‘Veganismo é ensino de demônios’, diz pastor Rodrigo Mocellin

Share on facebook
Share on twitter
Share on email
Share on whatsapp
Share on linkedin

O veganismo é um dos movimentos derivados do progressismo e tem seduzido muitos cristãos por conta do apelo sentimental que se faz ao atribuir sofrimento ao animais. Dentro desse contexto, o pastor Rodrigo Mocellin fez um contundente contraponto a essa doutrinação.

Mocellin, que dirige a Igreja Resgatar, em Guaratinguetá (SP), definiu esse movimento como pagão: “No centro do pensamento vegano há uma clara rejeição à revelação bíblica, que coloca o homem, e somente o homem, como a coroa da Criação, por ser a imagem e expressão de Deus na Terra. No lugar, adota-se a teoria da evolução como explicação para nossa origem”.

O pastor recapitulou a parte do evolucionismo que serve de apoio à doutrina vegana: “Por meio de seleção natural aleatória, durante bilhões de anos, nós teríamos evoluído de outros animais, ‘nossos parentes’, diferenciando-nos deles por sermos racionais, enquanto que eles, os animais, são irracionais. Mas, no fim, somos todos ‘bichos’”.

“O veganismo deve ser rejeitado, primeiro, porque ele fere a constatação natural de que o homem é maior que os animais. Em segundo, porque é hipócrita ao falar de igualdade para preservar uma galinha no mesmo instante em que pede a morte de bebês”, afirmou Mocellin.

Em seguida, o pastor destacou que a Bíblia não deixa margem para dúvidas sobre a inspiração do veganismo: “[É] ensino de demônios, assim como Paulo afirma: ‘Ora, o Espírito afirma expressamente que, nos últimos tempos, alguns apostatarão da fé, por obedecerem a espíritos enganadores e a ensinos de demônios, pela hipocrisia dos que falam mentiras e que têm a consciência cauterizada, que proíbem o casamento e exigem abstinência de alimentos que Deus criou para serem recebidos com gratidão pelos que creem e conhecem a verdade. I Timóteo 4:1-3’”.

O quarto ponto destacado por Rodrigo Mocellin é que “o veganismo deve ser rejeitado pela contradição, já que para se produzir arroz também há morte”, já que a cultura do vegetal exige que outras espécies sejam preteridas.

“Por fim, o veganismo deve ser rejeitado por sua identificação com o socialismo, aquela ideologia que deixou um rastro de miséria por onde passou, matando milhões de pessoas de fome, no século passado, ao eliminar o livre mercado. Na realidade, um bom jeito de tornar o mundo vegano, na marra, é tornar a economia totalmente socialista, pois quando isso acontece, não tem nada para comer, a não ser barro”, encerrou o pastor.

Gospel Mais

ÚLTIMOS POSTS