Pressão LGBT causa demissão de Maurício Souza; Atleta isentou o clube

Share on facebook
Share on twitter
Share on email
Share on whatsapp
Share on linkedin

O jogador Maurício Souza, medalhista olímpico em 2016 pela Seleção Brasileira de Vôlei, foi demitido pelo Minas, clube onde atuava, após a pressão LGBT sobre os patrocinadores

Todo o imbróglio começou quando o atleta cristão repudiou o anúncio de que o personagem Superman está sendo transformado em bissexual na história em que o protagonista é Jon Kent, o filho do primeiro super-herói, Clark Kent.

Na ocasião, Maurício reprovou o uso de um ícone da cultura pop como instrumento ideológico, o que incomodou seu companheiro de Seleção Brasileira, Douglas Souza, homossexual e ativista LGBT.

Após o anúncio do rompimento do contrato, Douglas Souza comemorou a demissão de Maurício: “Homofobia não é opinião. Grande dia”, escreveu o atleta homossexual em sua conta no Twitter.

Horas antes da demissão, Maurício havia reiterado a defesa dos valores bíblicos em relação à homossexualidade, e ponderado que não havia tido a intenção de ofender: “Hoje estou pedindo desculpas por minha opinião ter ofendido alguém! Ter opinião e defender o que se acredita não é ser homofóbico nem preconceituoso!”, escreveu.

Um dos pilares do posicionamento do jogador, que se posicionou publicamente como conservador, é a liberdade de expressão. Em vídeo, ele disse que “assim como vocês defendem o que acreditam, eu também tenho direito de defender o que eu acredito”.

Com a repercussão de sua demissão, figuras conservadoras da sociedade se manifestaram nas redes sociais, e o jogador se viu motivado a explicar que a direção do clube apenas o demitiu por conta da enorme pressão LGBT exercida contra os patrocinadores, para que estes retirassem seu apoio ao Minas Tênis Clube caso ele não fosse demitido.

“O Minas [Tênis Clube] não teve culpa nenhuma nisso tudo. A culpa disso tudo foi da lacração fazendo pressão em cima dos patrocinadores. Patrocinador ameaçou ao Minas de tirar o patrocínio, tanto do [time de vôlei] masculino, quanto do feminino, e isso ficou insustentável. O meu diretor, Elói, e meu presidente, Ricardinho, fizeram o máximo para me segurar na equipe, o possível e o impossível. Infelizmente, o time não aguentaria perder tantos patrocínios assim, e aconteceu o que aconteceu. Mas eles foram homens de verdade, o que eu respeito muito e admiro”, resumiu Maurício Souza.

Nesta quinta-feira, 28 de outubro, o jogador decidiu se valer de sarcasmo para mostrar que a demissão não o abateu, e publicou uma foto do Superman original beijando a Mulher Maravilha.

Gospel Mais

ÚLTIMOS POSTS