade é só ela. Eu a amo, mas sim. Ela fala sobre gêneros como se eles não importassem ao criar os filhos. Eu quero saber quem é meu pai. Eu preciso CONHECÊ-LO. Eu preciso me relacionar com ele e fazer coisas de papai e filha. Ele é metade de quem eu sou. Somos de carne e osso. Ele está literalmente NO meu DNA. Por que as pessoas não entendem isso?”.

Conforme John crescia, seu pai se tornou um transgênero e sua mãe se declarou lésbica. Seu grito é que todos esperam que ele cale seus sentimentos e afirme os sentimentos de seus pais.

“Uma das realidades mais duras de tudo isso é – embora eu ame minha mãe e meu pai – não é suficiente aceitar suas escolhas e fazer o melhor para amá-los onde estão”, diz John. “Em vez disso, tenho sido frequentemente desprezado por não me adaptar e até mesmo celebrar as novas identidades sexuais dos meus pais. Aceitação não é suficiente; Eu tenho que ‘ser bom’, até mesmo ficar feliz por mamãe se identificar como lésbica e papai como trans”.

“É como ser convidado a elogiar a faca que machucou você”.

O transbordamento de dor é o motivo pelo qual Faust nomeou sua organização e seu livro Them Before Us. Antes de atendermos aos desejos dos pais de ter e criar seus próprios filhos, precisamos atender às necessidades e aos direitos das crianças de terem seus próprios pais biológicos.

Se o pai biológico abdica de seu papel, fazemos o melhor que podemos pela criança. MAS não devemos transformar a fabricação de bebês em uma indústria (uma indústria lucrativa chamada de barriga de aluguel) e não dar a mínima para os frutos dessa indústria, diz Faust.

“Quando as vozes das crianças cortam os adultos barulhentos, ficou dolorosamente óbvio que a ‘igualdade no casamento’ para os adultos resultaria em desigualdade na infância”, pontua a autora e pesquisadora.

O artigo foi originalmente publicado por Michael Ashcraft no portal GodReports.

Gospel Mais

ÚLTIMOS POSTS