“Vão olhar e ver Jesus brilhando em você”, diz Rebeca Andrade após ganhar medalha de prata

Share on facebook
Share on twitter
Share on email
Share on whatsapp
Share on linkedin

Rebeca Andrade, de 22 anos, trouxe para o Brasil a medalha de prata na ginástica artística individual nos Jogos Olímpicos em Tóquio, nesta quinta-feira (29) e agradeceu a Deus pela vitória e superação.

“Vão olhar e ver Jesus brilhando em você! Obrigado Deus, obrigado família!”, escreveu Rebeca em postagem na sua conta do Instagram.

A atleta se tornou a primeira brasileira a conquistar uma medalha olímpica na ginástica, depois de enfrentar três lesões graves no joelho e pensar em desistir do esporte. Hoje, Rebeca é um símbolo de superação nos Jogos de Tóquio.

“Acho que mesmo se eu não tivesse ganhado a medalha, eu teria feito história, justamente pelo meu processo para chegar até aqui. Não desistam, acreditem no sonho de vocês e sigam firmes. Dificuldade sempre teremos, mas temos que ser fortes suficientes para passar por dia. Tive pessoas maravilhosas que me ajudaram a passar por esse processo, espero que vocês tenham pessoas incríveis para ajudar a chegar no topo assim como cheguei”, disse Rebeca, após a conquista olímpica.

De origem humilde, vinda da periferia de Guarulhos (SP), ela sempre contou com a mãe Rosa Santos para enfrentar as dificuldades e não abandonar a carreira na ginástica. Rebeca começou no esporte aos 4 anos de idade, através de um projeto da Secretaria de Esportes de Guarulhos, no ginásio Bonifácio Cardoso, na Vila Tijuco.

Na época, a mãe da ginasta trabalhava como empregada doméstica para criar sozinha os oito filhos. A família morava numa casa de apenas um cômodo, onde todos dormiam, e o banheiro do lado de fora.

Rosa se esforçava para garantir que a filha fosse aos treinos, mas muitas vezes não tinha dinheiro para pagar o transporte. 

“Era muito difícil. Minha mãe não tinha dinheiro e eu faltava mais aos treinos do que ia. Ela ficava cansada de ir a pé e voltar do trabalho quando me dava o dinheiro para a passagem. Meu irmão então comprou uma bicicleta e me levava, mas às vezes ela quebrava. Ela pedia dinheiro emprestado para que não faltasse comida. E como não sobrava, não podíamos comprar outras coisas. Roupa eu ganhava das pessoas que me conheciam e doavam”, contou Rebeca ao Globo Esporte.

Foi com a ajuda da técnica Keli Kitaura que a menina conseguiu se manter na ginástica. Aos 9 anos, Rebeca foi levada por Keli para treinar em Curitiba, num importante centro da ginástica artística brasileira.

Se revelando como uma promessa da ginástica, logo depois, a atleta foi contratada pelo Flamengo e, junto com Keli, se mudou para o Rio de Janeiro. 

Hoje, graças ao seu sucesso na ginástica artística, Rebeca pode dar uma casa melhor para sua mãe, que foi quem a convenceu a nunca desistir do esporte. 



Guia me

ÚLTIMOS POSTS