Progressista, Bradesco usa crianças em apologia à ideologia de gênero

Share on facebook
Share on twitter
Share on email
Share on whatsapp
Share on linkedin

Uma campanha publicitária do banco Bradesco vem causando polêmica nas redes sociais por repetir a mesma metodologia de outras empresas que abraçaram a militância progressista: usar crianças para relativizar a ideologia de gênero.

No comercial mais recente do Bradesco, chamado “Roda dos Porquês”, em determinado trecho uma criança pergunta “por que menino não pode gostar de princesa?”.

O texto, meticulosamente escrito, faz referência à defesa conservadora de exemplos apropriados para cada sexo durante a infância, numa tentativa de constranger e denotar ignorância e opressão a quem se opõe ao que vem a seguir: “Deixe o coração falar”.

A ideia de que a biologia não deve ser um fator preponderante na formação das crianças, mas sim, uma “construção social da identidade”, é defendida pelos mais radicais adeptos da ideologia de gênero.

O questionamento, solto em meio a outros “por quês”, precede outra pergunta de cunho ativista: “Por que só passa futebol de homem na tevê?”, diz uma menina, tornando evidente o aceno do banco ao movimento feminista, que elegeu o esporte mais popular do país como a bandeira mais recente para cobrar “igualdade”, ignorando a maior regra do consumo: demanda.

O comercial segue permeado por pequenos signos que acenam ao “politicamente correto”, com uma menina questionando “por quê?” com o punho cerrado, um símbolo adotado pelo movimento Black Lives Matter, mas originalmente usado para identificar grupos marxistas e comunistas.

No canal do banco no YouTube, usuários da plataforma reprovaram a campanha: A pergunta tá no ar, quem é que vai fazer? Por que o Bradesco tem lucros altíssimos e ainda assim deve para o governo? Por quê?”, questionou um dos internautas.

“Patrocina o futebol feminino Bradesco, assim fica menos hipócrita”, escreveu outra usuária do YouTube.

‘Ataque à família’

O sociólogo Thiago Cortês comentou a iniciativa do Bradesco para o GospelMais, contextualizando a origem desse ativismo de grandes corporações, como o próprio banco, a rede de fast-food Burger King, a Natura e até mesmo a marca de sabão em pó Omo.

Para Cortês, a reprovação de grande parte da sociedade não será suficiente para interromper essa prática, pois há um contexto mais amplo de planejamento: “Muitas pessoas ainda se espantam quando veem grandes corporações e bancos – instituições que vivem do lucro – adotando causas e identidades abertamente progressistas. Mas há motivos financeiros pra isso”.

Essas empresas se aproveitam, segundo Cortês, da guerra de classes promovida pelas diferentes alas da esquerda: “A campanha do Bradesco se insere no cenário histórico do empoderamento financeiro de minorias a partir dos anos 1980, quando grandes empresas americanas começaram a cortejar minorias”, recapitulou.

“Com a expansão do mercado de franquias pelo Ocidente, nos anos 80 em diante, foi detectado que os homossexuais representavam um nicho de consumidores confiáveis e de alto padrão. Essa é a razão mais imediata pela qual campanhas como essa surgem periodicamente, levantando causas que são ligadas à militância da esquerda identitária, e que acabam financiadas por grandes capitalistas”, acrescentou.

A improvável aliança entre capitalismo e ativistas de esquerda, formando uma “parceria militante”, tem como “razão mais profunda um ataque continuado a um inimigo em comum, a família”, apontou o sociólogo.

“Uma sociedade atomizada permite que grandes grupos reprogramem todos os papeis sociais. E tivemos uma amostra disso na pandemia. A melhor maneira de fazer é isso é focando nas crianças, que são mais vulneráveis. Capitalistas e progressistas querem desconstruir a família para transformar a sociedade em uma massa atomizada”, alertou Cortês.

“Isso explica o fato pelo qual que grandes fundações – como a Lemann, a Ford e a Open Society, de George Soros – financiam o movimento abortista/ feminista no mundo todo, inclusive no Brasil”, finalizou.

Usuários do YouTube e clientes do Bradesco reprovam a “lacração” do banco

Gospel Mais

ÚLTIMOS POSTS