Por atraso em alugueis, Justiça penhora dinheiro da Mundial

Share on facebook
Share on twitter
Share on email
Share on whatsapp
Share on linkedin

A pandemia do novo coronavírus fez com que diversos estabelecimentos no país fechassem suas portas, incluindo os templos cristãos. Como resultado, muitos proprietários tiveram dificuldades de honrar seus compromissos, como os alugueis.

Este é o caso da Igreja Mundia do Poder de Deus, fundada por Valdemiro Santiago, que acumulou aluguéis atrasados entre 2018 e 2019. Apesar do período ser anterior à pandemia, a denominação alega que não conseguiu arcar com os custos devido à crise atual.

“As pessoas estão impossibilitadas de participar dos cultos. A arrecadação da igreja caiu bastante e estamos tendo dificuldade para o pagamento de aluguéis, algumas igrejas estão até fechando”, afirmou o advogado Felipe Palhares, defensor de Valdemiro.

Como a determinação da juíza Valéria Longobardi envolveu a penhora das contas também de Valdemiro, a defesa do líder religioso recorreu, alegando que os contratos de alugueis não estão em nome de pessoa física, mas jurídica.

“As medidas judiciais já foram tomadas pelo corpo jurídico da Igreja Mundial e do Apóstolo Valdemiro Santiago, tendo sido apresentada impugnação no processo requerendo a exclusão do líder religioso da ação, haja vista que não houve nenhum compromisso locatício ou qualquer outro firmado em nome de sua pessoa física”, diz em nota a defesa, segundo o G1.

Fundada em 1998, a Mundial do Poder de Deus possui cerca de 6 mil templos atualmente, distribuídos dentro e fora do Brasil. A denominação faz parte o segmento classificado no meio teológico como neopentecostal e tem como uma das suas principais características a teologia da prosperidade, alvo de críticas por parte dos protestantes históricos.

A defesa da Mundial sustenta que a denominação está fazendo o possível para honrar seus compromissos, buscando afastar a figura do líder da denominação, Valdemiro Santiago, do processo judicial.

“Ressaltamos que todos os contratos de locação são realizados em nome da pessoa jurídica da Igreja e não na pessoa física. Por fim, salientamos que a Igreja Mundial tem envidado esforços para adimplir com seus compromissos, mesmo diante do cenário de crise que assola o país”, diz o advogado.



Gospel Mais

ÚLTIMOS POSTS

0
Adoraria sua opinião, por favor, comente.x
()
x