SIM, SIM! E NÃO, NÃO! – Rawlinson Rangel

Share on facebook
Share on twitter
Share on email
Share on whatsapp
Share on linkedin

Antigamente, era no fio do bigode. Hoje, como pouca gente tem bigode, tem que ser no contrato mesmo. A palavra dada já não vale muito e sempre que for conveniente a gente rompe, acha alguma brecha, se justifica, mas não sai perdendo de jeito nenhum. Sim, sim! E não, não! É coisa de livro religioso.

Sei que este não é um livro sobre família, mas estou convicto que lealdade, fidelidade, companheirismo e honestidade se aprendem em casa, junto com uma série de outras virtudes. E como a família está debaixo de um terrível ataque à sua integridade, a sociedade está com problemas sérios no quesito cumprir a palavra.

Se em casa o até que a morte nos separe se dissolveu na incompatibilidade de gênios, por que motivo eu deveria ser fiel aos outros que nem íntimos são? Enquanto estou levando vantagem isso até que é fácil, mas quando não estou mais à vontade, me sinto incomodado, ansioso, o melhor é desistir e partir pra outra, mesmo que eu tenha dado a minha palavra. Mano, isso está errado!

A cotação da “Palavra Empenhada” despencou no mercado nacional, ou virou artigo descartável, como aqueles produtos importados da China. Paulo, o Apóstolo, já dizia que nos últimos dias as pessoas seriam “infiéis nos contratos” (Romanos 1.31). Bem, parece que estamos chegando ao fim.

Preciso ser justo. Sei que nem sempre é fácil cumprir o compromisso assumido em virtude de inúmeros fatores externos, e que nem sempre estão ligados ao caráter da pessoa. Uma situação de desemprego inesperada é o que basta para colocar um pai de família numa situação desesperadora por não poder cumprir sua palavra. Ou alguém que resolveu não fazer o combinado resulta em dificuldades pra você também. Acredito que todos podem entender situações assim. Mas o que incomoda os outros é quando você não fala nada, não explica a situação, não procura pra resolver. Você deu a palavra, mas não está nem aí para as consequências de não cumpri-la. Se você falou, tá falado, então tem a obrigação de fazer o que disse ou então se explicar por que não conseguiu.

E quando a gente esquece o que disse? Confesso que minha memória muitas vezes não é minha aliada, parece até que trabalha contra mim. Já tive que me desculpar por muitas coisas que disse que faria e não fiz simplesmente porque esqueci. Não posso arrumar outra justificativa, tenho de falar a verdade. Esqueci mesmo! Isso é chato demais, mas é a verdade. As pessoas se sentem ofendidas, tristes, magoadas, mas eu esqueci. É uma situação constrangedora demais, ninguém gosta, mas se aconteceu preciso assumir. Se vou inventar desculpas, vou mentir e isso é pecado. Esquecer não é pecado, pode até ser falta de consideração, mas não é pecado. Mas mentir para justificar o esquecimento é fazer a emenda ficar pior do que o soneto.

Mentir se aprende em casa. Um pai que não cumpre a palavra está transmitindo um conceito aos seus filhos. Uma hora ele vai cobrar a verdade deles e não a terá. Ele vai se sentir ofendido, triste, traído e furioso, mas a culpa é só dele. Durante anos seus filhos o viram dizendo à esposa que estaria num lugar quando na verdade estava em outro. Ou o ouviam dizendo que naquele fim de semana eles sairiam juntos, mas nunca acontecia. Ou que ele traria um presente, mas falhava. É claro que sempre havia uma boa explicação, o pai sempre se justificava, mas devido à constância das promessas não cumpridas, os filhos percebiam que simplesmente não era verdade. O mesmo acontece com a mãe que vive escondendo coisas do marido, tentando ganhar a cumplicidade dos filhos para fazer o que acha certo. Um dia farão com o que o que ela muito bem ensinou. Não falha. Eles vão mentir para vocês.

Mentir é um hábito desenvolvido após um contínuo exemplo e muita prática. Pais são os primeiros exemplos e os mais fortes. Se nós como pais descuidarmos da verdade, nunca poderemos esperar a verdade de nossos filhos. No fim, estaremos criando pessoas problemáticas para a igreja e para o mundo. O mais estranho para mim é quando deliberadamente os pais ensinam seus filhos a não falar a verdade. O exemplo clássico é quando o filho atende o telefonema de uma pessoa com a qual o pai não quer falar, e este manda o filho dizer que ele não está. Muitas vezes os pais dizem aos filhos que eles precisam ter o cuidado de não ferir os sentimentos das pessoas e que por isso uma pequena mentira pode ser dita. Esse comportamento segue até a idade adulta e seu filhinho se torna um hipócrita. Tal pai, tal filho.

Muitas vezes a gente mente sem querer, mesmo sabendo que está errado. Às vezes é por causa do hábito e outras por causa do medo, quase como um mecanismo de defesa. Para não sofrer, a gente mente. É claro que nem assim é certo deixar de falar a verdade, mas acontece.

José Rodrigues, o fundador da Missão Cristã Mundial, tem uma mensagem intitulada Vinte maneiras pelas quais a gente mente. Vale a pena ouvir. São pequenas e quase insignificantes mentiras do dia a dia, mas que nos comprometem eternamente. Algumas são mais ou menos como estas: estou orando por você, quando não estou; tentei te ligar, mas não completou a ligação, mas nem tentei; é o meu dízimo inteiro, mas não é; Deus, minha vida é completamente tua, mas eu faço o que eu quero; essa semana eu passo lá, mas não passo; custa tanto, mas nem tanto; e por aí vai.

A questão que quero expor é que precisamos dar à nossa palavra o valor que ela de fato tem. A Bíblia fala que os mentirosos não herdam o Reino de Deus (Apocalipse 21.8).

E se isso acontece com você? Se a mentira é uma constante, um vício, um hábito de anos aprendido com os maus exemplos familiares? Se é uma ferramenta de trabalho, de vendas, de defesa? Então você precisa correr para o Senhor. Ninguém mais vai poder libertar você a não ser o Deus da verdade. É uma vergonha adquirir todo um patrimônio tendo como base a mentira. É devastador quando as pessoas descobrem a verdade a respeito de nossas mentiras. A destruição é total e a aniquilação da nossa moral é fatal. Dificilmente haverá retorno.

Volte seu coração para Deus. Arrependa-se de seus pecados e de suas mentiras. Confesse a ele uma por uma e peça que o lembre das esquecidas. Sinta nojo de viver na mentira. Anseie pelo perdão e pela verdade. Deixe o Espírito da Verdade ministrar ao seu coração para perdoar e curar você. E se for possível e necessário, o Senhor o conduzirá por um processo de reparação. Não tenha medo disso, pois é libertador.

Extraído do livro “Por trás da Língua” – disponível na nossa loja virtual.
Autor: Rawlinson Rangel. Graduado em Administração Pública, Teólogo, Diretor da Vida & Sociedade, organização que oferece o Curso Pólis – Capacitação Política na Cosmovisão Bíblica, Coaching de Vida e Consultoria Política, coordenador do Ministério de Igrejas Internacionais na Igreja Batista do Bacacheri (Curitiba-PR). Casado com Márcia e pai de Arthur e Levi.



Fonte: Orvalho.com

ÚLTIMOS POSTS