Silas Malafaia defende Felippe Valadão e critica a TV Globo

Pastor Silas Malafaia

O pastor Silas Malafaia publicou um vídeo neste sábado (21), em suas redes sociais, em defesa dos pastores Jeter Josepetti, acusado de homofobia por não ter batizado um homossexual, e Felippe Valadão, acusado de intolerância religiosa por ter reagido a despachos que foram postos diante do palco onde ele fazia um culto.

Ao falar do caso do pastor Jeter, da Igreja Presbiteriana Renovada de Aracaju, no Sergipe, Malafaia destacou que o líder religioso está protegido pelo inciso VIII do artigo 5° da Constituição Federal, que estabelece que “ninguém será privado de direitos por motivo de crença religiosa ou de convicção filosófica ou política”.

“Se você quiser entrar em um partido político, em um clube ou em qualquer religião tem um estatuto. Se você não estiver de acordo com o que o estatuto diz, você não pode fazer parte, não pode ser membro. As igrejas evangélicas têm como base a palavra de Deus e nós não batizamos quem vive na prática da prostituição, do adultério e do homossexualismo”, disse Malafaia.

Já no caso de Felippe Valadão, da Igreja Lagoinha de Niterói, no Rio de Janeiro, Malafaia criticou a Rede Globo por, segundo ele, fazer um jornalismo “bandido, parcial e que não quer saber da verdade” ao acusar Valadão de intolerância religiosa. Para Malafaia, o pastor da Lagoinha está protegido pelo inciso VI do artigo 5° da Constituição.

“Religiões afros colocaram despachos na frente do palco, isso é intolerância religiosa. O que o Felippe Valadão fez foi uma reação da sua indignação. E eu perguntei a ele: “A Globo foi te entrevistar?”. Não, a Globo não entrevista nada, ela odeia os evangélicos e tem o jornalismo mais bandido desse país”, completou.

Sobre os casos

O fotógrafo João Pedro Pedroso acusou a Igreja Presbiteriana Renovada de Aracaju de ter praticado homofobia contra ele por tê-lo impedido de se batizar no último domingo (15). Ao portal G1, João Pedro Pedroso afirmou que a justificativa apresentada pelo pastor da igreja seria de que ele não poderia ser batizado por ser homossexual.

Sobre o ocorrido, a Igreja Presbiteriana Renovada de Aracaju (IPRA) informou que um candidato ao batismo que não estiver apto a ser batizado, de acordo com as normas da igreja, não pode participar do ato batismal.

Já o caso relacionado ao pastor Felippe Valadão, da Igreja Lagoinha de Niterói, aconteceu durante um evento em Itaboraí, na Região Metropolitana do Rio, na última quinta-feira (19). Na ocasião, ele reagiu a despachos que foram postos diante do altar. Desde então, ele passou a ser alvo de críticas de veículos de imprensa.

“De ontem [18] para hoje [19] tinha quatro despachos aqui na frente do palco. Avisa aí para esses endemoniados de Itaboraí: o tempo da bagunça espiritual acabou, meu filho. A igreja está na rua! A igreja está de pé! E ainda digo mais: prepara para ver muito centro de umbanda sendo fechado na cidade!”, disse ele, no evento.

Após ser acusado de intolerância, o pastor Felippe Valadão usou as redes sociais para dizer que ele não é o que os jornais ou as mídias estão falando a seu respeito. Ele convidou as pessoas que têm acessado o seu Instagram para criticá-lo a irem até a sua igreja, a Lagoinha de Niterói, e o conhecerem “de coração aberto”.

“Você que acha que eu sou isso aí que o jornal fala ou as mídias estão falando né, normal, o papel deles [da mídia] é esse mesmo, eles têm que vender matéria, eles têm que gerar engajamento, é isso aí, eles estão no papel deles. Então, você quer saber quem sou eu? Quer saber o que as pessoas que me seguem pensam a meu respeito? Vem na Lagoinha Niterói”, convidou.

Fonte: Pleno.News



Folha Gospel

ÚLTIMOS POSTS

Há momentos em que falar é violar o momento, quando o silêncio representa o maior respeito. A palavra para tais tempos é a reverência, e

Leia Mais »