Rejeitar batismo a homossexuais está correto, afirma pastor Yago Martins

O pastor, teólogo e escritor Yago Martins afirmou que o batismo nas águas é uma demonstração pública de compromisso com a fé cristã, e declarou que rejeitar batismo de homossexuais que vivem em união com pessoas do mesmo sexo é o certo a se fazer.

A polêmica envolvendo a Igreja Presbiteriana Renovada de Aracaju (SE), que foi acusada de homofobia por rejeitar batismo para um homossexual que vive em uma união com outro homem vem repercutindo também nas redes sociais.

No canal Dois Dedos de Teologia, Yago Martins foi questionado por um de seus seguidores sobre o tema de forma geral: “Uma pessoa é casada com alguém do mesmo sexo. É correto impedir o batismo dela?”.

“Com certeza! Alguém que está casado com uma pessoa do mesmo sexo está indo contra um padrão cristão de vida, e você impede o batismo de alguém que não está disposto a se comprometer com o cristianismo”, respondeu Yago Martins.

O pastor cearense acrescentou que essa postura é embasada pelas premissas de fé: “Ser batizado é se comprometer com o cristianismo. Estar casado com alguém do mesmo sexo é não estar comprometido com o cristianismo, então obviamente a Igreja não batiza pessoas casadas com alguém do mesmo sexo”.

A Polêmica

A Igreja Presbiteriana Renovada de Aracaju divulgou nota oficial sobre o assunto enfatizando que “para ser batizado e, posteriormente, membro da igreja, seguindo o que está definido em nosso Estatuto e nas Sagradas Escrituras, é necessário o atendimento de certos requisitos, conforme cada congregado ou visitante aprende no curso “Primeiros Passos”, onde se tem a oportunidade de conhecer profundamente os ensinamentos da Palavra de Deus e as normas da nossa IPRA”.

Um dos pastores da IPRA, Jeter J. Andrade, gravou um vídeo e publicou no Instagram respondendo à acusação de homofobia por rejeitar batismo nas águas ao fotógrafo João Pedro Poderoso, que vive um relacionamento com outro homem.

“Todos são muito bem vindos à família renovada, mas nós não abrimos mão dos princípios e valores que a Palavra de Deus nos diz. Baseados nessa convicção, nós queremos, e pedimos, para que Deus nos abençoe e nos guarde”, declarou Andrade.

A polêmica foi repercutida também pelo pastor Marco Feliciano (PL-SP), que publicou artigo dizendo considerar injusta a acusação de homofobia contra o pastor que dirigia o culto de batismo.

“Alertei diversas vezes sobre o risco desses movimentos liberalizantes avançarem sobre a liturgia da Igreja, pois, a liberdade de culto inclui também a sua liturgia. O fato é que a frequência aos cultos é franqueada a todos – desde que se comportem de forma a não escandalizar os fiéis -, mas a participação dos atos religiosos tem de seguir o rito proposto pela Igreja, de acordo com as regras canônicas. Assim, é possível impedir quem não se adeque ao ritual preestabelecido”, contextualizou.

“O pastor se recusou a batizar um fiel por não se adequar as normas litúrgicas da igreja para o batismo, por ser casado de forma homoafetiva com outro homem, pois, contraria as normas preestabelecidas pela igreja. A atitude do pastor gerou uma absurda queixa de homofobia, que esperamos ser devidamente esclarecida e tornada sem efeito”, acrescentou Feliciano no artigo publicado pelo portal Pleno News.

Ao final, o pastor assembleiano resumiu a essência da postura das igrejas evangélicas no país: “Faço questão de frisar que não temos nenhum preconceito; cada um forme a família da forma que desejar e que sejam felizes. O que não aceitamos é tentar trazer para dentro da Igreja valores que não se coadunam com os princípios cristãos”.

Gospel Mais

ÚLTIMOS POSTS