Vladimir Putin cita a Bíblia para justificar a invasão da Ucrânia

Vladimir Putin, presidente da Rússia

Em um comício em Moscou nesta sexta-feira, 18, o presidente russo Vladimir Putin parafraseou João 15:13 para justificar a invasão em curso da Ucrânia, que matou centenas de civis, incluindo dezenas de crianças.

Durante seu discurso no comício realizado no Estádio Luzhniki de Moscou para “celebrar” o oitavo aniversário da anexação da Crimeia, que não é reconhecida pela maioria dos países, Putin elogiou os militares russos por lutar “heroicamente” na Ucrânia.

“Sabe, eu me lembro das palavras da Bíblia. Não há outro amor além de alguém dar alma por seus amigos”, disse Putin, de acordo com a transmissão de seu discurso pela BBC. O comentário foi seguido por muitos aplausos da multidão.

A observação de Putin foi uma referência a João 15:13 , que afirma: “Ninguém tem maior amor do que este: dar a vida pelos amigos”.

“Estamos vendo os feitos heroicos de nossos rapazes nesta operação”, acrescentou Putin, segundo a tradução da CNN. “Essas palavras da sagrada escritura do cristianismo, é algo muito querido por aqueles que professam essa religião.”

“Mas tudo se resume ao fato de que esse valor universal para todos os povos e todas as confissões da Rússia e para o próprio povo acima de tudo e a melhor confirmação disso é como nossos rapazes estão lutando no decorrer desta operação militar, ombro a ombro, ajudando e apoiando uns aos outros”, continuou ele. “Se houver necessidade, eles se protegerão no campo de batalha das balas como irmãos. Há muito tempo não tínhamos essa união”.

Durante o discurso de Putin, o Russia 24, o meio de comunicação estatal que transmitiu o discurso, mudou para imagens de uma banda militar tocando no mesmo palco, informou o The Moscow Times. A agência de notícias independente observou que “a televisão estatal russa é rigidamente controlada e tais interrupções são altamente incomuns”.

No entanto, o Kremlin afirmou mais tarde que a transmissão foi “interrompida devido a problemas técnicos no servidor”.

Enquanto a agência de notícias RIA Novosti relatou mais de 95.000 pessoas presentes e mais de 100.000 fora do estádio, o jornal citou relatos de algumas pessoas sendo forçadas a comparecer ao comício.

“Eles nos colocaram em um ônibus e nos trouxeram até aqui”, disse uma mulher à agência de notícias SOTA do lado de fora do estádio .

Alguns relatos na mídia russa também sugeriram que as pessoas receberam 500 rublos (aproximadamente US$ 5) para participar do evento.

O Escritório do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos (ACNUDH) disse, na sexta-feira, que registrou 2.149 vítimas civis, incluindo 816 mortos e 1.333 feridos, desde que a invasão russa da Ucrânia começou em 24 de fevereiro.

Entre os mortos estão 152 homens, 116 mulheres, sete meninas, 16 meninos, 36 crianças e 489 adultos cujo sexo ainda não é conhecido. No entanto, “o número real pode ser muito maior”, informou o ACNUDH.

“A maioria das baixas civis registradas foi causada pelo uso de armas explosivas com uma ampla área de impacto, incluindo bombardeios de artilharia pesada e sistemas de foguetes de lançamento múltiplo, mísseis e ataques aéreos”, disse o comunicado do ACNUDH.

Quase 6,5 milhões de pessoas foram deslocadas dentro da Ucrânia e mais de 3,2 milhões fugiram do país, informou a agência de migração da ONU na sexta-feira. Quase um quarto dos 44 milhões de habitantes da Ucrânia foi forçado a fugir.

“O ritmo e a magnitude do deslocamento interno e do êxodo de refugiados da Ucrânia, bem como as necessidades humanitárias resultantes, só aumentarão se a situação se deteriorar”, disse o porta-voz do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados, Matthew Saltmarsh, segundo a AFP .

Apesar de citar o Novo Testamento, a invasão da Ucrânia por Putin foi condenada por quase 300 líderes ortodoxos russos em uma carta aberta emitida no início deste mês.

“Lamentamos a provação a que nossos irmãos e irmãs na Ucrânia foram imerecidamente submetidos”, escreveram os clérigos ortodoxos russos em sua carta aberta. “O Juízo Final aguarda cada pessoa.”

O Patriarca de Moscou Kirill, um aliado de Putin, foi acusado de dar justificativa religiosa para a invasão, embora inúmeros líderes religiosos tenham pedido que ele condenasse a violência.

No final de fevereiro, Kirill teria chamado a oposição da Rússia na Ucrânia de “forças do mal” que “lutaram contra a unidade da Rússia e a Igreja Russa prevalecer”.

Além dos mais de 280 padres ortodoxos russos, mais de 300 ministros de igrejas evangélicas na Rússia pediram a reconciliação e o fim imediato da invasão russa da Ucrânia.

O secretário-geral da Aliança Evangélica Russa divulgou um comunicado na semana passada dizendo que lamenta a invasão e fez “tudo o que podia fazer para evitar a guerra”.

O Comitê Ortodoxo de Assuntos Públicos (OPAC), que defende em nome da Igreja Cristã Ortodoxa global, disse em um comunicado que as palavras de Kirill capacitam Putin ao “dar cobertura religiosa a esse conflito inconcebível e injustificado”.

“As declarações de Kirill soam vazias e cheiram a interferência direta do governo”, diz a declaração da OPAC compartilhada com o The Christian Post. “Isso é porque ele deve sua posição e os benefícios lucrativos que recebe a Vladimir Putin? Por que ele não fala por seu rebanho ucraniano? Por que ele endossa os militares russos, mesmo apresentando-lhes um ícone sagrado?”

Folha Gospel com informações de The Christian Post



Folha Gospel

ÚLTIMOS POSTS

Há momentos em que falar é violar o momento, quando o silêncio representa o maior respeito. A palavra para tais tempos é a reverência, e

Leia Mais »