Psicóloga ensina como lidar com a ansiedade através da fé

Share on facebook
Share on twitter
Share on email
Share on whatsapp
Share on linkedin

Em um dos anos mais atípicos, cuidar da saúde mental nunca foi tão importante. De acordo com a pesquisa feita pela organização espanhola Malasmadres, 70% das mulheres estão mais cansadas hoje do que antes da pandemia e 86% se sentem apáticas, tristes e desmotivadas neste período. 

Em meio a este caos mundial, a autora da peça aclamada “Divas no Divã”, que ficou em cartaz em todo Brasil por 15 anos, e também terapeuta de mulheres há duas décadas, Cris Linnares, acaba de lançar seu livro, que aborda formas de ressignificar momentos difíceis e libertação de pensamentos prisioneiros.  

Através de um profundo diálogo consigo mesma, a autora desenvolve e ensina como aplicar o método CRASY (Cansar, Reconhecer, Assumir, Seguir e Yes) em seu livro “Doidas no Divã”, que inicia sua história quando, em um sonho, recebe a mensagem para mudar para os Estados Unidos, porque encontraria seu amor verdadeiro. Mesmo com sua peça em cartaz, Cris ouve sua voz interior e mergulha, de vez, nessa ‘loucura’ – assim chamada pelos amigos e familiares. 

Como acompanhante de viagem, a autora carrega uma bíblia que ganhou de sua avó – mulher cristã de muita fé – que sempre tentou convencer a neta da existência de Deus. A leitura inicia no avião, quando ao se deparar com a história de Moisés, com bom humor, faz a analogia “E se Moisés fosse mulher?” e seus possíveis desdobramentos.

Com data marcada para retorno ao Brasil, praticamente desesperançosa com a ideia de encontrar seu par ideal, começa a orar a Deus e é apresentada a um homem que muda sua vida. Os anos passam, eles se casam e logo vem a maior dificuldade: o sonho americano se tornou um pesadelo ao lidar com costumes, cultura e idioma diferentes. 

Cada dia mais, Cris se sentia sozinha, excluída, tinha medo de falar com as pessoas para não errar o inglês e, após desenvolver depressão pós parto, deixou de se reconhecer, chegando à síndrome do pânico.

Linnares, que já era psicóloga e terapeuta de mulheres, começou a se auto analisar e identificou um padrão de comportamento que ela chamou de Três Pensamentos Prisioneiros que sempre a sabotavam: o perfeccionismo, a preocupação e a procrastinação. “É possível se libertar desses achismos e criar uma vida mais autêntica e verdadeira. O resultado, possivelmente, é você ser chamada de louca“, conta Cris.

Permitindo-se sair do padrão de comportamento, a autora notou grandes resultados, até que foi convidada e começou a palestrar em pequenos grupos femininos de academias americanas e, aos poucos, ganhou visibilidade, até que criou ONG Women’s Impact, que apoia mulheres e crianças em situação de extrema vulnerabilidade. Todo trabalho a rendeu o título de única brasileira como uma das 50 heroínas dos Estados Unidos por seu trabalho com saúde mental e empoderamento feminino, segundo a revista Glamour.

Com os projetos em solo americano em ascensão, a escritora já acreditava que existia um Deus, mas ainda assim sentia grande vazio em sua essência e uma exaustão física, até que, em oração, lembrou-se de um versículo que tinha em um quadro em sua casa, quando criança: “Vinde a mim todos os que estais cansados e oprimidos, e eu vos aliviarei” (Mateus 11:28). 

Após refletir sobre esta memória, Cris Linnares sentiu pela primeira vez que uma paz tomou conta de si e, neste encontro com Cristo, soube qual era sua missão. Passou a ler materiais que comprovam a cura através da fé e decidiu que não usaria mais seu título de formação, então passou a realizar terapias em grupos com mulheres, utilizando o amor de Deus como principal fonte de tratamento.

Hoje em dia, para a autora, a ‘loucura’ tem um significado diferente dos dicionários convencionais. Ao ouvir de um terapeuta que depressão, síndrome do pânico, ansiedade era o “novo normal”, Cris buscou na bíblia um novo significado e, ao ler que “a sabedoria de Deus é loucura para os homens” (Coríntios 1:25), definiu como meta de vida, abraçar essa loucura. Inclusive, recomenda: “Use-a em seu favor: está tudo bem não estar bem. Ela faz parte, não é fácil ser mulher e não ser taxada dessa forma, aliás, as pessoas mais inspiradoras que conheci foram chamadas de doidas por aqueles que acreditam que viver uma vida normal é o certo” finaliza a escritora Cris Linnares.



Fonte: Guia-me

ÚLTIMOS POSTS

0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x