Texas proíbe aborto a partir da 6ª semana de gravidez

Share on facebook
Share on twitter
Share on email
Share on whatsapp
Share on linkedin

O Texas se tornou o maior estado dos EUA a sancioar um “projeto de lei sobre o batimento cardíaco” que proíbe o aborto depois que o batimento cardíaco fetal pode ser detectado, o que geralmente ocorre por volta das seis semanas de gestação.

“Nosso Criador nos concedeu o direito à vida”, proclamou o governador Greg Abbott (Partido Republicano) ao sancionar o projeto de lei na última quarta-feira, 19 de maio. “Mesmo assim, milhões de crianças perdem o direito à vida todos os anos por causa do aborto. No Texas, queremos salvar essas vidas”.

Programado para entrar em vigor em 1º de setembro, o Projeto de Lei 8 do Senado declara que “um médico não pode intencionalmente realizar ou induzir um aborto em uma mulher grávida se detectou um batimento cardíaco fetal para o feto”.

Os médicos também estão proibidos de realizar um aborto se não conseguirem realizar um ultrassom para detectar o batimento cardíaco fetal, de acordo com informações do portal The Christian Post.

O projeto também permite que os indivíduos movam uma ação civil contra um abortista que “realiza ou induz um aborto” e qualquer pessoa que “conscientemente se envolve em conduta que auxilia ou incentiva a realização ou indução de um aborto, incluindo o pagamento ou reembolso dos custos do aborto por meio de seguro ou de outra forma”.

Na cerimônia de assinatura, Abbott elogiou o Poder Legislativo do Texas por elaborar um projeto de lei bipartidário “que garante que a vida de cada criança que ainda não nasceu [mas já] com batimento cardíaco será salva da devastação do aborto”.

O governador também agradeceu ao Legislativo, destacando os autores do projeto, o senador Bryan Hughes e o deputado Shelby Slawson. Além disso, ele expressou gratidão aos grupos pró-vida que “trabalharam incansavelmente durante o curso da sessão para garantir que esse projeto fosse aprovado”, agradecendo-os por “tudo o que fazem para cultivar uma cultura de vida no Texas”.

A multidão reunida em torno de Abbott explodiu em gritos e aplausos depois que ele assinou a sanção da lei. Depois que ele declarou que “o projeto sobre a pulsação do coração do Texas agora é lei no Estado da Estrela Solitária”, mais gritos e aplausos irromperam em comemoração à defesa da vida.

O projeto de lei 8 do Senado foi aprovado na Câmara dos Representantes do Texas em 6 de maio por uma votação de 83–64 e o Senado do Texas aprovou a medida, com emendas da Câmara, em 13 de maio por uma votação de 18–13. Em ambas as casas, um democrata rompeu com seu partido para apoiar a legislação, à qual nenhum republicano se opôs.

Grupos pró-vida rapidamente elogiaram Abbott por assinar o projeto de lei 8 do Senado, com o movimento Texas Right to Life prevendo que a medida “salvará milhares de vidas”, caracterizando-a como “um passo vital no caminho para a abolição de todos os abortos no Texas”.

Embora elogie a legislação como uma “vitória histórica”, o grupo de defesa pró-vida instou o Legislativo estadual a adotar medidas pró-vida adicionais antes que a sessão legislativa termine.

Enquanto isso, grupos pró-aborto rejeitaram a medida e prometeram combatê-la. Alexis McGill Johnson, a feminista presidente da Planned Parenthood, a maior clínica de aborto nos Estados Unidos, descreveu o Projeto de Lei 8 do Senado como “cruel e extremo”.

Gospel Mais

ÚLTIMOS POSTS